Arritmias, quando o coração 'gagueja': extrassístoles

As extra-sístoles são uma forma muito comum de arritmia e geralmente não são perigosas: apenas em uma pequena porcentagem de pacientes cardíacos as extra-sístoles podem reservar algumas surpresas

Extrassístoles, quando o coração 'gagueja'

A impressão é que o coração está 'balbuciando', criando uma sensação desagradável que obriga a um acesso de tosse com a intenção de trazer de volta o ritmo ao músculo mais importante do nosso corpo.

São as chamadas extra-sístoles, uma forma de arritmia muito comum e geralmente não ameaçadora: apenas em uma pequena porcentagem dos pacientes cardíacos as extra-sístoles podem reservar algumas surpresas.

O importante, portanto, é entender se essa anormalidade do ritmo cardíaco ocorre em um coração ou em um contexto de doença cardíaca e agir de acordo com isso.

O que é uma extrassístole?

É um batimento cardíaco “prematuro”, que interrompe o enchimento normal e completo do coração, entre um batimento e outro, produzindo uma pulsação quase imperceptível, muitas vezes descrita como um “salto no coração”, seguida de um pulso mais forte (a “Sopro” no centro do tórax), o efeito da “reposição” do batimento cardíaco normal.

Esta sequência (batimento cardíaco / pulso forte “abortado”) pode ocorrer várias vezes ao dia e ser despercebida ou quase imperceptível, mas muitas vezes pode ser desagradável.

Extrassístoles são perigosas para a saúde do coração?

Se o músculo cardíaco é "saudável", tanto do ponto de vista "estrutural" quanto em termos das propriedades elétricas das membranas celulares, é improvável que as extra-sístoles criem problemas graves para o paciente.

Pelo contrário, na presença de doença cardíaca, tanto extrassístoles supraventriculares (originadas nos átrios e, portanto, consideradas 'inocentes') e extrassístoles ventriculares (originadas nos ventrículos e, portanto, mais temidas) podem se tornar 'gatilhos', ou seja, iniciadores de mais complexos arritmias.

Como as taquicardias mais prolongadas e a 'notória' fibrilação atrial, no que diz respeito às extrassístoles supraventriculares.

Ou taquicardia ventricular ou a temida fibrilação ventricular no caso de extrassístoles ventriculares.

Este último, entretanto, tem uma peculiaridade adicional.

O que é ?

O 'número total' de extrassístoles ventriculares em 24 horas não é considerado o fator mais importante na avaliação de sua gravidade.

No entanto, quando representam 20-30% do total de batimentos diários (ou seja, há pelo menos 15,000 a 20,000 extrassístoles ventriculares por dia), pode haver uma deterioração gradual da "função de bomba" do coração, de modo que mesmo um paciente saudável pode atingir o limiar de insuficiência cardíaca.

Como as extrassístoles são diagnosticadas e seus riscos avaliados?

O processo diagnóstico envolve um exame cardiológico com um eletrocardiograma (ECG).

Uma história familiar cuidadosa (doença cardíaca ou morte súbita na família) e história pessoal são muito importantes.

Na verdade, as extrassístoles costumam ser facilitadas por comportamentos incorretos (uso excessivo de estimulantes, como chá, café, álcool, chocolate, mas também sedentarismo, excesso de peso, refluxo gastroesofágico, apnéia do sono, etc.).

Um elemento importante da história médica do indivíduo é a "síncope", ou seja, episódios de desmaio, especialmente se não houver uma causa clara.

Na ausência de um diagnóstico de doença cardíaca - como é o caso na maioria dos casos - o paciente pode ser tranquilizado e dispensado com alguns conselhos comportamentais (por exemplo, reduzir o uso de estimulantes, etc.).

Caso contrário, investigações adicionais são realizadas.

Quais?

O teste mais comumente usado e conhecido é o Holter ECG dinâmico (“Holter ECG”), ou seja, o registro do eletrocardiograma por 24 horas.

Este teste documenta o número de extrassístoles em um dia e o compara com o número total de batimentos cardíacos.

Além disso, é avaliado se as extrassístoles prevalecem durante a vigília ou sono, durante a atividade física ou repouso; se ocorrem um de cada vez (isolados) ou em sequências de dois, três ou mais batimentos (repetitivos); se ocorrem em intervalos regulares (bigeminismo, trigeminismo) ou não.

Outro fator importante é a sua precocidade, ou seja, a relação temporal entre a extra-sístole e o batimento anterior (que muitas vezes está de alguma forma na origem da própria extra-sístole).

Finalmente, o Holter ECG nos permite avaliar quaisquer alterações na aparência de certos componentes do eletrocardiograma (por exemplo, ondas T ou o intervalo QT), que podem ser correlacionadas com qualquer doença cardíaca subjacente e avaliadas para possíveis consequências.

