Síndrome de Estocolmo: quando a vítima fica do lado do agressor

A síndrome de Estocolmo consiste na criação de um vínculo afetivo com o agressor como possível estratégia de sobrevivência em situações perigosas.

A síndrome de Estocolmo não é considerada um transtorno real, mas sim um conjunto de ativações emocionais e comportamentais peculiares ao funcionamento de alguns indivíduos submetidos a eventos particularmente traumáticos, como um sequestro ou uma longa série de abusos físicos e mentais.

A síndrome de Estocolmo não está codificada em nenhum manual de diagnóstico, pois, conforme destacado acima, não é considerada uma doença por si só.

Ainda, do ponto de vista da psicologia clínica, seria interessante tentar investigar suas causas, investigando os estilos de apego e perfis comportamentais de sujeitos que vivenciaram o estado de identificação vítima-agressor, de forma a permitir que os profissionais de saúde mental olhem com diferentes. olhos em situações semelhantes identificadas por estudos: membros de seitas, funcionários da prisão, mulheres abusadas e, claro, reféns.

A vítima que sofre da síndrome de Estocolmo, durante os maus-tratos, tem um sentimento positivo em relação ao seu agressor, que pode ir até o enamoramento e a submissão voluntária total, estabelecendo assim uma espécie de aliança e solidariedade entre vítima e agressor.

Muitas vezes, a síndrome de Estocolmo pode ser encontrada em situações de violência contra mulheres, abuso infantil e sobreviventes de campos de concentração

Nas situações em que o rapto é realizado sobre esses assuntos delicados (pouco estruturados, personalidades pouco sólidas, como especialmente as de crianças ou adolescentes), talvez para ter “uma escrava ou uma escrava”, o sequestrador tenta despersonalizar a vítima, através de uma espécie de “lavagem cerebral”, convencendo-a de que nenhum de seus entes queridos se importará com ela, e que somente o carcereiro cuidará dela e ficará ao seu lado .

CASOS CONHECIDOS DA SÍNDROME DE ESTOCOLMO

O nome da síndrome de Estocolmo tem suas origens em 1973, quando dois presidiários fugitivos da prisão de Estocolmo (Jan-Erik Olsson, 32 anos e Clark Olofsson, 26 anos) tentaram um assalto na sede do “Sveriges Kredit Bank” em Estocolmo e fez reféns quatro funcionários (três mulheres e um homem).

A história chegou às primeiras páginas dos jornais de todo o mundo.

Durante o cativeiro, os reféns temeram mais a polícia do que os próprios sequestradores, como revelaram posteriormente as entrevistas psicológicas (este foi o primeiro caso em que também foi realizada intervenção psicológica nos sequestradores).

No decurso das longas sessões psicológicas a que foram submetidos os reféns, manifestaram um sentimento positivo para com os criminosos que lhes haviam 'devolvido a vida' e a quem se sentiam gratos pela generosidade demonstrada. Esse paradoxo psicológico é chamado de 'síndrome de Estocolmo', termo cunhado pelo criminologista e psicólogo Nils Bejerot.

Uma reação emocional automática, desenvolvida em um nível inconsciente, ao trauma criado por ser uma 'vítima'.

Jaycee Lee Dugard foi sequestrado aos 11 anos e está refém há quase 18 anos. Ela tem dois filhos com seu sequestrador e nunca tentou escapar.

Ela também mentiu e tentou defender seu sequestrador quando questionada.

Ela admitiu ter uma conexão emocional profunda com ele, mas depois de se reunir com sua família e se mudar, ela condenou as ações do agressor.

Shawn Hornbeck, 11, desapareceu em 6 de outubro de 2002 e foi encontrado por acaso em janeiro de 2007, quando tinha 15 anos, enquanto procurava outro menino desaparecido (Ben Ownby).

Ele viveu quatro anos com seu sequestrador Michael Devlin (em cujo apartamento Ben Ownby também foi encontrado), e os vizinhos afirmam tê-lo visto brincando no jardim em várias ocasiões, seja sozinho, com Michael ou com alguns amigos, tanto que eles pensaram que eram 'pai e filho'.

Shawn também tinha um telefone celular e navegava feliz na Internet. Ele tinha visto os apelos dos pais na TV e até mandou alguns e-mails para o pai dizendo 'Por quanto tempo você planeja procurar seu filho?

COMO A SÍNDROME DE ESTOCOLMO SE MANIFESTA

A síndrome de Estocolmo não resulta de uma escolha racional, mas se manifesta como um reflexo automático, ligado ao instinto de sobrevivência.

Na fase inicial, a pessoa sequestrada experimenta um estado de confusão e terror diante da situação que lhe é imposta e reage da melhor forma ao extremo estado de estresse em que se encontra: uma das primeiras reações, um refúgio psicológico primitivo, mas emocionalmente eficaz, é 'negação'.

