Bombeiros / Piromania e obsessão pelo fogo: perfil e diagnóstico dos portadores deste transtorno

No DSM V, a piromania é classificada como um controle de impulso e distúrbio de conduta, e parece ser baseada em uma intensa obsessão por fogo, chamas e seus efeitos.

Na verdade, um incendiário atira fogo não para fins econômicos ou abertamente criminosos, mas simplesmente para excitação e prazer. Existem, é claro, razões psicológicas e psiquiátricas por trás disso.

O termo piromania vem do grego 'pyros' que significa fogo e 'mania' que significa obsessão

O termo denota, portanto, uma intensa obsessão pelo fogo, pelas chamas, suas consequências, mas também por todas as ferramentas para iluminá-lo, propagá-lo ou apagá-lo.

A piromania afeta aproximadamente 6% a 16% dos homens com menos de 2 anos e 9% a 2001% das mulheres adolescentes (APA, DSM-IV-TR, XNUMX), embora a idade de início seja geralmente menor.

Não raro, esses jovens atearam fogo a pequenas coisas, objetos, dentro ou fora de casa e podem fazer vários preparativos para iniciar um incêndio.

Apesar desses números, não existem dados confiáveis ​​sobre o desenvolvimento e o curso da piromania.

A relação entre acender fogueiras na infância e piromania na idade adulta ainda não foi suficientemente documentada.

Em pessoas diagnosticadas como piromaníacas, os episódios de início de incêndio vêm e vão com frequências muito diferentes.

O curso natural também é desconhecido.

Os maiores estudos na área de crimes contra incêndio foram realizados nos EUA por unidades do FBI especialmente criadas para investigar esses crimes.

Todas as pesquisas sobre piromania, realizadas nos campos psicopatológico e criminológico, concordam que a base desse comportamento é uma forte atração pelo fogo (Bisi, 2008).

VEÍCULOS ESPECIAIS PARA BOMBEIROS: VISITE O ESTANDE ALLISON NA EXPO DE EMERGÊNCIA

FALANDO DE PYROMANIA: O PERFIL DO PYROMANIAC

No DSM-5, a piromania está incluída no Controle de Impulso e nos Transtornos da Conduta.

Por definição, é um impulso incontrolável que leva uma pessoa a deliberada e intencionalmente atear fogo porque experimenta prazer, gratificação ou alívio quando atearam fogo, testemunham seus efeitos ou participam das consequências.

Pessoas com este transtorno experimentam tensão ou excitação emocional antes do ato e estão interessadas, fascinadas, intrigadas pelo fogo e todos os seus elementos (como equipamento, consequências, usos).

Normalmente são observadores habituais de incêndios nas proximidades, podem disparar alarmes falsos e são frequentemente atraídos para a aplicação da lei, equipamento e pessoal associado à gestão de incêndios.

Do ponto de vista clínico, para ser diagnosticado como incendiário, deve-se excluir incêndios com fins lucrativos, incêndios relacionados à expressão de ideologia ou política, incêndios relacionados à ocultação de provas criminais, incêndios causados ​​por vingança ou raiva, incêndios iniciados para melhorar as próprias circunstâncias (por exemplo, relacionadas a seguros) e incêndios relacionados a delírios ou alucinações.

O foco então está no prazer, na excitação que a pessoa experimenta em relação ao fogo e suas consequências.

As consequências de um incêndio não são consideradas pelo incendiário, que vê no incêndio apenas aspectos positivos para si: tensão satisfeita, alívio; além disso, ter provocado o incêndio faz com que se sinta o verdadeiro e absoluto protagonista.

Como aponta Ermentini, a imensa atração pelo fogo e tudo o que está ligado a ele não se expressa apenas em acender o fogo, mas é acompanhada pela satisfação de testemunhar todas as fases que se seguiram à extinção do fogo, inclusive ouvir as reportagens após o evento e suas consequências (Ermentini, Gulotta, 1971).

