Brasil, governador do Amazonas é acusado de fraude em ventiladores de pulmão

O governador do Estado do Amazonas, Wilson Lira, foi acusado pelo Superior Tribunal de Justiça do Brasil de fraude em licitações para compra de ventiladores pulmonares, organização criminosa, peculato e adulteração de investigações

Dois dos réus tiveram suas acusações retiradas.

Os crimes teriam ocorrido no início da pandemia Covid-19 no Amazonas.

Os índios amazônicos foram um dos grupos étnicos mais afetados pela pandemia em todo o mundo.

A falta de ventiladores pulmonares, segundo especialistas, contribuiu para tornar o Brasil um dos epicentros da pandemia Covid-19

Diante desse cenário de completa emergência sanitária, o réu teria aproveitado o fato de não ter concorrido equipamento para criar um esquema de 'superfaturamento' e 'manipulação da negociação'.

De acordo com o conteúdo da denúncia, o fornecedor de equipamentos de saúde, que já havia firmado contratos com o governo, vendeu respiradores a um importador de vinhos por 2.48 milhões de reais, cerca de 400,000 mil euros.

No mesmo dia, o importador de vinhos revendeu o equipamento ao Estado por 2.97 milhões, o equivalente a 480,000 mil euros.

Nesse esquema, os lucros teriam sido totalmente transferidos para a organização de saúde.

Em sessão do Tribunal de Justiça, a advogada Lindôra Araújo acusou o governador de ser o chefe desse sistema penal que, segundo a Polícia Federal, causou prejuízo aos cofres estaduais de 2.2 milhões de reais.

Lima comentou as alegações dos ventiladores pulmonares em nota, negando as acusações

“As acusações contra mim não têm fundamento nem base factual, como ficará demonstrado durante o julgamento”, disse o político, que milita no Partido Social Cristão (Psc).

“Nunca recebi nenhum benefício por causa das medidas que tomei como governador.

A acusação é frágil e não apresenta nenhuma evidência ou indicação de que cometi qualquer delito.

Terei agora a oportunidade de apresentar minha defesa e aguardar com muita tranquilidade minha absolvição pela Justiça.

Tenho fé nos tribunais e tenho certeza que minha inocência será provada ao final do julgamento ”, acrescentou o governador.

O próximo passo é a audiência de testemunhas e a coleta de provas.

Em seguida, haverá o julgamento, que determinará se o réu será condenado ou absolvido.

Leia também:

Brasil vacinou 27.5% dos indígenas contra a Covid-19

Escassez de sedativos agrava pandemia no Brasil: faltam medicamentos para tratamento de pacientes com Covid-19

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também