Fratura de pulso: como reconhecer e tratá-la

A fratura do punho é uma ocorrência comum, tanto no trabalho do socorrista quanto na vida diária de um cidadão comum, portanto, reconhecê-la é essencial.

As causas da fratura do punho

As causas das fraturas do punho são encontradas principalmente nos traumas.

No caso dos desportistas, existem alguns desportos específicos que, pelas suas características particulares, estão mais sujeitos a este problema.

Esses incluem:

  • esportes de contato como boxe e artes marciais;
  • esportes com maior risco de quedas, como vôlei, futebol, basquete, tênis;
  • esportes de velocidade, por exemplo, corrida, motociclismo, ciclismo;
  • esportes de inverno, por exemplo, esqui, patinação, snowboard.

As quedas são uma das principais causas de fraturas do punho porque, ao cair, as pessoas tendem a trazer as mãos para a frente para proteger a cabeça instintivamente, em alguns casos comprometendo gravemente a articulação do punho.

Outras causas associadas à fratura do punho são os acidentes (domésticos, rodoviários), mas também a osteoporose, uma condição de degeneração óssea muito comum em idosos e em mulheres na menopausa.

Tipos de fratura de punho

Dentre as diferentes fraturas que podem afetar o punho, as mais frequentes são:

  • fratura do escafoide
  • fratura da epífise distal do rádio e ulna.

Fraturas do punho: fratura do escafoide

A fratura do escafoide é indolor, ou pelo menos dói por alguns dias, sem sugerir a presença de fratura.

Muitas vezes, a pessoa nem consulta um especialista e pode conviver anos com ele antes de descobri-lo.

Por razões vasculares, este tipo de fratura cicatriza com extrema dificuldade, pois é um osso pouco vascularizado (isto é, suprido de vasos sanguíneos).

Se não for tratada, cria-se uma situação de pseudoartrose, ou seja, uma fratura não cicatrizada, que por sua vez dá origem a um quadro de instabilidade mecânica da articulação do punho, antecâmara da própria artrose.

Devido ao formato do escafoide, osso esponjoso de formato extremamente complexo, a fratura às vezes não é visível, apesar das radiografias realizadas no pronto-socorro.

Por este motivo, é necessário um cuidado especial na avaliação precisa da fratura, submetendo o paciente a uma tomografia computadorizada ou outras radiografias a uma distância de 1 semana / 10 dias.

Fraturas da epífise distal do rádio e fratura do rádio e ulna

Fraturas da epífise distal do rádio e fraturas do rádio e ulna são as mais comuns.

Para fraturas de punho, hoje, há uma reavaliação muito forte e uma diferença de abordagem entre um cirurgião ortopédico mais tradicional e um cirurgião de mão especialista.

Muitas vezes as fraturas indicadas para cirurgia são tratadas com modelos de gesso em posições não naturais em uma tentativa muitas vezes malsucedida de manter reduzida a fratura instável, resultando em um resultado estético e funcional insatisfatório.

Uma percentagem muito elevada de fracturas do punho tratadas com modelos de gesso sofre uma decomposição secundária que pode ser mais ou menos grave.

Os cirurgiões de mão atendem muitos desses pacientes e frequentemente precisam operar fraturas de punho que estão em más condições porque podem ter ficado engessados ​​por semanas antes de perceberem que precisavam de cirurgia imediata.

Tratá-los cirurgicamente quando já estão quase firmemente estabelecidos torna-se muito mais difícil, por isso é sempre melhor contar com um especialista em mãos que possa reconhecê-los e iniciar o procedimento diagnóstico e terapêutico mais adequado.

Fratura de pulso: diagnóstico e tratamento

Além da avaliação clínica do especialista em mãos e das radiografias convencionais, outro exame que pode fornecer um diagnóstico definitivo é, sem dúvida, a tomografia computadorizada.

O tratamento para a fratura do punho geralmente é cirúrgico

Em mais de 50% dos casos, a fratura do punho está associada a lesão ligamentar, que muitas vezes não pode ser diagnosticada na fase aguda devido à incapacidade de investigar claramente a parte envolvida.

Como funciona a cirurgia

A operação consiste em uma osteossíntese com a inserção de uma placa, que é capaz de devolver os fragmentos da fratura à posição original.

Em comparação com alguns anos atrás, os meios de síntese sofreram uma grande evolução: não temos mais apenas um tipo de placa, mas uma ampla gama de placas para atender às necessidades dos diferentes tipos de fratura.

Esses meios de síntese também são perfeitamente eficientes, pois não interferem ou obstruem a movimentação correta dos tendões e, graças ao uso de parafusos que bloqueiam o osso e a placa, garantem maior estabilidade.

Quando operamos fraturas do punho, uma vez colocada a placa do rádio, sempre realizamos uma avaliação radiográfica para detectar qualquer lesão ligamentar grosseira, que é tratada imediatamente. Mesmo no caso de ligamentos lesados, procedemos cirurgicamente através do uso de meios de síntese (por exemplo, pequenas âncoras ou fios), que podem manter os ossos juntos para que o ligamento possa se reconectar.

Cirurgia para um pulso quebrado

Em casos de fraturas muito fragmentadas, uma abordagem em duas frentes é escolhida:

  • tradicional: inserir a placa;
  • artroscópico: para reduzir os pequenos fragmentos na articulação.

Em desportistas, para garantir o mais rápido possível o reinício da actividade competitiva e o regresso ao campo, muitas vezes é necessário optar por escolhas terapêuticas agressivas de forma a reduzir o tempo de inactividade.

No período pós-operatório, geralmente existem várias opções:

  • um colete específico que o paciente deve remover várias vezes ao dia para fazer exercícios;
  • uma tala para ser usada por 5 semanas com um raio-X subsequente.

Se, após a radiografia, a fratura se consolidar, pode-se iniciar a reabilitação.

Leia também:

Tala: como fazer isso?

Spencer WOW, o que vai mudar no transporte de pacientes?

Fonte:

GSD

você pode gostar também