Crianças e adolescentes testando positivo para Covid em casa, o decálogo dos pediatras

Pediatras italianos elaboraram um manual: dez regras úteis para pais de crianças e adolescentes Covid-positivos para evitar riscos

Após as centenas de milhares de casos de Covid que afetaram crianças e adolescentes nas últimas semanas, também devido à disseminação da variante Omicron, a Sociedade Italiana de Pediatria (Sip), por meio de sua tabela técnica Doenças infecciosas e vacinas, resumiu em um manual a maneira correta de manejar crianças e adolescentes Covid-positivos em casa.

São dez regras práticas “para ajudar os pais a afastarem ansiedades desnecessárias, mas também para evitar os riscos do 'faça você mesmo' e da administração inadequada de anti-inflamatórios antibióticos, lembrando sempre de encaminhar ao seu pediatra/médico de confiança para qualquer dúvidas”, explicam os especialistas.

SAÚDE DA CRIANÇA: SAIBA MAIS SOBRE MEDICHILD VISITANDO O ESTANDE NA EXPO DE EMERGÊNCIA

O DECÁLOGO DOS PEDIATRAS SOBRE O COVID

1. Nos casos assintomáticos de infecção por Sars-CoV-2, nenhum tratamento é indicado e na maioria dos casos pediátricos e adolescentes é recomendado apenas o tratamento sintomático com paracetamol ou, se a criança não estiver desidratada, o ibuprofeno é recomendado.

2. No caso de sintomas respiratórios que exijam terapia inalatória com broncodilatadores e/ou corticosteróides, é preferível um espaçador a um dispositivo de aerossolterapia para reduzir a propagação de partículas virais no ar.

3. Em caso de diarreia ou vómitos, deve ser assegurada uma hidratação adequada com soluções de reidratação oral. O uso de preparações vitamínicas específicas não foi demonstrado.

4. A antibioticoterapia não está indicada a menos que haja uma provável complicação bacteriana. Em particular, o uso terapêutico da azitromicina não é indicado.

5. Evite levar pacientes pediátricos com sintomas leves sugestivos de Covid ou sem sintomas ao pronto-socorro simplesmente por contato positivo. Por outro lado, na presença de desconforto respiratório, dor torácica persistente, cianose, alteração do nível de consciência e oligúria (diminuição da excreção urinária), não retardar a admissão ao serviço de emergência.

6. Recomenda-se a hospitalização em casos de doença moderada a grave, em lactentes febris com menos de 3 meses de idade e nos casos em que a família tenha dificuldades no manejo da criança.

7. Exames radiológicos (radiografia, ultrassonografia ou tomografia computadorizada) só devem ser considerados em crianças e adolescentes com sintomas moderados a graves.

8. Somente em crianças admitidas com quadros clínicos moderados a graves, com pneumonia e progressão do comprometimento da função respiratória, síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) ou quadros clínicos que se enquadram no diagnóstico de MIS-C, a adição de terapia imunomoduladora (com corticosteroides e imunoglobulinas), medicamentos biológicos e profilaxia antitrombótica com heparina devem ser considerados além dos cuidados de suporte.

9. A quarentena e o rastreamento de contatos próximos e sua vigilância são essenciais para quebrar a cadeia de transmissão do vírus.

10. A vacinação contra o Covid é recomendada em todas as crianças e adolescentes a partir dos 5 anos de idade. Em adolescentes a partir dos 12 anos de idade, além do ciclo de vacinação primária com duas doses, recomenda-se uma dose de reforço quatro meses após a segunda dose.

Leia também:

Emergency Live Even More ... Live: Baixe o novo aplicativo gratuito do seu jornal para iOS e Android

Elevando a fasquia para o tratamento do trauma pediátrico: análise e soluções nos EUA

Sinto febre: como distinguir um sintoma de coronavírus de outras doenças?

Pediatria / Febre recorrente: vamos falar sobre doenças autoinflamatórias

Fonte:

Agência Dire

você pode gostar também