Dor no peito em crianças: como avaliá-la, o que a causa

Dor no peito geralmente indica queixas comuns, como ansiedade e refluxo. Se persistir por vários dias, seu pediatra pode ajudá-lo a entender se você deve se preocupar

Dor no peito é um sintoma frequente em crianças

É capaz de causar um forte estado de ansiedade e agitação em pacientes jovens e especialmente em seus pais, uma vez que no imaginário coletivo a dor no peito é um fenômeno frequentemente associado a eventos particularmente perigosos, principalmente a doença isquêmica do coração (angina de peito, ataque cardíaco )

Na verdade, a estreita associação entre dor no peito, doença isquêmica do coração e morte súbita, que é muito rara na idade pediátrica, costuma ser a causa de um alarme considerável.

PROFISSIONAIS DE ATENDIMENTO À CRIANÇA NA NETWOK: VISITE O ESTANDE MEDICHILD NA EXPO DE EMERGÊNCIA

Dor torácica em crianças e adolescentes é um motivo relativamente frequente para consultar o pediatra da família ou ir ao pronto-socorro

Na idade pediátrica, este sintoma raramente está relacionado a patologias potencialmente fatais (por exemplo, cardíacas), sendo muito mais frequentes aquelas de origem não cardíaca, tendendo a ser de natureza benigna e tendendo a curar espontaneamente ou com terapia adequada.

Mais de 95% das crianças avaliadas por um cardiologista pediátrico para dor no peito não têm causa cardíaca identificável.

A dor torácica origina-se de uma ampla variedade de estruturas: músculos peitorais, costelas, articulações costoesternais, nervos intercostais, diafragma, pulmão e, finalmente, coração.

Assim, lesão, irritação, infecção de qualquer um desses tecidos podem ser responsáveis ​​pelo sintoma.

Ocasionalmente, a dor pode se originar de outra área, como o abdômen, ou ser causada por estresse ou ansiedade.

A seguir está uma lista de causas de dor no peito em crianças:

  • Causas musculoesqueléticas: inflamação das cartilagens conectadas às costelas mais altas da caixa torácica (costocondrite), trauma, lesão muscular;
  • Causas respiratórias: tosse, bronquite, pneumonia, pleurisia, asma;
  • Causas psicogênicas: estresse, ansiedade;
  • Causas gastro-entéricas: refluxo gastroesofágico, gastrite;
  • Intoxicações: monóxido de carbono;
  • Uso de drogas: canabinóides, cocaína;
  • Causas cardíacas: estruturais (origem anormal das artérias coronárias, cardiomiopatia hipertrófica, estenose aórtica, prolapso mitral), inflamatórias (pericardite, miocardite), arritmias, dislipidemia, doença de Kawasaki, vasoespasmo, doenças do tecido conjuntivo.

Ocorre igualmente em ambos os sexos, com idade média de apresentação de 13 anos.

Às vezes, pode ocorrer novamente.

Na maioria dos casos, o exame médico será normal e os dados laboratoriais ou instrumentais (ECG, radiografia de tórax) podem ser de pouca ajuda.

A fim de coletar um histórico médico preciso, a criança deve ficar à vontade, facilitando a descrição da dor em suas próprias palavras ('meu coração estava disparado', 'era como se um pássaro estivesse batendo suas asas na minha tórax '), avaliar a personalidade do paciente e dos pais, as interações familiares (para excluir causas psicológicas da dor) e investigar se há algum membro da família com doenças cardíacas ou morte súbita.

O conhecimento das possíveis causas, uma história completa e um exame cuidadoso permitirão fazer o diagnóstico e adotar a estratégia de intervenção mais adequada.

Em caso de dor no peito, não entre em pânico

Lembre-se de que geralmente é devido a uma doença benigna ou autolimitada.

É importante que os pais saibam quais são as características, os sinais de alerta, da dor no peito relacionada a uma doença grave, que sempre deve ser avaliada com urgência no pronto-socorro:

  • Se a dor no peito for muito intensa;
  • Se aparecer sob estresse;
  • Se for difuso, pouco afetado pela posição;
  • Se estiver associada a sudorese, náuseas, perda de consciência, distúrbios respiratórios, febre, sudorese intensa;
  • Se a criança relatar uma sensação perturbadora na região cardíaca ou um aumento na frequência do ritmo;
  • Se a criança sofre de uma doença cardíaca já diagnosticada.

Todos os pontos acima devem ser considerados com ainda mais atenção se houver história familiar de síncope cardíaca, doença cardíaca ou morte súbita abaixo dos 50 anos de idade.

Na ausência das características acima, a maioria das crianças e jovens com dor no peito pode ser avaliada pelo pediatra da família, que pode sugerir um analgésico e avaliar se uma investigação diagnóstica adicional com exames hematoquímicos ou radiológicos é necessária ou se um exame cardiológico exame com ECG é apropriado.

Em casos selecionados, o cardiologista decidirá se realizará exames mais aprofundados, como ecocardiograma, ultrassom ou teste de cardiologia:

Um ecocardiograma, ultrassom direcionado do coração, para procurar anormalidades estruturais;

Outros testes, como Holter ECG de 24 horas, testes de estresse, etc.

Leia também:

Parada cardíaca hospitalar: dispositivos de compressão torácica mecânica podem melhorar o resultado do paciente

Tomografia computadorizada de tórax em fumantes: para que é usada e por que é essencial

Fonte:

bebê Jesus

você pode gostar também