Coccigodinia: sintomas, diagnóstico e tratamento

A coccigodinia é uma dor intensa no cóccix e no final da coluna lombar. A dor que irradia na região lombar e às vezes dificulta até mesmo sentar ou realizar atividades mundanas, como amarrar os sapatos, pode ser devido a uma inflamação do cóccix: coccigodinia

O que é coccigodinia?

Coccigodinia ou coccidínia, do grego kòkkux = 'cóccix' e odùne = 'dor', não se refere a uma patologia específica, mas a uma sintomatologia dolorosa originada de um estado inflamatório no final da coluna vertebral, região osteoligamentar do cóccix, localizado ao nível da região anal e prega glútea.

A coccidínia afeta principalmente uma população com idade média de 40 anos, em 60-70% dos casos do sexo feminino.

As razões podem estar na maior proeminência do cóccix nas mulheres em relação aos homens, portanto, em sua maior suscetibilidade a esse tipo de estado inflamatório.

Além disso, outro elemento que caracteriza a prevalência feminina da coccigodinia é sua frequente associação com o ciclo menstrual e, em alguns casos, com traumas gerados durante o parto.

Sintomas de coccigodinia

Essa síndrome se manifesta, como já mencionado, com dor na região do cóccix, que às vezes, no entanto, também caracteriza as áreas vizinhas, como a coluna lombar e as nádegas, podendo se tornar mais aguda:

  • na posição sentada;
  • ao passar de uma posição sentada para uma posição em pé;
  • quando a pressão é aplicada à área afetada.

As causas

As causas subjacentes desta manifestação dolorosa podem ser resumidas da seguinte forma:

  • trauma direto: um golpe ou uma lesão na área do cóccix pode ser a causa da inflamação, com as seguintes diferenciações estatísticas:
  • trauma por queda em cerca de 25% dos casos;
  • traumas leves, mas repetidos, como em esportes como ciclismo e remo, em cerca de 12%;
  • trauma de parto, em cerca de 12%;
  • trauma de tratamento cirúrgico em cerca de 5% (pelo menos 50% destes de cirurgia realizada em 'posição de litotomia', ou seja, com o paciente deitado de costas com os joelhos afastados).
  • causa desconhecida (idiopática);
  • prostatite: como resultado de uma inflamação da próstata.
  • tumor: na base da coccigodinia pode, mais raramente, haver também uma neoplasia como, por exemplo,
  • cordoma: tumor que geralmente se desenvolve na base do pescoço ou coluna;
  • tumor de células gigantes ou osteoclastoma: neoplasia óssea caracterizada pela presença de células gigantes e ocorrendo principalmente em ossos longos como fêmur e tíbia;
  • schwannoma intradural: tumor que acomete as células de Schwanna nos nervos espinhais;
  • cistos perineurais (cistos de Tarlov): bolsas contendo líquido cefalorraquidiano que se originam ao longo da coluna vertebral e em particular na área sacral;
  • lipoma intraósseo: tecido adiposo que se forma dentro do osso;
  • carcinoma retal: câncer do reto, a parte do intestino mais próxima do ânus;
  • hemangioma sacral: uma proliferação das células epiteliais dos vasos sanguíneos na área sacral;
  • metástases pélvicas, muitas vezes de câncer de próstata.

Diagnóstico de coccigodinia

O diagnóstico de coccigodinia é puramente clínico, ou seja, com o paciente manifestando dor e/ou sensibilidade na prega anal.

A confirmação é feita por injeção de anestésico local na área do cóccix: se a dor estiver relacionada a essa área, o sujeito perceberá alívio imediato.

Isso é necessário para uma história diferenciada de dor em outras áreas da parte inferior da coluna e região pélvica que podem simular coccigodinia.

Se o teste anestésico for positivo, seguirá a radiografia dinâmica ou ressonância magnética, que mostrará se o cóccix está deslocado quando o paciente está prestes a se sentar.

A radiografia dinâmica pode identificar a causa da dor em cerca de 68% dos pacientes, enquanto a cintilografia óssea e a ressonância magnética (RM) podem detectar ou excluir fraturas ósseas e doenças neoplásicas.

Se houver suspeita do diagnóstico de coccidínia, o encaminhamento deve ser feito para um cirurgião com experiência em cirurgia da coluna vertebral, ou seja, um neurocirurgião ou ortopedista.

Remédios

A maioria dos pacientes apresenta melhora ou mesmo resolução completa dos sintomas em até 3 meses após o diagnóstico da coccidínia, por meio de tratamento conservador, que se baseia essencialmente na

  • terapia medicamentosa com: anti-inflamatórios não esteroidais; analgésicos leves; relaxantes musculares (miorrelaxantes);
  • almofada de borracha com o formato clássico de 'rosquinha', usada para reduzir a pressão no cóccix na posição sentada;
  • bandas lombares e cadeiras com apoio lombar, para manter a lordose necessária.

No entanto, os pacientes que apresentam melhora com o tratamento conservador em cerca de 20% dos casos podem apresentar recorrência dos sintomas no primeiro ano.

Nessas situações, a escolha pode ser repetir o tratamento conservador ou implementar estratégias mais direcionadas.

Terapia de coccigodinia para casos refratários

Para os casos clínicos mais obstinados e resistentes à terapia conservadora contra a coccigodinia as vias mais indicadas são, portanto,

  • Injeções locais: corticosteróides e anestésicos administrados localmente, que trazem melhora em cerca de 60% dos casos.
  • Manipulação do cóccix: através de movimentos específicos melhora-se ou mesmo restabelece-se o correto posicionamento e a suavidade da articulação. Em 85% dos casos há melhora do quadro clínico se a manipulação for realizada em combinação com injeções locais de cortisona e anestésico;
  • infiltração local com oxigênio-ozônio (terapia com oxigênio-ozônio), que tem efeito anti-inflamatório.
  • fisioterapia com tecarterapia e magnetoterapia, exercícios de alongamento e aplicação de calor para melhorar a postura;
  • coccigectomia: a remoção cirúrgica do cóccix (em particular sua porção móvel), que pode afetar até 20% dos pacientes que sofrem de coccigodinia. A operação cirúrgica determina uma melhora clínica em 90% dos casos, mas é obviamente a solução mais extrema, indicada para pacientes em que todas as outras terapias falharam com desaparecimento do sintoma.

Leia também:

Emergency Live Even More ... Live: Baixe o novo aplicativo gratuito do seu jornal para iOS e Android

Dor crônica e psicoterapia: o modelo ACT é mais eficaz

Lumbago: o que é e como tratá-lo

Dor nas costas: a importância da reabilitação postural

Estenose Cervical: Sintomas, Causas, Diagnóstico e Tratamento

Terapia da dor para dor nas costas: como funciona

Fonte:

GSD

você pode gostar também