Para capturar todas essas informações, é necessário que o Holter ECG forneça um registro eletrocardiográfico “completo”, ou seja, “12 derivações”, como o traçado normal do ECG.

O Holter ECG é suficiente para fornecer um quadro diagnóstico completo de extrassístoles?

O Holter ECG fornece uma avaliação puramente elétrica do fenômeno extrassístole.

Para uma avaliação morfológica e funcional do coração, é necessária a utilização de outros exames, principalmente ambulatoriais e não invasivos.

Em primeiro lugar, o ecocardiograma Doppler colorido fornece muitas informações.

Em casos selecionados, agora também está disponível a Ressonância Magnética Cardíaca, que fornece informações complementares às do ecocardiograma.

Já o teste de estresse em cicloergômetro é o 'teste de estresse' mais simples para avaliar o comportamento das extrassístoles durante o exercício, sob condições controladas e seguras.

Os exames invasivos também podem às vezes ser necessários: por exemplo, a coronarografia, que é útil na hipótese de uma origem isquêmica das arritmias, e os estudos eletrofisiológicos, que avaliam a vulnerabilidade do tecido cardíaco a arritmias mais complexas (que - como já dissemos - o mesmas extrassístoles podem desencadear) e nos permitem 'mapear' a origem das extrassístoles com extrema precisão, graças aos eletrodos introduzidos nas cavidades cardíacas.

Esses exames invasivos requerem uma curta permanência no hospital e os pacientes devem estar sempre bem informados sobre os possíveis riscos e a relação risco / benefício de tais exames.

O tratamento da extra-sístoles é então limitado a uma mudança no estilo de vida?

Isso costuma acontecer, especialmente na ausência de doenças cardíacas.

Se, no entanto, os sintomas forem incapacitantes para o curso normal das atividades diárias, pode-se iniciar a terapia medicamentosa com o objetivo de reduzir as extrassístoles.

Os medicamentos mais comumente prescritos são os beta-bloqueadores ou certos bloqueadores dos canais de cálcio.

Em casos selecionados, são utilizados antiarrítmicos genuínos, que possuem mecanismo de ação mais complexo e são de responsabilidade exclusiva de especialistas.

No caso de pacientes com doenças cardíacas?

Em pacientes com doenças cardíacas, o tratamento das extrassístoles coincide e geralmente complementa o tratamento da patologia de base.

Para alguns pacientes, cardiopatas ou não, muito sintomáticos, pode-se finalmente propor uma tentativa de ablação das extrassístoles: trata-se de uma terapia invasiva, que complementa o estudo eletrofisiológico, que visa recuperar a área de tecido a partir da qual as extra-sístoles se originam, por meio de cautério que desliga sua atividade.

Para pacientes com doenças cardíacas graves e de mau prognóstico, o implante de um Desfibrilador Cardíaco Automático (AICD) ainda deve ser considerado, pois não há garantia de que a terapia medicamentosa extinguirá completamente as extra-sístoles e com elas o risco de mais graves, até mesmo fatais, arritmias.

Por que se acredita que as extra-sístoles podem ser causadas pelo refluxo gastroesofágico?

Uma relação de causa e efeito definitiva entre extra-sístoles e refluxo gastroesofágico nunca foi totalmente comprovada, mas é do conhecimento comum que a digestão difícil e o refluxo gastroesofágico podem ser desencadeadores de extra-sístoles.

Em particular, no caso das extra-sístoles supraventriculares, foi levantada a hipótese de que a contiguidade anatômica entre o esôfago e o átrio cardíaco esquerdo pode transmitir irritação da mucosa esofágica, devido ao refluxo ácido do estômago, para o coração, promovendo a extra-sístole.

Então, um antiácido é suficiente?

Às vezes ... Mas você nunca deve fazer um diagnóstico precipitado.

Mesmo extra-sístoles supraventriculares "inocentes" podem ser um sinal de hipertensão arterial mal controlada ou de uma patologia inicial das válvulas cardíacas.

Portanto, o cardiologista deve ser extremamente cuidadoso e escrupuloso, mesmo sabendo que - na grande maioria dos casos - as extra-sístoles são e continuam sendo um sintoma benigno, sem consequências significativas.

Leia também:

Insuficiência cardíaca: causas, sintomas, testes para diagnóstico e tratamento

Pacientes cardíacos e calor: conselhos do cardiologista para um verão seguro

Ataque cardíaco silencioso: o que é infarto do miocárdio silencioso e o que ele implica?

Fonte:

Ospedale Sacro Cuore 

você pode gostar também