Covid, alarma da ONU: 'Hospitais africanos carecem de oxigênio, taxa de mortalidade aumenta em 50%'

Covid, a ONU sobre hospitais na África. Onde apenas 2.8% da população é vacinada, oito países do continente estão enfrentando um aumento no número de mortes

Existem 70 países no mundo que não têm oxigênio suficiente para tratar pacientes com Covid-19.

Muitos dos países em maior dificuldade são africanos, pelo menos 25, com situações particularmente graves na Etiópia, Nigéria, Gana, Benin, Togo, Costa do Marfim e Somália.

Essa é a reclamação da Every Breath Counts, associação que apóia os países mais pobres na luta contra a pneumonia.

Unitaid: hospitais na África não têm oxigênio

O problema da falta de oxigênio nos hospitais africanos também foi tema de um encontro organizado na última quinta-feira pela Unitaid, agência de saúde ligada à OMS que trata da prevenção e tratamento de doenças em países de baixa e média renda.

Se quisermos garantir a segurança ”, disse Raji Tajudeen, médico e chefe dos Centros Africanos de Controle de Doenças, uma organização de saúde pública da União Africana, durante a reunião,“ não podemos depender das importações de oxigênio.

Sabemos que as próximas ondas vão criar novas variantes e, dada a baixa cobertura vacinal no continente africano, precisamos continuar investindo em suprimentos ”.

África, além da situação nos hospitais, também o acesso às vacinas da Covid

Na África, de fato, apenas 2.8% da população está totalmente vacinada, e a falta de oxigênio, segundo a OMS, é uma das causas do “aumento preocupante” da mortalidade em alguns países.

O relatório da OMS sobre o curso global da pandemia Covid-19, entre 23 e 29 de agosto, mostra que em oito países do continente houve um aumento de 50% nas mortes em relação à semana anterior.

Philippe Duneton, diretor executivo da Unitaid, compareceu à cúpula de saúde do G20 em Roma e lembrou a importância de garantir medicamentos, oxigênio e vacinas aos países necessitados.

“Estima-se que 1 milhão de pessoas em países de baixa e média renda precisam de mais de 2 milhões de cilindros de oxigênio por dia”, escreveu Duneton no Twitter.

“Os países do G20 têm um papel fundamental a desempenhar e podem cumpri-lo financiando o fundo de solidariedade da OMS, Act-Accelerator.”

Leia também:

República Centro-Africana, MSF: Ataques repetidos a cuidados médicos deixam pessoas vulneráveis ​​à doença e à morte

África, Chefe Humanitário da ONU visita a Etiópia

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também