Sintomas cobiçosos e obsessivo-compulsivos: como a pandemia nos mudou

Sintomas obsessivo-compulsivos e Covid: um webinar aberto no domingo, 10 de outubro

A pandemia Covid-19 tornou todos nós um pouco obsessivo-compulsivos

“Eu me desinfetei o suficiente?”, “Usei minha máscara adequadamente?”, “Meus sapatos também podem estar contaminados?”, “E as compras?”, “O correio?”: Essas perguntas já passaram por nossas cabeças , levando-nos a prestar atenção aos nossos gestos, a tomar todas as precauções para evitar contrair o vírus e transmiti-lo aos nossos entes queridos.

Nesse contexto de pandemia, tivemos uma ideia do que significa ter medo de ser infectado e de quanto esforço e estresse é preciso ter cuidado.

O que distingue a dúvida normal da dúvida patológica?

Quais são os mecanismos que prendem uma pessoa no transtorno obsessivo-compulsivo? Como saímos disso?

Isso será discutido no domingo, 10 de outubro de 2021, durante a terceira edição da conferência Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC): entendendo como funciona para escolher como tratá-la, organizada pela Escola de Psicoterapia Cognitiva de Roma por ocasião do Dia Mundial da Saúde Mental, que há mais de vinte anos tem como objetivo sensibilizar as instituições e a comunidade e estimular os esforços necessários para que todos possam exercer o seu pleno direito ao bem-estar psicológico.

O encontro, promovido pela Associação Italiana de Transtorno Obsessivo-Compulsivo (AIDOC) e SITCC Lazio (Sociedade Italiana de Terapia Cognitiva Comportamental), acontecerá às 5h em modo webinar, é gratuito e aberto a todos.

HIGIENE SEMPRE E EM QUALQUER CASO: DESCUBRA A CAIXA DE BOLSO SUISSE RESSOURCES NA EXPO DE EMERGÊNCIA

O QUE SÃO AS DOENÇAS OBSESSIVO-COMPULSIVAS?

“Eu atropelei algum pedestre enquanto dirigia meu carro? Eu lavei minhas mãos o suficiente? