O leite materno estimula as defesas de crianças Covid-19: um estudo em Jama

Leite materno e Covid-19: um estudo em colaboração com Policlinico Umberto I examinou bebês de mães com SARS-CoV-2 positivo no parto. Resultados publicados no JAMA Network Open

A possibilidade de uma mãe com SARS-CoV-2 positiva no momento do parto transferir a infecção para o recém-nascido é muito rara: a experiência clínica durante esses dois anos de pandemia demonstrou isso.

Mas quais são os mecanismos que defendem o recém-nascido? Esta é a pergunta que se colocam aos investigadores do Hospital Infantil Bambino Gesù, que realizaram um estudo em colaboração com o Policlínico Umberto I de Roma.

O estudo, publicado na JAMA Network Open, mostra que graças ao leite de mães infectadas com o vírus, esses recém-nascidos são capazes de desenvolver suas próprias defesas imunológicas contra Covid-19.

SAÚDE DA CRIANÇA: SAIBA MAIS SOBRE MEDICHILD VISITANDO O ESTANDE NA EXPO DE EMERGÊNCIA

PESQUISA SOBRE LEITE MATERNO E DEFESAS ANTI-COVID-19

A investigação que acaba de ser publicada foi promovida pela Unidade de Investigação em Diagnóstico Imunológico do Hospital Infantil Bambino Gesù, no âmbito da Medicina Laboratorial Multimodal e da Unidade Operatória Complexo de Neonatologia, Patologia e Terapia Intensiva Neonatal do Policlínico Umberto I.

O estudo envolveu 28 mulheres - e seus recém-nascidos - que deram à luz no Policlínico Umberto I entre novembro de 2020 e maio de 2021.

Todas as mulheres testaram positivo para SARS-CoV-2 no parto após o cotonete de admissão ao hospital, embora muitas fossem assintomáticas.

Nenhuma das mulheres havia sido vacinada contra Covid-19 na época. Os pesquisadores decidiram verificar se e como essa condição da mãe no momento do parto afetava a imunidade do bebê.

PROTEÇÃO DE ANTICORPOS NO LEITE MATERNO

Em geral, a mãe protege seu bebê nos primeiros dias e meses de vida, transferindo seus próprios anticorpos através da placenta.

Estes são anticorpos IgG (ou imunoglobulinas) produzidos em resposta à infecção ou vacinação e contidos no sangue da mãe.

Esse mecanismo fornece ao bebê recém-nascido proteção passiva, permitindo que ele use os anticorpos da mãe na ausência dos seus.

Se a mãe amamentar, ela também transfere para o bebê outro tipo de anticorpo (IgA), os chamados anticorpos da mucosa, por serem produzidos pelas membranas mucosas do trato respiratório materno (assim como pelo intestino) e por ajudarem o recém-nascido contra infecções da mucosa, como resfriados ou gripes.

Os pesquisadores estudaram como esse mecanismo de proteção funcionava no caso de mães positivas para o coronavírus no momento do nascimento.

Eles procuraram e mediram a presença de imunoglobulinas específicas contra SARS-CoV-2 no sangue e no leite das mães, bem como no sangue e na saliva dos recém-nascidos.

A saliva contém anticorpos IgA que protegem as membranas mucosas e que a experiência pandêmica demonstrou ser geralmente muito eficaz contra a infecção por SARS-CoV-2.

Os exames foram realizados 48 horas após o parto e repetidos após dois meses.

ANTICORPOS ESPECÍFICOS NA SALIVA RECÉM-NASCIDA

Os resultados dos testes mostraram que anticorpos específicos para o vírus estavam presentes no sangue das mães dois meses após o nascimento, mas não às 48 horas.

Esse é um resultado previsível, pois sabemos que o sistema imunológico precisa de duas semanas para produzir imunoglobulinas IgG.

No leite, por outro lado, os anticorpos IgA específicos já estavam presentes 48 horas após o nascimento, mostrando que a resposta da mucosa para a produção de anticorpos é mais rápida do que a resposta sistêmica do corpo.

Consistente com esses achados, os bebês não tinham IgG específica para SARS-CoV-2 em seu sangue em 48 horas (porque a mãe não podia transmiti-la através da placenta, já que ela não tinha antes do parto) ou dois meses após o nascimento (porque os bebês não foram atacados pelo vírus e não foram infectados).

Na saliva, por outro lado, os anticorpos contra o vírus nas mucosas estavam presentes não apenas 48 horas, mas também dois meses após o nascimento, mas apenas nos bebês amamentados: 17 em comparação com 13 (incluindo dois pares de gêmeos).

Este é um primeiro resultado surpreendente, pois ao mesmo tempo a presença de anticorpos no leite materno foi significativamente reduzida, pois elas não eram mais positivas para o coronavírus.

Algo nas crianças parece ir além do mecanismo de mera proteção passiva.

LEITE DE MÃE COMO VACINA DE COVIDA

Após 48 horas, os bebês amamentados tinham anticorpos específicos da mucosa em sua saliva contra Covid-19 que os outros bebês não tinham.

Após dois meses, esses anticorpos continuaram presentes, embora as mães tivessem parado de produzi-los.

Para os pesquisadores, essa é a prova de que o leite materno desempenha um papel fundamental não só por oferecer proteção passiva, ou seja, transferir os anticorpos produzidos pela mãe para o bebê, mas também por ajudar o bebê a produzir suas próprias defesas imunológicas.

O mecanismo parece ser semelhante ao de uma vacina.

A IgA produzida por mães infectadas liga-se à proteína Spike expressa na superfície do vírus, formando uma molécula, chamada de complexo imunológico, que será transferida da mãe para o recém-nascido por meio da amamentação.

O complexo IgA-Spike herdado da mãe mostra-se imunogênico, ou seja, estimula o sistema imunológico a produzir anticorpos contra a SARS-COV-2, para que o recém-nascido seja capaz de produzir sua própria IgA protetora.

AS PERSPECTIVAS

É a primeira vez que esse mecanismo é demonstrado ”, disse a Dra. Rita Carsetti, chefe de Diagnóstico de Imunologia do Bambino Gesù.

Agora sabemos como o leite materno pode ajudar o bebê a desenvolver suas próprias defesas imunológicas.

O sistema poderia funcionar da mesma forma para muitos outros patógenos que estão presentes na mãe durante a amamentação ”.

Além disso: “Atualmente não há vacinas para recém-nascidos.

Os imunocomplexos podem ser um sistema de imunização oral que pode proteger a criança nos primeiros dias de vida.

A pesquisa, ela explica, 'agora será estendida e expandida em duas direções: de um lado, as mães que receberam a vacina Covid-19 durante a gravidez e, de outro, infecções generalizadas como o citomegalovírus e o vírus sincicial respiratório.

Deve ser lembrado que a vacinação durante a gravidez continua a ser a ferramenta mais eficaz para aumentar a capacidade da mãe de proteger seu recém-nascido, graças aos anticorpos transferidos através da placenta '.

Os resultados desta pesquisa destacam como “todos os esforços devem ser feitos do ponto de vista organizacional e comunicativo para estimular o contato entre a mãe e o recém-nascido a fim de promover a amamentação mesmo em situações extremas como a infecção por SARS-Cov2”, afirma o Prof. Gianluca Terrin , Diretor da Unidade de Neonatologia do Policlínico Umberto I.

A investigação “foi realizada numa dimensão de emergência total, durante a segunda e violenta vaga de propagação da COVID-19” sublinha o Prof. Terrin, acrescentando que “estes importantes resultados mostram como foi acompanhada a grande resposta assistencial do Policlínico Umberto I pelo estudo acurado dos fenômenos observados, o que levou a avanços científicos significativos no que diz respeito ao conhecimento dos mecanismos de desenvolvimento da resposta imune nas primeiras fases da vida, que também podem ter implicações em outras áreas da prática clínica ”.

Leia também:

Covid, da proteção de mães vacinadas para bebês por meio da amamentação

Amamentação em caso de positividade para COVID-19

Mulheres que amamentam e vacinas, o pediatra garante: “É eficaz e recomendado”

Fonte:

Ospedale Bambino Gesù

você pode gostar também