COVID-19, a União Africana: sem a vacina, 8.4 milhões de vítimas na África

COVID-19 na África, na ausência de uma vacina acessível até mesmo aos países mais pobres do continente, estima-se que cerca de 800 milhões de pessoas sejam infectadas, 8.4 milhões de pessoas morrem.

A previsão é da maior autoridade sanitária do continente, a União AfricanaAgência de Saúde Pública da Centros africanos para controle de doenças (CDC).

O CDC tem sede em Addis Abeba, Etiópia.

COVID-19 NA ÁFRICA, WESSAM MANKOULA NA BBC

“Em um continente com mais de 1.2 bilhão de pessoas, para alcançar a imunidade coletiva significa que entre 720 e 840 milhões de pessoas terão que ter a infecção.

O custo humano será muito alto ”, disse à BBC Wessam Mankoula, responsável pelo estudo sobre a incidência do Covid-19 na África.

“Se tivermos vacina, poderemos controlar as infecções. Sem isso, nosso sistema de saúde não será capaz de lidar com um grande número de casos.

Nossos hospitais ficarão sobrecarregados ”, enfatizou o membro do CoC.

E não há razão para não acreditar em suas palavras, que seriam verdadeiras mesmo se aplicadas à Itália, France, Ou o UK.
COVID-19 está colocando de joelhos o sistema nacional de saúde de praticamente todos os países.

A África não é atualmente um dos continentes mais afetados, com 1.5 milhão de positivos e 37 mil mortes, mas duas incógnitas importantes pesam neste número: a primeira diz respeito ao número de controles realizados sobre a população total, a segunda é inerente ao momento em que a escalada que afetou outras áreas do mundo, como América do Norte e Europa, ocorreu na África.

Nesse segundo caso, a ausência de vacina determinaria uma verdadeira carnificina.

Na África, é claro, mas também em várias outras partes do mundo.

É uma certeza.

Leia também:

Leia o artigo italiano

Comentários estão fechados.