A vacina contra o HPV diminui o risco de recaída em mulheres positivas

Vamos falar do HPV, o papiloma vírus: de acordo com Caterina Ricci, especialista em oncologia ginecológica, prevenção do HPV e patologias do trato genital inferior, o soro diminui o risco de recorrência em mulheres que já contraíram o vírus

“A vacina contra o papilomavírus foi estendida à população adulta graças aos dados coletados ao longo dos anos em relação à eficácia da própria vacina e à introdução no mercado da fórmula não valente, que protege contra nove cepas do HPV: 2 de baixo risco e 7 de alto risco, este último responsável por cerca de 90% dos cânceres cervicais.

Em mulheres que já contraíram o vírus, a vacina também reduz o risco de recorrência de lesões relacionadas ao HPV.

A introdução do desenvolvimento não valente da vacina ampliou muito seu potencial e uso, principalmente na população feminina adulta e, em certa medida, na população masculina ”.

Caterina Ricci, especialista em oncologia ginecológica, prevenção do HPV e patologias do trato genital inferior no Policlinico Agostino Gemelli em Roma, explicou os últimos desenvolvimentos no uso e indicações para a vacina contra o HPV.

VACINA DE HPV, QUANDO OBTER

“A vacinação contra o HPV não é obrigatória, mas fortemente recomendada.

É, de fato, uma arma de prevenção muito valiosa contra o agente que é a causa fundamental do câncer, o câncer do colo do útero.

É uma vacina de segurança e eficácia documentadas, com um perfil de efeitos colaterais semelhante a muitas outras vacinas administradas a crianças ”.

“A distinção de gênero vem de indicações gerais ditadas por ensaios clínicos, que fornecem vacinação segura com eficácia documentada em mulheres entre 9 e 45 anos de idade e em homens entre 9 e 26 anos.

Na verdade ”, acrescenta,“ o mais recente 'Calendário de vacinas vitalícias' do Ministério da Saúde não estabelece limite máximo de idade, referindo-se sobretudo à possibilidade de utilização da vacina indicada pelos estudos científicos, permitindo a sua administração , sujeito a aconselhamento, em indivíduos que podem se beneficiar dele e em categorias de risco, como populações imunodeprimidas ”.

Embora também possa ser administrada a pessoas que já contraíram o vírus HPV, a vacina não tem valor terapêutico.

É uma ferramenta preventiva ”, diz a ginecologista, explicando que seu uso na população adulta com vírus positivo decorre de seu potencial para abranger várias cepas.

Na verdade, é bastante improvável que uma pessoa tenha adquirido todas as cepas contidas na vacina não valente.

A vacina, portanto, tem uma alta probabilidade de proteger contra cepas diferentes daquela possivelmente adquirida.

Além disso, no caso de indivíduos positivos para um ou mais genótipos vacinais, a vacina pode atuar como um estímulo, um lembrete e um reforço do sistema imunológico natural.

Como é preventivo, entretanto, é mais eficaz na população com vírus negativo.

A VACINA DO HPV REDUZ O RISCO DE RECORRÊNCIA

No que diz respeito à população que já contraiu o vírus, um achado interessante é o relativo à prevenção de recorrências: “Existem dados recentes, mas robustos”, diz Ricci, “que sustentam a utilidade da vacina não valente na redução do risco de recorrência, especialmente após tratamento cirúrgico de lesões relacionadas ao HPV.

Seguiu-se, nos últimos meses, a indicação, já implementada por algumas regiões, da possibilidade de vacinação gratuita para mulheres que receberam tratamento para lesões relacionadas ao HPV, com o objetivo de proteger contra cepas não adquiridas e diminuir a risco de possível recorrência ”.

HPV, TAMBÉM HÁ UM TESTE DE TRIAGEM

É necessário fazer um teste de rastreamento antes de solicitar a vacinação contra o HPV?

“A vacinação pode ser solicitada mesmo sem investigar se você teve contato com o vírus ou qual cepa de HPV você contraiu no passado.

No entanto ”, diz o especialista,“ é aconselhável fazer o teste de HPV porque agora é o teste de rastreio considerado pelo Serviço Nacional de Saúde e o Plano Nacional de Rastreio, e porque pode ser útil para apoiar o aconselhamento em vacinação, especialmente no adulto população e HPV positivo.

TESTE DE HPV E TESTE DE PAP, AS DIFERENÇAS

Teste de HPV e teste de Papanicolaou, quais são as diferenças?

“O teste PAP - explica o especialista - ainda é usado por ginecologistas e consiste na esfoliação das células cervicais, ou seja, um exame de anatomia patológica, que é lido em uma lâmina e tem sido a principal e altamente eficaz ferramenta de rastreamento de prevenção do câncer cervical. nos últimos 50 anos.

No entanto, foi recentemente substituído como teste de triagem pelo teste de HPV, que está disponível gratuitamente a partir dos 30 anos de idade, por se mostrar mais adequado e mais sensível na previsão do risco de desenvolvimento de pré- lesão tumoral ao longo dos anos, com base no aumento do conhecimento do papel do HPV no desenvolvimento de lesões pré-tumorais e de câncer cervical.

Dependendo da técnica de teste utilizada, o teste pode indicar positividade / negatividade ou tipagem do vírus, ou seja, dar uma indicação de qual estirpe do vírus foi contraída.

O teste de HPV é realizado com uma zaragatoa e a amostra é submetida a análises de microbiologia molecular ».

VACINA DE HPV E VACINA DE COVID

No caso da vacinação Covid, há alguma indicação de intervalo entre essa vacina e a vacina contra o HPV? Em caso afirmativo, qual é o intervalo de tempo?

Uma vacinação não exclui a outra, mas a coadministração não está prevista ”, explica Ricci,“ razão pela qual um intervalo de cerca de 3-4 semanas entre as vacinações é geralmente recomendado.

O esquema da vacina contra o HPV ”, ela acrescenta,“ atualmente fornece 2 doses para a população de 9 a 14 anos e 3 doses para a população adulta.

Uma dose de reforço subsequente com eficácia clínica de longo prazo documentada não foi considerada necessária até agora.

A vacina não é indicada durante a gravidez ”, destaca o especialista,“ mas pode ser administrada durante a amamentação.

HPV, COMO SER VACINADO

Como obtenho a vacinação contra o HPV?

De acordo com as diretivas mais recentes emitidas em nível nacional, e já amplamente implementadas em nível regional ”, explica Ricci,“ uma mulher que não foi vacinada na infância, até 26 anos de idade, pode solicitar à autoridade de saúde local para a vacinação gratuita, enquanto até poucos meses atrás a vacinação gratuita era o principal alvo na região do Lácio até os 12 anos de idade.

A partir dos 26 anos ainda é possível solicitar a vacinação em regime de copagamento, ou seja, a um custo subsidiado partilhado com o preço da vacina adquirida na farmácia.

A vacinação pode ser solicitada e agendada nas autoridades de saúde locais ou nos postos de vacinação autorizados, como o do Policlínico Gemelli da Unidade de Ginecologia Oncológica e Patologia Genital Inferior, conhecido pela sigla PreGio, que indica prevenção na infância.

O especialista em oncologia ginecológica enfim enfatiza uma recomendação importante: “A vacinação contra o HPV não deve, porém, ser separada de um curso de prevenção primária, para quem não contraiu o vírus, e da prevenção secundária, para quem já teve HPV- problemas relacionados.

Leia também:

O que é o vírus do papiloma e como pode ser tratado?

Teste de Papanicolaou ou Papanicolaou: o que é e quando fazer

Alerta de aumento vertiginoso do custo da vacina

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também