Sudão, centro pediátrico de emergência reaberto em Nyala, Darfur do Sul

Emergência em Darfur (Sudão): “Reiniciar era importante; tratamos crianças de até 14 anos em uma área importante: Nyala não é apenas a capital do Darfur do Sul, mas também a segunda maior cidade do Sudão, com uma população de mais de um milhão e meio de pessoas ”.

A situação em Darfur (Sudão): para falar sobre isso é Diana Debono, 37 anos, maltesa, que já trabalha com Emergência em áreas afetadas por conflitos, como Afeganistão e Serra Leoa.

A consulta telefónica é várias vezes adiada porque, como “coordenadora médica”, está envolvida em várias frentes, desde a luta contra a malária até às infecções respiratórias, desde a vacinação aos rastreios anti-desnutrição.

Debono trabalha no Centro Pediátrico que a ONG italiana reabriu em Nyala em novembro, após dez anos de encerramento, na sequência do sequestro de um cooperador e associado a novos riscos de segurança.

Hospital pediátrico de emergência reabre graças ao AICS

A reabertura foi possível graças à Agência Italiana de Cooperação para o Desenvolvimento (AICS), que financiou integralmente a reabertura, permitindo a reabilitação e o início das atividades, com uma contribuição reconhecida pelo seu valor pelo Governo do Sudão.

“No Estado de Darfur do Sul, os dados na área de saúde pediátrica estão entre os mais críticos”, diz Debono.

“A taxa de mortalidade infantil para crianças menores de cinco anos é superior a 70 por cento e cerca de 820,000 crianças dessa idade não têm acesso a serviços de saúde, incluindo serviços de emergência.

No Centro, que conta com ambulatórios de pediatria e cardiologia, sala de radiologia e laboratório de análises, surgiram problemas e incertezas inevitáveis, principalmente na fase inicial.

“Com 18 leitos disponíveis na enfermaria, só podíamos usar cinco por causa da dificuldade de encontrar médicos localmente”, lembra Debono.

Darfur tem sido atingido por conflitos armados desde 2003, muitas vezes colocando comunidades negras contra milícias árabes, resultando em milhares de mortes e mais de dois milhões de deslocados.

A nova violência ainda forçou 100,000 pessoas a deixar suas casas no início deste ano, apesar de um acordo assinado em outubro entre o governo do Sudão, o Movimento pela Justiça e Igualdade (JEM) e outros grupos rebeldes.

Outro elemento, um sinal de esperança, mas também de uma transição cheia de incógnitas, é a retirada de uma missão de manutenção da paz da ONU e da União Africana, com conclusão prevista para junho.

Luca Rolla, representante da Emergency no Sudão, confirma que a reabertura do Centro Pediátrico de Nyala é “um sinal positivo”: “Atendemos todos os pacientes de Darfur que foram operados no nosso Salam Centre, na capital Cartum, e quem precisam ser verificados para terapias anticoagulantes, suprimentos gratuitos de medicamentos e exames cardiológicos ”.

Segundo o cooperador, “agora essas pessoas podem receber cuidados básicos sem precisar voar para Cartum, mas chegando a Nyala uma vez por mês com uma ou no máximo duas horas de ônibus”.

PROJETOS AICS

Em Darfur, a Agência Italiana de Cooperação para o Desenvolvimento também assumiu um programa de capacitação em saúde.

“Haverá também formas de parceria público-privada”, enfatiza Vincenzo Racalbuto, chefe do escritório da AICS em Cartum: “O objetivo é garantir a sustentabilidade dos serviços”.

Um compromisso específico por parte do governo sudanês e também da cooperação internacional e das ONGs diz respeito à luta contra a Covid-19.

Há poucas semanas, foram entregues ao Sudão os primeiros estoques de vacinas produzidas pela multinacional Astrazeneca.

“Como Emergência estamos prontos para dar suporte ao Ministério da Saúde”, diz Rolla.

“Tanto no Salam Centre em Nyala quanto em nosso outro hospital em Port Sudan, no Mar Vermelho, estivemos envolvidos nas listas de pessoal médico e nos procedimentos necessários para a campanha”.

A SITUAÇÃO NO SUDÃO: CONTA DE ROLLA (EMERGÊNCIA)

Segundo Rolla, além dos casos do novo coronavírus, preocupa o impacto que a pandemia pode ter em um sistema de saúde 'ainda frágil'.

Por algum tempo, o Sudão foi testado por uma crise econômica, com inflação de vários dígitos, apenas em parte como consequência da perda de poços de petróleo no sul que se tornaram independentes de Cartum em 2011.

“De novembro a fevereiro, os preços subiram 300%”, diz o representante da Emergency.

“Muitos cidadãos lutam: para comprar pão há filas que podem durar horas”.

Quase dois anos após a revolução popular que levou à intervenção do exército e à destituição do presidente Omar Al-Bashir, no poder desde 1989 e agora indiciado pelo Tribunal Penal Internacional por crimes de guerra e genocídio supostamente cometidos em Darfur, as novas tensões não resultaram em menos segurança.

Na opinião da Emergency, é a confiança nas instituições transitórias que tem contribuído, bem como o crédito adquirido pela ONG graças ao trabalho realizado, que é reconhecido tanto pelo governo como pelos cidadãos sudaneses.

“Eles sabem que damos uma mão importante ao sistema de saúde, sejam hospitais ou centros pediátricos”, diz Rolla, “É por isso que somos sempre muito bem recebidos.

A última notícia, que chegou no último domingo de março, é a assinatura de um acordo de paz pelo governo com o Movimento de Libertação Popular Sudão-Norte, grupo rebelde radicado nas regiões fronteiriças das montanhas Nuba e do Nilo Azul.

O texto, fruto de meses de negociações, afirma o compromisso de respeitar a “diversidade étnica, cultural e religiosa” do país.

Leia também:

A Expo Emergência de Roberts está chegando: 9 de abril marca o início da primeira exposição virtual para o setor de emergência e resgate

Emergência da Covid-19 no Paquistão: o futuro está com a vacina

Crise migratória, enchentes e epidemias colocam o Acre (Brasil) em estado de emergência

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também