Global Health Summit em Roma hoje: enfoque no licenciamento voluntário de patentes de vacinas e na África

O Global Health Summit acontece hoje em Roma. Uma “iniciativa para desenvolver centros de produção da vacina Covid-19 em toda a África envolvendo atores públicos e privados e os governos dos países do continente” será anunciada pela Presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, no Global Health Summit em Roma hoje

O anúncio foi feito por fontes da União Europeia durante uma conferência de imprensa em preparação para a Cúpula de Saúde Global

Von der Leyen fornecerá “detalhes” e o “nível de comprometimento” com a iniciativa.

Durante o briefing, foi referido que os participantes do encontro - 20 países, 12 organizações internacionais e os principais actores mundiais na protecção da saúde - vão aprovar um documento, denominado Declaração de Roma, que também deve ser visto como “a demonstração tangível de como os líderes mundiais podem se unir para fazer algo concreto para prevenir futuras crises de saúde ”.

Um 'sinal muito forte' que também seria uma 'celebração do que o multilateralismo pode fazer pela saúde'.

Global Health Summit, os 16 princípios:

O texto é baseado em “16 princípios”. As “quatro mensagens principais” que emergem, de acordo com fontes da UE, incluem “pleno reconhecimento da atual arquitetura global da saúde e do papel da Organização Mundial da Saúde” (OMS) e a necessidade de “investir na criação de uma força de trabalho internacional em saúde ”.

Entre os pontos abordados no documento, apontaram fontes da UE, está também o referente à isenção de propriedade intelectual nas patentes de vacinas Covid-19.

Este último foi reconhecido como tendo “um papel fundamental no fortalecimento da capacidade de produção de vacinas”.

A declaração também destaca que o acordo Trips sobre propriedade intelectual promovido pela Organização Mundial do Comércio (OMC) “deve servir para fortalecer a capacidade produtiva local de soros e não para dificultá-la”.

No entanto, será necessário implementar 'em consonância com os acordos e dentro de um quadro acordado' no que diz respeito às 'licenças obrigatórias', procurando sempre 'favorecer as licenças voluntárias e a transferência de conhecimentos, sempre voluntárias, bem como a partilha de patentes '.

OKONJO-IWEALA (OMC): “BALANCE PATENTS AND ACCESS”.

Encontrar um compromisso “para resolver o problema inaceitável do acesso desigual às vacinas” não só é possível, mas necessário para “ajudar a garantir a convergência e menos disparidade no crescimento comercial entre os países do mundo”.

A informação foi afirmada pela Diretora-Geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Ngozi Okonjo-Iweala, durante seu discurso virtual no Comitê de Comércio Internacional do Parlamento Europeu ontem.

Os países que solicitaram a suspensão das vacinas anti-Covid podem apresentar um novo pedido, o que está “previsto para o final de maio”, mas, entretanto, devem ser encontradas soluções alternativas que equilibrem a necessidade de acesso às vacinas para os mais desfavorecidos países e a proteção da propriedade intelectual.

Em primeiro lugar, “precisamos acabar com as restrições à exportação”, disse ela, que caíram de 109 no início da pandemia para 51, “mas ainda são demais”.

Em segundo lugar, “a capacidade de produção deve ser aumentada e descentralizada”.

Finalmente, 'garantir mecanismos mais flexíveis para a transferência de tecnologia e know-how' para ajudar os países necessitados a aumentar sua capacidade de produção, 'ao mesmo tempo protegendo a pesquisa e a inovação'.

Leia também:

Vaccine Revolution, os EUA e a UE se revelam sobre a suspensão de patentes. QUEM: 'Este é um ótimo momento'

Covid-19, África do Sul e Índia Para a Organização Mundial do Comércio (OMC): Nenhuma patente para vacinas

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também