Sistema de chamada de serviço de ambulância 999 com código de cores no País de Gales

Um novo sistema para lidar com 999 chamadas para serviço de ambulância no País de Gales entrou em vigor.

As metas de tempo de resposta de emergência serão descartadas para todos os casos de risco de vida, exceto durante um ano de julgamento.

As chamadas agora serão avaliadas e estima-se que 10% dos 420,000 ambulância emergências por ano serão codificadas como “vermelho” para as mais críticas.

A executiva-chefe do Welsh Ambulance Service, Tracy Myhill, disse que o novo sistema foi baseado em evidências clínicas. “Essas mudanças visam colocar nossos pacientes mais doentes em primeiro lugar”, acrescentou ela. Cumprir as metas tem sido um problema de longo prazo para o Serviço de Ambulâncias de Gales.

Os números de 2015 mostraram queda no desempenho após sete meses consecutivos de melhoria. Em agosto, 58.8% das respostas de emergência a chamadas com risco de vida da categoria A chegaram em oito minutos - abaixo da meta de 65% e abaixo dos 61.7% em julho.

Os gerentes argumentam que o atual sistema contra o relógio pode levar dois veículos - uma equipe de resposta rápida seguida de uma ambulância - para o que muitas vezes acaba sendo um caso menos crítico. Mas assim que for claramente um caso de risco de vida, um veículo de emergência será enviado.

Um software de reconhecimento de voz que identifica palavras-chave será usado para ajudar na triagem de chamadas e identificar casos críticos.

Mas quando não está claro qual é a gravidade de uma chamada, a equipe do centro de controle terá tempo extra - até dois minutos - para julgar como responder.

Paramédico e os conhecimentos de enfermagem também estarão disponíveis por telefone.

Até agora, cerca de 40% das chamadas 999 foram classificadas como Red 1 e Red 2 com risco de vida - sendo a primeira a mais crítica, como ataques cardíacos e onde o paciente parou de respirar.

No futuro, sob o sistema de semáforo, a confiança estima que o 65% das chamadas do 999 cairá em "âmbar", que ainda pode ver ambulâncias sendo enviadas, mas não contra o relógio.

No entanto, os gerentes dizem que a qualidade do atendimento ao paciente, incluindo os resultados, ainda será medida em números trimestrais.

Espera-se que outros 25% sejam classificados como “verdes” e poderiam acabar sendo tratados pelos GPs ou pelo NHS Direct.

Os partidos de oposição acusaram o governo galês de conveniência política ao mudar as metas, o que ocorreu após uma revisão do serviço de baixo desempenho por um economista de saúde há dois anos.

A Manta Cymru chamou o julgamento de "experimento perigoso".

Mas o NHS Trust dos Serviços de Ambulância do País de Gales disse que a nova maneira de trabalhar a tornaria "uma das mais progressistas do mundo".

FONTE

Comentários estão fechados.