China aprova a quinta vacina Covid, mas poucos dados sobre os últimos ensaios

China aprova quinta vacina Covid: vacinas chinesas populares em países em desenvolvimento e especialmente entre VIPs

A República Popular da China aprovou esta semana a quinta vacina Covid-19 da China

A Academia Chinesa de Ciências disse na terça-feira que o governo aprovou o uso emergencial de um novo soro em 10 de março.

A nova vacina é o resultado de um experimento especial, a inserção do código genético da "agora famosa" proteína spike Sars-Cov2 em uma linha celular de tecido ovariano de hamster, que é então cultivada em plaquetas.

Esta é a imagem fornecida pela imprensa estrangeira, principalmente pelo New York Times.

Quinta vacina Covid da China, sem dados publicados no ensaio de fase 3

Inicialmente, o cenário que parecia envolver a inserção da proteína spike diretamente nas células do ovário de hamsters ainda vivos causou discussão sobre a aprovação do último soro chinês.

Felizmente, essa hipótese foi logo refutada pelos cientistas, já que esse tipo de célula 'é facilmente cultivado em laboratório e frequentemente usado para pesquisas médicas.

A preocupação prevalecente sobre o último soro aprovado é que 'nem a empresa fabricante nem o instituto científico que levou à sua aprovação publicou dados sobre a eficácia da vacina desde os ensaios de fase 3, que ainda estão em andamento na China, Equador, Uzbequistão, Indonésia e Paquistão ”, relata The Newt.

Enquanto isso, o Uzbequistão já aprovou a nova vacina em caráter de emergência, e a Academia Chinesa de Ciências fez apenas um breve comentário: 'A Fase 3 está ocorrendo sem problemas.

O que se sabe sobre os ensaios de Fase 1 e 2 é que “não houve efeitos colaterais graves entre os voluntários e que o soro é capaz de produzir anticorpos neutralizantes no mesmo nível de outras vacinas”.

Os resultados deste estudo, no entanto, o jornal americano aponta, 'nunca foram submetidos à revisão por pares'.

Uma das principais desvantagens é que o novo soro 'não produz grandes quantidades de linfócitos T que ajudam a eliminar as células infectadas e a prevenir sua disseminação'.

O problema é que "sem essas células, os níveis de anticorpos produzidos podem não ser suficientes para eliminar a infecção", disse Ooi Eng Eoong, professor de microbiologia da Universidade Nacional de Cingapura ao New York Times.

VACINA DE COVID DA CHINA E DO ESCÂNDALO PERUANO

As vacinas produzidas na China parecem atrair muitos e muitos. No Peru, por exemplo, de acordo com o Wall Street Journal, já em setembro vários 'conselheiros governamentais, lobistas, chefes de gabinete em ministérios', e até mesmo o 'presidente anterior e sua família foram vacinados com um dos primeiros soros chineses produzido pela SinoPharm (uma gigante estatal na produção de vacinas, ed.) '.

Não é por acaso que a notícia abriu a linha de investigação conhecida como 'Vaccine Gate'.

O atual presidente, Francisco Sagasti, falou de uma 'indignação' e reiterou que 'os envolvidos não encontrarão mais lugar no governo'.

O escândalo peruano, relata o Wall Street Journal, “destacou o alto risco de prevaricação que pode se estabelecer no mercado multimilionário de vacinas se a China começar a vender seus soros aos países em desenvolvimento.

Já nas Filipinas, como em Uganda, os presidentes e seus funcionários 'foram vacinados com soros SinoPharm'.

Nas Nações Unidas, porém, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, declarou que a República Popular da China nunca buscou benefícios econômicos ou políticos com suas vacinas.

Enquanto isso, na Itália, apenas esta semana, as primeiras notícias de pessoas 'famosas' nos Emirados Árabes Unidos tomaram a vacina chinesa.

Um lugar que, relata o Corriere della Sera, “está se tornando um dos lugares preferidos dos VIPs para tomar vacinas”.

Walter Zenga, ex-goleiro das seleções nacionais e internacionais, mora em Dubai há algum tempo e, nas redes sociais, assumiu o papel de virologista para explicar sua decisão: 'Escolhi a vacina chinesa pela técnica utilizada, ou seja, o método tradicional com um vírus inativo.

Com a adição de hidróxido de alumínio como adjuvante para desencadear uma reação do sistema imunológico.

Desenvolvimentos são aguardados.

Leia também:

Vacina COVID-19, Sinopharm: Quase um milhão de inoculados na China

Relações diplomáticas do Brasil com a China afetam a vacinação

Covid, Von Der Leyen: 'O certificado verde digital europeu ajudará na recuperação'.

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também