Covid e HIV: 'Anticorpos monoclonais para as curas do futuro'

Covid e HIV, o ponto de viragem está nos anticorpos monoclonais? Novos horizontes terapêuticos foram discutidos durante a 13ª edição do Congresso Icar - Conferência Italiana sobre Aids e Pesquisa Antiviral

Ciência em ação no HIV e Sars-CoV-2: novas soluções no horizonte após o extraordinário progresso dos últimos meses, e os anticorpos monoclonais são os protagonistas

Se para a Covid as vacinas permitiram reduzir os contágios e os casos graves da doença, há alguns anos o HIV pode ser considerado uma infecção crônica graças ao advento da terapia antirretroviral de alta eficácia que permite o controle da replicação viral e a conseqüente supressão virológica , sintetizado em U = U, Indetectável = Não transmissível: o HIV não é transmitido se a viremia do parceiro soropositivo não for mais detectável no sangue, graças à ingestão correta de terapia antirretroviral eficaz.

Os novos horizontes terapêuticos oferecem novas percepções: tanto para o HIV quanto para a Covid, outras soluções podem estar nos anticorpos monoclonais.

Esta é uma das ideias que emergem da 13ª edição do Congresso Icar - Conferência Italiana sobre Aids e Pesquisa Antiviral, que se realiza em Riccione de 21 a 23 de outubro.

HIV E COVID-19, ABORDAGENS TERAPÊUTICAS COM ANTICORPOS MONOCLONAIS

Os anticorpos monoclonais tornaram-se um dos produtos farmacêuticos mais importantes também no campo infeccioso: o primeiro monoclonal nesse sentido foi usado para o vírus sincicial respiratório, depois para o Clostridium difficile; recentemente estudos e as primeiras aplicações para HIV e Covid começaram.

Na recente pandemia, esta abordagem terapêutica provou ser crucial na prevenção da degeneração da doença desencadeada pela Covid em suas formas mais graves.

No HIV, existe um anticorpo monoclonal, o ibalizumabe, que passou nos testes de fase 3.

Já foi aprovado pela Fda e Ema e está em processo de aprovação pela Aifa nestes dias, e em breve estará disponível em nossas cirurgias.

“Esse anticorpo monoclonal se liga às células CD4, evitando que o vírus entre na célula”, explica a professora Anna Maria Cattelan.

Esta abordagem terapêutica foi projetada para pacientes com uma longa história de terapia anti-retroviral e falência virológica.

Os dados em 96 semanas de tratamento indicam que mesmo em indivíduos com falha múltipla, houve uma resposta virológica em 56% dos casos; Eu diria que este é um resultado importante para o desenvolvimento futuro da molécula.

Isso é apenas o começo, pois esses anticorpos monoclonais também poderiam ser usados ​​em outros contextos, como na terapia inicial e até na prevenção do HIV.

Um estudo publicado este ano no New England Journal of Medicine sobre a prevenção da infecção pelo HIV em mais de 4,000 indivíduos com alto risco de infecção, embora não tenha se mostrado eficaz em alcançar este resultado ambicioso, representou uma importante 'prova de conceito', tanto para o desenvolvimento de futuras vacinas, quanto para o planejamento de novos estudos futuros que deverão envolver a combinação simultânea de vários anticorpos monoclonais capazes de atacar o vírus definitivamente.

Certamente está começando uma década que verá o desenvolvimento de muitas estratégias terapêuticas avançadas, incluindo a terapia gênica.

PROTEÇÃO DIÁRIA? VISITE O ESTANDE SUISSE RESSOURCES NA EMERGENCY EXPO

ANTICORPOS MONOCLONAIS: LONG COVID E HIV NA RAIZ DO ENVELHECIMENTO PREMATURO, O IMPACTO DA “GEROSCIÊNCIA

Dentre as muitas semelhanças que caracterizam a Covid e o HIV, as pesquisas vêm ganhando espaço sobre o efeito que os dois vírus têm no envelhecimento do indivíduo, entendido como uma condição de fragilidade no que diz respeito ao acúmulo de déficits ao longo de nossas vidas.

“O HIV é um modelo refinado de acentuação e aceleração do fenômeno do envelhecimento”, enfatiza o Prof. Giovanni Guaraldi, médico infectologista da Azienda Ospedaliero-Universitaria di Modena e Professor Associado da Universidade local.

