Herpes, o doloroso retorno do vírus da varicela

As telhas, mais conhecidas como telhas, podem levar a complicações sérias, como dor intensa que não responde aos medicamentos convencionais para o alívio da dor e dura meses

Os antivirais não são totalmente eficazes na prevenção do aparecimento de neuralgia.

As vacinas são, especialmente as mais recentes do mercado, que também são adequadas para os imunocomprometidos.

Herpes zoster, o nome científico da doença, por outro lado, não tem nada de evocativo além da dor às vezes descrita como insuportável por aqueles que tiveram de lidar com a erupção cutânea.

E não são poucos.

Estima-se que haja 200,000 casos por ano na Itália, com uma incidência que aumenta com a idade, chegando a 10 por mil na faixa etária acima dos 80 anos.

A fim de prevenir tanto o aparecimento de herpes zoster quanto a complicação dolorosa, há alguns anos a medicina tem duas vacinas seguras com diferentes eficácias e indicações.

Eles são pouco conhecidos do público em geral: uma vez que o herpes não é um problema de saúde pública, eles não gozam de muita 'promoção' e, portanto, não são recomendados mesmo para aqueles que têm uma alta probabilidade de desenvolver herpes.

O que são telhas

A zona (não confundir com o herpes simplex, que afeta as mucosas da boca, nariz e genitais) é o resultado da reativação endógena do vírus varicela-zóster (VVZ), que está na origem da doença infecciosa pediátrica.

Após a primeira infecção, o VVZ permanece em uma forma latente nos gânglios nervosos, manifestando-se na forma de erupção cutânea após, por exemplo, uma deficiência imunológica.

Quem pega telhas?

A idade é um fator predisponente, pois com o avançar dos anos, a resposta do anticorpo, ou seja, a memória da exposição a antígenos virais ou bacterianos adquiridos na juventude, falha.

Mas o estresse, uma doença imunodepressiva ou a exposição excessiva ao sol também podem ser a causa do 'Fogo de Santo Antônio'.

Como se manifesta

A zona aparece como uma mancha eritematosa no abdômen ou tronco, mais raramente nos braços ou rosto.

A vermelhidão significativa é acompanhada por pequenas bolhas brancas que podem ficar superinfetadas e durar de 4 a 7 dias, depois secam e desaparecem, deixando uma área de discromia, ou seja, uma mudança na cor da pele.

A manifestação visual é acompanhada por sintomas dolorosos e incômodos, geralmente coceira.

Complicações de telhas

A erupção em si não é um problema e é autolimitada, mesmo sem terapia específica.

O verdadeiro problema com as telhas são as complicações.

Se afetar o nervo ocular, pode causar danos à queratina e até perda de visão.

Se afetar o nervo auditivo, pode causar erupções cutâneas dolorosas no conduto auditivo externo, na membrana timpânica, associadas à paralisia periférica do nervo facial, além de distúrbios do equilíbrio (síndrome de Ramsay Hunt).

Mas a complicação mais frequente é a dor crônica, que pode surgir até algum tempo após o aparecimento da zona, durando meses.

Dor insuportável

Esta é a neuralgia pós-herpética causada pela inflamação dos nervos periféricos devido ao vírus.

As crises de dor às vezes são tão intensas que prejudicam gravemente a qualidade de vida e dificilmente respondem aos analgésicos convencionais, como taquipirina ou aspirina.

Os corticosteroides são freqüentemente usados, bem como os antidepressivos tricíclicos ou anticonvulsivantes.

Terapia antiviral após um diagnóstico de herpes zoster

Como você intervém uma vez que 'herpes zoster' foi diagnosticado?

Existem medicamentos antivirais (como o aciclovir ou o valaciclovir) que devem ser administrados dentro de 72 horas do início por um período de 7 dias.

Porém, mesmo que a posologia seja estritamente observada, como deve ser, a terapia medicamentosa reduz os sintomas cutâneos, mas não previne necessariamente a complicação neuropática. É por isso que a vacina existe.

Vacinas

Atualmente, existem dois tipos de vacina no mercado: Zostavax e Shingrix.

Eles não devem ser confundidos com a vacina contra catapora, que é administrada com 1 ano de idade.

Embora isso previna a doença viral, também previne o herpes zoster.

O Zostavax foi usado pela primeira vez em 2006 e, na Itália, é oferecido gratuitamente conforme previsto no Livelli Essenziali di Assistenza (Níveis Essenciais de Cuidado) para pessoas com 65 anos ou mais e para pessoas com mais de 50 anos que sofrem de diabetes mellitus , doença cardiovascular e DPOC, ou candidatos a tratamento com terapia imunossupressora (por exemplo, anticâncer), fatores que aumentam o risco de desenvolver HZ ou agravam seus sintomas.

Zostavax tem eficácia subótima (50%) na prevenção de surtos de herpes, mas boa eficácia na prevenção de complicações neuropáticas (66%).

No entanto, tem uma limitação: por ser uma vacina de vírus vivo atenuado, não pode ser administrada a pessoas imunocomprometidas que, paradoxalmente, estão em maior risco.

Limitação superada pelo Shingrix, que está disponível na Itália há cerca de um ano - mas foi aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos em 2017 e pela European Medicines Agency (EMA) em 2018 -.

É composto por um antígeno, a glicoproteína E (gE), um componente estrutural do vírus varicela zoster (VZV).

Enquanto uma administração foi suficiente para Zostavax, Shingrix requer duas administrações com 2-6 meses de intervalo.

Nos estudos de autorização, essa vacina se mostrou muito mais eficaz que as outras: na prevenção de herpes zoster (90%) e complicações neuropáticas (100%).

Atualmente, está disponível gratuitamente na Itália, em algumas regiões, apenas para pacientes indicados (imnodeprimidos).

Leia também:

Primeiro caso de meningite associada ao SARS-CoV-2. Um relato de caso do Japão

COVID-19, por quais mecanismos o coronavírus atinge o cérebro? Publicação científica da Charité University of Berlin In Nature Neuroscience

Fonte:

Ospedale Sacro Cuore

você pode gostar também