DEA com chuva e molhado: orientação para uso em ambiente particular

Geralmente, o DEA pode ser usado sem nenhum risco. Mas, temos certeza de que é seguro, independente do ambiente? Enrico Baldi, médico da Fondazione IRCCS Policlinico San Matteo - Pavia e formado em Cardiologia, escreveu um artigo sobre o argumento publicado no Jornal Oficial do Conselho Europeu de Ressuscitação.

Na maioria das situações é fácil determinar se é possível usar um AED sem nenhum risco. De qualquer forma, todo instrutor de RCP / AED sabe que um leigo pode ficar em dúvida se o DEA pode ser usado com segurança em situações particulares.

AED em ambiente particular: uma revisão interessante

Desde que iniciamos nossa atividade de difusão do conhecimento em RCP / AED, ouvimos uma extrema variabilidade de respostas de instrutores de diferentes centros de treinamento quando um participante pergunta como usar um DEA em situações que dizem respeito à neve, chuva, piso úmido e muito mais.

Para ajudar os instrutores durante seus cursos, realizamos uma breve revisão da literatura sobre segurança de AED em ambientes específicos. Se uma pessoa estiver deitada na neve ou gelo, é seguro usar um DEA, pois ambos não são bons condutores. Também é seguro se uma pessoa estiver deitada em superfícies de metal porque posam nenhum perigo de choque para a vítima ou para o salvador.

As situações mais difíceis de interpretar são aquelas em que a água está presente em cena. Na literatura existem diferentes recomendações e evidências sobre este aspecto, por isso pode ser particularmente difícil para os instrutores sugerirem aos leigos uma forma simples e única de agir.

Diretrizes AHA 2010

As Diretrizes da AHA 2010 recomendam que pode ser razoável remover a vítima da água antes de prender os eletrodos e tentar desfibrilação (Classe IIb, LOE C), embora o Conselho de Ressuscitação do Reino Unido recomende que é seguro usar um DEA em uma vítima deitada em uma superfície molhada e as Diretrizes do ERC não abordam esse ponto.

Além disso, os fabricantes de AED, Zoll e Philips, experimentaram o uso de seus dispositivos na água, concluindo que a corrente que pode atingir o socorrista não é suficiente para causar qualquer perigo (3V onde estava o socorrista simulado e 12V sob o paciente simulado).

Além disso, é razoável supor que um ambiente chuvoso não deva apresentar riscos adicionais para os operadores, uma vez que a condutividade da água da chuva é menor do que a da piscina.

Na literatura há um estudo independente, realizado por Lyster T. et al., Que demonstrou, usando perus crus deitados na água da piscina e na água do mar, que a corrente máxima que atingiu o operador simulado a 15 cm dos pacientes simulados foi de 30V , inferior ao permitido pelos padrões de segurança e improvável que seja perigoso.

AED em um ambiente particular: evidências

Resumindo, hoje em dia existem evidências de que o uso de AED em um ambiente úmido (como um campo após a chuva, uma poça ou piso molhado) é seguro e que não há perigo para o paciente se procedimento de segurança é realizada (as pás adesivas são aplicadas corretamente, sem contato direto do usuário com a vítima e sem água entre as pás).

Com relação a isso, pensamos que é razoável sugerir aos leigos que retirem a vítima da água se isso puder ser feito em menos de 10 segundos, mas usar o DEA se o paciente não puder ser movido. Da mesma forma, em um ambiente chuvoso, os socorristas podem usar o AED, a menos que a chuva seja forte o suficiente para não manter o peito seco.

No entanto, esperamos que haja mais evidências em um futuro próximo que possam reforçar aquelas que já apresentam a literatura e que haverá nas próximas Diretrizes uma indicação clara e inequívoca para socorristas leigos sobre esta questão.

FONTE

Comentários estão fechados.