O relatório verbal entre médicos de emergência e paramédicos

Rachel Waldron, MD e Diane M. Sixsmith, MD, MPH

Introdução - Manter a segurança do paciente durante a transição do atendimento pré-hospitalar para o departamento de emergência (DE) depende da comunicação efetiva da transferência entre os prestadores. Procuramos determinar o conhecimento dos médicos de emergência (EP) sobre os cuidados prestados pelos paramédicos em termos de procedimentos e medicamentos, e se o uso de um relatório verbal melhorou a precisão do médico.

Métodos - Realizamos uma pesquisa observacional da fase 2 de uma amostra de conveniência de EPs em um ED acadêmico urbano. Neste grande grupo de paramédicos, não há contato direto com médicos para pacientes não críticos, entregando seu relatório à enfermeira de triagem. Na Fase 1, os paramédicos deram relatório verbal apenas à enfermeira da triagem. Na Fase 2, um assistente de pesquisa (AR) estacionado em triagem ouviu esse relatório e depois o repetiu literalmente para os EPs que cuidavam do paciente. A AR então consultou os EPs 90 minutos depois, sobre os procedimentos e medicamentos pré-hospitalares de seus pacientes. Comparamos a precisão desses métodos de relatório 2.

Resultados - Haviam 163 pesquisas concluídas na Fase 1 e 116 na Fase 2. O relatório oral não teve efeito na conscientização do PE de que o paciente havia sido trazido por ambulância (86% na Fase 1 e 85% na Fase 2.) O relatório oral melhorou o conhecimento do PE quanto aos procedimentos pré-hospitalares, de 16% na Fase 1 para 45% na Fase 2, OR = 4.28 (2.5–7.5). Os EPs foram capazes de identificar corretamente todos os medicamentos orais em 18% dos casos da Fase 1 e 47% dos casos da Fase 2, e todos os medicamentos IV em 42% dos casos da Fase 1 e 50% dos casos da Fase 2. O relato verbal levou a uma melhora leve no conhecimento do médico sobre os medicamentos orais administrados, OR = 4.0 (1.09–14.5), e nenhuma melhora no conhecimento do médico sobre os medicamentos administrados por via intravenosa, OR = 1.33 (0.15–11.35). Usando uma pontuação composta de procedimentos mais medicamentos orais mais IV, os médicos acertaram todas as três categorias em 15% da Fase 1 e 39% dos casos da Fase 2 (p <0.0001).

Conclusão - Os EPs do nosso DE não tinham conhecimento de muitos procedimentos e medicamentos pré-hospitalares, independentemente do método usado para fornecer essas informações. A adição de um relatório de entrega verbal resultou em uma melhoria modesta na precisão geral.

LEIA MAIS SOBRE NCBI

Comentários estão fechados.