No último ano, entre os efeitos da pandemia, observamos também a Síndrome Pós-Covid Aguda - Pacs, muitas vezes chamada simplesmente de Long Covid, que também é um fenômeno do envelhecimento da pessoa, como pode ser visto a partir das evidências empíricas em muitos pacientes que se sentem mudados após Covid.

HIV e Pacs estão unidos por esse mecanismo biológico de aceleração do fenômeno do envelhecimento com progressão da fragilidade.

É precisamente no tema do envelhecimento que surge há alguns anos uma nova ciência, a gerociência, segundo a qual o envelhecimento é uma doença que deve ser combatida por meio do diagnóstico precoce de forma a promover intervenções direccionadas através dos medicamentos senolíticos, que pode matar células envelhecidas e drogas senomórficas, que podem modificar o envelhecimento celular.

Como o Hiv e o Covid são duas doenças do envelhecimento, é interessante entender a abordagem da gerociência para essas doenças.

Porém, o HIV já pode ser considerado um modelo de aplicação da gerociência, visto que a terapia antirretroviral, na verdade, tem função senomórfica.

HIV E SARS-COV-2 NO LABORATÓRIO

Covid-19 fez com que cientistas infecciosos revivessem o pesadelo que viveram nas últimas décadas quando confrontados com o HIV.

No entanto, as duas infecções mostraram diferenças profundas, que se refletem principalmente nos testes de laboratório.

O Sars-CoV-2 e o HIV diferem na importância do aspecto quantitativo, na relação entre infecção e contagiosidade, no monitoramento da imunidade e no papel das variantes ”, destaca a professora Maria Rosaria Capobianchi.

Em Covid, que é uma infecção aguda, a importância dos aspectos quantitativos da carga viral, que é crucial para monitorar a infecção pelo HIV, uma infecção crônica, foi bastante reduzida.

Se um paciente com HIV atinge uma redução quantitativa da carga viral, ele ou ela pode não ser mais infeccioso, conforme estabelecido no princípio U = U; em Covid, por outro lado, pode haver persistência prolongada do genoma viral na árvore respiratória, mas isso não corresponde a infecciosidade persistente.

Além disso, o conceito de imunidade muda: no HIV não é sinal de recuperação, mas de infecção para toda a vida, enquanto em Covid a presença de anticorpos é evidência de ter encontrado o vírus e superado a infecção.

PROTEÇÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE? VISITE O ESTANDE BIOCAREMÉDICO NA EXPO DE EMERGÊNCIA E SAIBA COMO MELHORAR A QUALIDADE DO SEU TRABALHO

Os anticorpos também são um parâmetro chave para a avaliação da proteção induzida por vacinas, em populações-modelo a partir das quais podem ser extraídas informações sobre a duração e a extensão da proteção, de modo que estratégias flexíveis e oportunas para políticas de vacinação possam ser elaboradas.

Muitas ferramentas para medir a imunidade, tanto natural quanto adquirida por vacina, estão atualmente disponíveis.

No entanto, os níveis de anticorpos que correspondem ao estado de proteção ainda não são claros e muitos laboratórios estão trabalhando na comparação dos diferentes métodos imunométricos com o teste biológico que mede a capacidade de neutralizar a infectividade do vírus.

Na verdade, este teste, devido à sua complexidade, não pode representar o padrão de rotina, por isso, instrumentos mais acessíveis e simples devem ser identificados para as aplicações do dia a dia. Além disso, os dados mais recentes também enfocam a imunidade celular, que parece ter uma duração mais longa do que a imunidade de anticorpos.

A imunidade celular também parece ser menos afetada pela variabilidade viral.

Ligado a isso, deve-se dizer que, do lado da Covid, dá-se muita atenção às variantes do vírus que podem frustrar a proteção da imunidade induzida pela vacina.

No HIV, a experiência que adquirimos nos últimos 40 anos nos ensinou que as mutações são importantes em um contexto diferente, principalmente ligadas à eficácia dos antirretrovirais '.

Leia também:

Estudo da Sanofi Pasteur mostra a eficácia da coadministração de vacinas Covid e influenza

OMS: 'A pandemia continuará a menos que as vacinas sejam distribuídas aos países pobres'

Itália, estudo com CNR: Eugenol Antiviral Potential Against Covid-19

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também