Para sobreviver, a mente reage tentando apagar o que está acontecendo.

Outra reação possível é a inconsciência (independente da vontade consciente) ou sono.

Só depois de algum tempo o refém começa a perceber, aceitar e temer sua situação, mas encontra outra válvula de escape em pensar que nem tudo está perdido porque em breve a polícia intervirá para salvá-lo.

Quanto mais o tempo passa, mais a vítima começa a sentir que sua vida depende diretamente do perpetrador e, convencendo-se de que pode evitar a morte, desenvolve um mecanismo psicológico de total apego a ela.

A vítima identifica-se com o agressor e compreende os seus motivos, mesmo tolerando a sua violência sem muito esforço, desde que motivada por motivos sólidos.

A fim de garantir a graça de seu algoz, a vítima inconscientemente, mas convenientemente, elimina de sua mente o ressentimento contra ela.

Nessa condição, o sequestrador teria menos motivos para desencadear sua violência contra a vítima.

CAUSAS DA SÍNDROME DE ESTOCOLMO

Existem quatro situações ou condições básicas que causam o desenvolvimento da síndrome de Estocolmo:

1. Uma ameaça real ou percebida à sobrevivência física ou psicológica de alguém e a crença de que o sequestrador pode ser perigoso.

2. Uma pequena gentileza do sequestrador para a vítima.

3. Isolamento da vítima

4. Incapacidade percebida ou real de escapar da situação

SINTOMAS TÍPICOS

  • a vítima tem sentimentos de amizade ou mesmo amor pelo sequestrador;
  • a vítima tem medo da polícia, das equipes de resgate ou de qualquer pessoa que tente separá-los do sequestrador;
  • a vítima acredita nos motivos do sequestrador e os apóia;
  • a vítima experimenta sentimentos de culpa e remorso por ser libertada enquanto o sequestrador está na prisão;
  • a vítima chega a mentir para a polícia para fornecer ao sequestrador álibis improváveis;
  • a vítima não aceita que tem alguma patologia e não aceita ajuda.

FIM DA SÍNDROME DE ESTOCOLMO

A síndrome pode variar em duração, e os efeitos psicológicos mais comuns incluem distúrbios do sono, pesadelos, fobias, saltos repentinos, flashbacks e depressão, que podem ser tratados com medicamentos e psicoterapia.

Algumas vítimas de sequestro, que vivenciaram essa síndrome, ainda são hostis à polícia anos depois.

Especificamente, as vítimas do roubo do Kreditbank de Estocolmo visitaram seus captores por muitos anos, e um deles se casou com Olofsson.

Outras vítimas parecem ter começado a arrecadar fundos para ajudar seus ex-carcereiros e muitas se recusaram a testemunhar em tribunal contra os sequestradores, ou mesmo a falar com os policiais que os prendiam.

TRATAMENTO DA SÍNDROME DE ESTOCOLMO

Retornar à vida cotidiana após um período mais longo ou mais curto de cativeiro pode ser absolutamente desafiador para o cativo, em alguns casos extremamente difícil.

Estar separado do sequestrador pode ser doloroso para a vítima que sofre da síndrome de Estocolmo.

É possível se recuperar da síndrome de Estocolmo, mas em alguns casos pode levar muitos anos. Em alguns casos, também é útil combinar psicoterapia com terapia medicamentosa, que deve ser cuidadosamente planejada pelo psiquiatra.

Artigo escrito pela Dra. Letizia Ciabattoni

Leia também:

Erotomania ou síndrome do amor não correspondido: sintomas, causas e tratamento

Nomofobia, um transtorno mental não reconhecido: vício em smartphones

Ecoanxiedade: os efeitos da mudança climática na saúde mental

Ninfomania e satiríase: distúrbios sexuais da esfera psicológico-comportamental

Fonte:

    • Franzini LR, Grossberg JM (1996). Comportamenti bizzarri. Astrolabio Roma
    • Gulotta G., Vagaggini M. (1980). Dalla parte della vittima. Giuffrè, Milano
    • Graham DL, Rawlings E., Rimini N. (1988), Sobreviventes do terror: reféns mulheres agredidas e a síndrome de Estocolmo. In: Perspectivas feministas sobre o abuso da esposa. Publicações Sage
    • Jülich S. (2005). Síndrome de Estocolmo e abuso sexual infantil. Jornal de abuso sexual infantil
    • Degortes, D., Colombo, G., Santonastaso, P., Favaro, A. (2003). Seqüestro por resgate como experiência traumática: entrevistas clínicas em um grupo de vítimas e revisão da literatura. Rivista di psichiatria
    • Carver J. Love e a síndrome de Estocolmo: o mistério de amar um abusador

https://medicinaonline.co/2017/12/02/sindrome-di-stoccolma-psicologia-in-amore-casi-cura-e-film-in-cui-e-presente/

você pode gostar também