Covid-19 no Brasil, empreendedores e entidades se unem para solucionar os entraves à vacinação

A Covid-19 no Brasil, o aumento da perda de vidas e a expectativa de que a melhora da economia esteja diretamente relacionada ao escopo da vacinação, incentivou empresários e entidades a aderirem ao movimento Unidos pela Vacina, liderado pela empresária Luiza Helena Trajano e seu Grupo Mulheres do Brasil.

A iniciativa, lançada nesta segunda-feira (8), visa facilitar a chegada do imunizante contra a Covid-19 a todos os brasileiros até setembro deste ano e, para isso, planeja várias frentes para solucionar os entraves à vacinação pública.

Em janeiro, um grupo de empresas privadas recebeu aprovação do governo federal para negociar a compra das vacinas da Oxford / Astrazeneca, com a premissa de que metade das doses adquiridas fosse oferecida ao sistema público de saúde SUS.

O restante iria para funcionários e familiares das empresas envolvidas nas negociações.

A aquisição pelo setor privado gerou muita discussão entre os especialistas, uma vez que permitiria a imunização fora dos grupos prioritários e reduziria a disponibilidade de vacinas adquiridas por governos, entre eles o brasileiro. A Astrazeneca negou negociação com as empresas.

A iniciativa liderada por Trajano, porém, propõe outra saída. Em publicação em suas redes sociais, a empresária anunciou: “Nossa meta é vacinar todos os brasileiros até setembro deste ano.

Sim, vacina para todos até setembro deste ano! Não discutimos política, não procuramos culpados. Discutimos como levar a vacina a todos em nosso país. ”

Entre as ações planejadas, o movimento Unidos pela Vacina terá uma forte campanha publicitária veiculada em todo o país em parceria com redes de televisão.

A campanha tem como objetivo inicial reduzir a resistência à vacina.

De acordo com a última pesquisa Datafolha, 17% dos entrevistados disseram não querer se vacinar e 4% disseram que não sabiam.

Em uma segunda etapa, a população receberá esclarecimentos práticos sobre o acesso à imunização contra a Covid-19.

Leia também:

COVID-19 No Brasil, João Doria: “A vacina é o resultado do nosso investimento em ciência”

COVID-19, EUA e a droga de Cuba: itolizumabe adotado nos Estados Unidos, México e Brasil

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também