Férias na Itália e segurança, IRC: "mais desfibriladores em praias e abrigos. Precisamos de um mapa para localizar geograficamente o AED"

Férias na Itália, posição do IRC (Conselho Italiano de Ressuscitação) destaca a segurança e, mais precisamente, a presença e as características dos desfibriladores DEA em praias e abrigos

Férias na Itália, os desfibriladores estão prontos? A chamada do IRC

Mais desfibriladores são necessários nos mais de 6,200 estabelecimentos balneares e 700 refúgios na Itália para poder intervir com mais eficácia mesmo em lugares distantes de centros habitados como montanhas e praias: isto é enfatizado pelo IRC, o Conselho Italiano de Ressuscitação, uma sociedade científica que reúne médicos e operadores especialistas em ressuscitação cardiopulmonar.

É necessário também censo e geolocalização dos desfibriladores externos automáticos (AEDs) já existentes na área para a criação de um mapa interativo que possa ser consultado por todos em seus celulares, conforme já previsto na nova lei de AEDs aprovada em 28 de julho.

DESFIBRILADORES, VISITEM O ESTANDE EMD112 NA EXPO DE EMERGÊNCIA

Itália / Nota do IRC sobre desfibriladores em locais de férias

De acordo com o Conselho Italiano de Ressuscitação, uma sociedade científica sem fins lucrativos de médicos e enfermeiras especialistas em ressuscitação cardiopulmonar, mais desfibriladores externos automatizados (AEDs) são necessários em estâncias de férias à beira-mar e nas montanhas, que são mais frequentadas por turistas e mais distantes de áreas residenciais.

Férias na Itália: é necessário um censo dos AEDs já presentes na área para a criação de um mapa digital que possa ser consultado por meio do celular, conforme já previsto na nova lei de AEDs aprovada em 28 de julho

Os primeiros socorros rápidos e a presença de um desfibrilador externo automático (DEA) são elementos essenciais para lidar de forma eficaz com uma parada cardíaca, mas a intervenção é mais complexa quando a emergência ocorre em locais menos próximos aos centros urbanos, como praias e montanhas, freqüentados em o verão por milhões de turistas: na Itália existem mais de 6,200 * resorts à beira-mar e lacustres e mais de 700 * refúgios.

“É importante fazer um censo e geo-localizar os AEDs já presentes na Itália, incluindo os instalados em balneários e refúgios, e, conforme prevê a nova lei dos AEDs, criar um mapa interativo que possa ser consultado por meio um aplicativo para celular, para que todos possam saber qual desfibrilador está mais próximo do local de emergência ”, afirma Giuseppe Ristagno, presidente do IRC, o Conselho Italiano de Ressuscitação, sociedade científica sem fins lucrativos reconhecida pelo Ministério da Saúde, que reúne médicos e enfermeiras especialistas em ressuscitação cardiopulmonar.

“Também é necessário aumentar o número de AEDs em praias equipadas, abrigos e instalações esportivas, e difundir o treinamento de primeiros socorros o mais possível”.

Para explorar essas questões, o IRC disponibilizou em seu site dois estudos aprofundados gratuitos sobre resgate de montanha em ambientes inacessíveis, em colaboração com o Corpo Nazionale Soccorso Alpino e Speleologico (Corpo Nacional de Resgate Alpino e Espeleológico), a Azienda Sanitaria Friuli Occidentale ( Western Friuli Health Authority) e a Azienda Sanitaria dell'Alto Adige (South Tyrol Health Authority), e no resgate no mar e em lagos em caso de afogamento, em colaboração com a Federazione Italiana Nuoto (Federação Italiana de Natação), 118 em Trentino e Arezzo, o Istituto Giannina Gaslini e a Costa Cruzeiros.

Uma recomendação para férias inteligentes na Itália ... não apenas para partidas

Uma recomendação imprescindível para quem vai fazer uma excursão a um local isolado à beira-mar, lago ou montanha é descobrir os pontos de referência do local (por exemplo, o número do caminho) e ativar a geolocalização no telemóvel, que pode ajudar os serviços de resgate a identificar a área em que intervir.

Também deve ser lembrado que entre os principais fatores que aumentam o risco de afogamento estão a superestimação da própria capacidade de natação, o uso de álcool e drogas e a falta de supervisão de crianças por adultos.

As 8 ações para "salvar vidas" que todos podem realizar

Na Europa, ocorrem cerca de 400,000 paradas cardíacas a cada ano (60,000 na Itália) e estima-se que apenas 58% dos casos daqueles que assistem intervêm com manobras de salvamento (massagem cardíaca, ventilações) e 28% dos casos com um desfibrilador*.

Portanto, é essencial que qualquer pessoa que testemunhar uma parada cardíaca tome imediatamente algumas ações simples: se não houver perigo, aproxime-se da pessoa a ser resgatada; chame-o e sacuda levemente a parte inferior do corpo; se ele ou ela não responder, observe o tórax para ver se ele ou ela está respirando; se ele não responder e não respirar normalmente, ligue para o 112; siga as instruções da operadora e, se possível, ative o viva-voz; se possível, peça aos presentes que tragam o DEA; coloque as mãos em cima do centro do tórax da pessoa a ser resgatada; iniciar a massagem cardíaca com os braços estendidos e 2 compressões por segundo, sem retirar as mãos do peito; se e assim que disponível, ligue o DEA e siga as instruções.

DESFIBRILADORES DE EXCELÊNCIA NO MUNDO: VISITE O ESTANDE ZOLL NA EXPO DE EMERGÊNCIA

A nova lei AED

Aspectos essenciais para melhorar os primeiros socorros, como o mapeamento e geo-localização dos AEDs, a sua distribuição alargada, o reforço da formação em primeiros socorros para todos os cidadãos e a sua introdução obrigatória nas escolas, a obrigação de os 118 serviços de urgência disponibilizarem telefone aos cidadãos as instruções sobre como reconhecer uma parada cardíaca, como fazer massagem cardíaca e como usar o DEA já fazem parte da nova lei aprovada definitivamente pelo Parlamento em 28 de julho.

Leia também:

Conselho Europeu de Ressuscitação (ERC), Diretrizes 2021: BLS - Suporte Básico de Vida

Itália, 'Lei do Bom Samaritano' aprovada: 'Não punibilidade' para quem usa um DEA desfibrilador

Fonte:

IRC Press Release

você pode gostar também