MONTAGEM DE VEÍCULOS ESPECIAIS PARA BRIGADAS DE INCÊNDIO: DESCUBRA A ESTANDE PROSPEADA NA EXPO DE EMERGÊNCIA

POSSÍVEIS PERFIS PSICOLÓGICOS DO ARSONISTA

Segundo Cannavicci (2005), podem-se traçar perfis psicológicos e comportamentais que se ocultam por trás da piromania e da intencionalidade de provocar incêndios:

  • Incendiário por vandalismo. São indivíduos que (geralmente em grupos) atearam fogo por tédio ou por diversão.
  • Incendiário para lucro. Atua com a intenção de ganho pessoal.
  • incendiário de vingança. Tem como objetivo destruir a propriedade de terceiros como compensação pessoal.
  • Incendiário para o terrorismo político. Atua com a intenção de exercer pressão sobre o poder público.
  • Incendiário para outro crime. Nesse caso, o fogo é usado para apagar as evidências deixadas por outro crime e, assim, desviar a investigação.
  • Os incendiários podem ser classificados de acordo com a motivação do desejo de provocar incêndios.

A atração do incendiário pelo fogo pode ter vários significados psicológicos e gatilhos, incluindo cognição anti-social, ressentimento, interesse pelo fogo e aspectos emocionais expressivos com necessidade de reconhecimento.

Um estudo recrutou 389 incendiários adultos que passaram por avaliação forense de saúde mental em uma clínica na Holanda entre 1950 e 2012.

Cinco subtipos de incendiários foram identificados: instrumental, recompensa, multiproblema e relacionamentos perturbados ou desordenados.

Diferenças significativas foram observadas tanto nas características do agressor quanto nos padrões de incêndio (Dalhuisen et al., 2017).

Em psicologia e psiquiatria, a piromania ainda é considerada uma doença relacionada a transtornos mentais graves

É muito complexo para diagnosticar e tratar porque raramente é identificável de uma forma 'pura', mas é mais provável de estar associado a outros distúrbios.

Muitas vezes, o desejo patológico por uma chama é formado durante a infância e o pico da doença é considerado entre as idades de 16 e 30 anos. As mulheres sofrem de piromania com muito menos frequência do que os homens.

Freqüentemente, os primeiros sintomas aparecem durante a infância.

Vários estudos psiquiátricos mostraram casos em que os piromaníacos experimentaram uma real excitação sexual ao queimar algo, seguida por uma descarga. Isso é chamado de pirofilia.

O tratamento dos piromaníacos é difícil porque eles não reconhecem a presença da doença e, portanto, podem recusar o tratamento, que é basicamente farmacológico e seguido de terapia.

Infelizmente, também ocorrem recaídas.

Mas basicamente eles são característicos de pessoas que continuam a abusar de álcool e drogas após o tratamento.

Artigo escrito pela Dra. Letizia Ciabattoni

Leia também:

Nomofobia, um transtorno mental não reconhecido: vício em smartphones

Ecoanxiedade: os efeitos da mudança climática na saúde mental

Fontes:

https://www.onap-profiling.org/lincendiario-e-il-piromane/

https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/246208/9788894307610-V1-ita.pdf?sequence=108&isAllowed=y

American Psychiatric Association (2014), "Manuale Diagnostico e Statistico dei Disturbi Mentali (DSM 5)", Raffaello Cortina Editore: Milano

Baresi C., Centra B .. (2005), “Piromania Criminale. Aspetti socio - pedagogici e giuridici dell'atto incendiario ”, EDUP: Roma

Bisi R. (2008), “Incendiari e Vittime”, Rivista di Criminologia, Vittimologia e Sicurezza, Anno 2, N. 1, pp 13-20

Cannavicci M. (2005) “Il piromane e l'incendiario”, Silvae, anno II, N. 5

Ermentini A., Gulotta G. (1971), “Psicologia, Psicopatologia e Delitto”, Antonio Giuffrè Editore: Milano

você pode gostar também