Covid, OMS: 'Nossa meta é vacinar 70% da população mundial até meados de 2022'

Covid, Diretor-Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) Tedros Adhanom Ghebreyesus “Sobre a distribuição de doses de vacina, horrível injustiça no mundo”

“Nosso objetivo comum deve ser vacinar 70% da população de cada país” contra a Covid “até meados do próximo ano.

Alcançar isso requer compromisso, preparação e habilidade. Mas o prêmio será vidas salvas e uma recuperação global sustentável ”.

Foi o que disse o Diretor-Geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em seu discurso na 138ª sessão do COI em Tóquio, por ocasião dos Jogos Olímpicos.

OMS: “SOBRE A DISTRIBUIÇÃO DE DOSES DE VACINA DE COVID HORRÍVEL INJUSTIÇA NO MUNDO”

“Até o momento, mais de 3.5 bilhões de doses de vacinas Covid foram administradas globalmente e mais de 1 em cada 4 pessoas receberam pelo menos uma dose da vacina.

Isso pode parecer uma boa notícia, mas na verdade mascara uma terrível injustiça: 75% das vacinas foram administradas em apenas 10 países, enquanto nos países de baixa renda apenas 1% das pessoas receberam pelo menos uma dose, em comparação com mais da metade das pessoas em países de alta renda ”, explicou Ghebreyesus.

Além disso, “alguns dos países mais ricos estão agora falando sobre um terceiro reforço para suas populações, enquanto os profissionais de saúde, os idosos e outros grupos vulneráveis ​​no resto do mundo continuam sem”.

Ghebreyesus explicou então os motivos de sua presença na sessão do COI: “Mais do que qualquer outro evento, as Olimpíadas têm o poder de unir o mundo, de inspirar, de mostrar o que é possível.

E mais do que qualquer outro evento, chamam a atenção das pessoas do mundo: por isso vim ”.

No mundo “mais de 4 milhões de pessoas morreram e mais continuam morrendo. Já neste ano, o número de mortes é mais do que o dobro do total do ano passado.

Enquanto eu falo, mais de 100 pessoas estão perdendo suas vidas e entre agora e 8 de agosto, quando a chama Olímpica se extinguir, outras 100,000 pessoas morrerão.

E milhões de sobreviventes continuam sofrendo consequências de longo prazo para a saúde por causa da Covid ”.

De acordo com o diretor-geral da OMS, “a falha global em compartilhar vacinas, testes e tratamentos contra a Covid, incluindo oxigênio, está alimentando uma pandemia de duas vias”

“Os ricos estão se abrindo ', disse ele,' enquanto os pobres estão fechando.

Quanto mais essa discrepância persistir, mais a pandemia se arrastará e também a turbulência social e econômica que ela trará.

A tragédia desta pandemia é que poderia ter estado sob controle agora se a vacina tivesse sido distribuída de forma equitativa, mas a distorção na produção primeiro e distribuição depois ampliou as desigualdades ”.

QUEM: 'QUALQUER UM QUE ACHA QUE A PANDEMIA DE COVID ACABOU ESTÁ VIVENDO NO PARAÍSO DE UM TOLO'

“Qualquer um que pensa que a pandemia de Covid acabou porque o lugar onde eles moram está vivendo em um paraíso de tolos.

As vacinas são ferramentas poderosas e essenciais, mas o mundo não as usa bem ”.

A afirmação foi do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em seu discurso na 138ª sessão do COI em curso em Tóquio, por ocasião dos Jogos Olímpicos.

Por isso, acrescentou, “19 meses após o início da pandemia e 7 meses após a aprovação das primeiras vacinas, estamos agora nos estágios iniciais de outra onda de infecções e mortes”.

“A pandemia Covid-19 vai acabar quando o mundo decidir acabar com ela.

Está tudo nas nossas mãos, temos todas as ferramentas de que precisamos: podemos prevenir esta doença, diagnosticá-la e tratá-la.

Podemos escolher acabar com a pandemia ”.

A afirmação foi do Diretor-Geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em seu discurso na 138ª sessão do COI em Tóquio, durante os Jogos Olímpicos.

Leia também:

Ema inicia procedimento de avaliação para vacina Vidprevtyn da Sanofi Pasteur

Covid: 'Cuidado com a variante do Epsilon, risco de infecção mesmo para pessoas imunizadas'

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também