Pediatria / hérnia diafragmática, dois estudos no NEJM sobre técnica para operar bebês no útero

Todos os anos, 1 em cada 4,000 bebês nasce com hérnia diafragmática: esta é uma condição congênita que compromete seriamente a sobrevivência dessas crianças após o nascimento, na qual um ou mais órgãos do abdômen 'cruzam' o diafragma e invadem a cavidade torácica, comprometendo gravemente o desenvolvimento adequado dos pulmões

Hérnia diafragmática, a técnica de oclusão traqueal endoluminal fetoscópica (FETO)

Existe uma técnica chamada oclusão endoluminal traqueal fetoscópica (FETO) que é usada apenas em alguns centros no mundo, incluindo o Policlinico di Milano: é uma técnica que melhora a sobrevivência dessas crianças operando-as enquanto ainda estão em barriga de sua mãe.

Até agora, no entanto, faltam dados sólidos para confirmar a validade científica deste procedimento.

Esta confirmação agora vem de dois estudos recém-publicados no New England Journal of Medicine, ambos assinados pelos principais especialistas internacionais em cirurgia fetal, terapia intensiva neonatal e cirurgia pediátrica, incluindo nosso próprio Nicola Persico, Fabio Mosca e Ernesto Leva, professores da Universidade de Milão.

Os dois estudos sobre hérnia diafragmática envolveram 14 centros em todo o mundo

Os dois estudos envolveram 14 centros internacionais de cirurgia fetal (incluindo Itália, Bélgica, Reino Unido, França, Espanha, Canadá, Japão, Austrália, Estados Unidos, Alemanha, Holanda e Polônia) e 46 centros com vasta experiência em cuidados neonatais; os estudos compararam a sobrevivência de bebês com hérnia diafragmática que seguiram a via tradicional (cirurgia ao nascimento) com aqueles que puderam ser operados no útero com a técnica FETO.

No caso de bebês com hérnia diafragmática grave, o estudo foi interrompido antes do planejado porque a técnica FETO mostrou taxas de sobrevivência significativamente maiores: 40% dos bebês operados no útero em comparação com 15% dos bebês operados no nascimento, e essas taxas foram as mesmas aos 6 meses.

Para hérnia diafragmática moderada, o aumento da sobrevida em bebês operados por FETO em relação à via tradicional foi menor, de 50% para 63%, e não foi estatisticamente significativo.

Para a forma moderada, mais estudos são necessários para esclarecer o efeito da intervenção pré-natal na sobrevivência infantil, enquanto para as formas mais graves, o FETO agora pode ser proposto com base em evidências científicas sólidas.

A técnica FETO envolve a introdução de uma espécie de 'balão' inflável pela boca do feto ainda na barriga da mãe.

Esta terapia in utero promove o desenvolvimento normal dos órgãos afetados pela malformação tanto quanto possível.

O balão permanece no lugar, logo abaixo das cordas vocais, por cerca de seis semanas. Em seguida, é removido em uma segunda operação, por volta da 34ª semana de gestação, para desobstruir as vias aéreas antes do nascimento.

Leia também:

Toracosquise congênita rara: primeira cirurgia pediátrica no Hospital Alemão de Jeddah

Pediatrics / Covid-19: Após a infecção, as crianças mais protegidas do que os adultos

https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa2027030

https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa2026983

Fonte:

Policlinico di Milano

você pode gostar também