Avaliação de ultrassom pré-hospitalar em emergências

A ultrassonografia (US) point-of-care é uma ferramenta de diagnóstico por imagem comprovada no departamento de emergência (ED). Os dispositivos americanos modernos são agora mais compactos, acessíveis e portáteis, o que aumentou o uso em ambientes austeros.

Ultra-som no local de atendimento (US) foi estabelecido como uma modalidade de imagem ideal quando usado por médicos de emergência treinados no ambiente clínico.

Ele pode diagnosticar de forma rápida e precisa muitos condições de risco de vida Incluindo hemoperitônio, derrame pericárdico, tamponamento cardíaco, pneumotóraxe aneurisma da aorta abdominal.

Indiscutivelmente, tornou-se a modalidade de imagem inicial de escolha em pacientes criticamente enfermos devido à sua portabilidade, facilidade de uso, velocidade e fornecimento de informações dinâmicas em tempo real sem expor os pacientes à radiação ionizante. Esses atributos tornam a US uma ferramenta atraente no ambiente pré-hospitalar.

 

Uso pré-hospitalar de ultrassom: resultado do estudo

No entanto, estudos que apóiam o uso de US na cenário pré-hospitalar são limitados. O resultado principal deste estudo piloto foi determinar se paramédicos poderia realizar ultrassonografia cardíaca em campo e obter imagens adequadas para interpretação. Um resultado secundário foi se os paramédicos poderiam identificar corretamente a atividade cardíaca ou a falta dela em pacientes com parada cardíaca.

 

Métodos: desenho e configuração do estudo

Realizamos um estudo educacional prospectivo usando uma amostra de conveniência de paramédicos profissionais sem experiência em ultrassom.

Os paramédicos elegíveis participaram de uma sessão de 3 horas no ponto de atendimento dos EUA. Os paramédicos então usaram os EUA durante chamadas de emergência e salvaram as varreduras para possíveis queixas cardíacas, incluindo: dor no peito, dispneia, perda de consciência, trauma ou parada cardíaca.

 

Resultados do estudo e conclusões

Quatro paramédicos de dois bombeiros distintos inscreveram um total de 19 pacientes únicos, dos quais 17 foram considerados adequados para a tomada de decisão clínica (89%, IC 95% 67% –99%). Os paramédicos registraram com precisão 17 casos de atividade cardíaca (100%, IC 95% 84% –100%) e 2 casos de paralisação cardíaca (100%, IC 95% 22% –100%).

Nosso estudo piloto sugere que, com o mínimo de treinamento, os paramédicos podem usar a US para obter imagens cardíacas adequadas para interpretação e diagnóstico de paralisação cardíaca. Outros ensaios clínicos em grande escala são necessários para determinar se a ultrassonografia pré-hospitalar pode ser usada para orientar o cuidado de pacientes com queixas cardíacas.

 

FONTE

Comentários estão fechados.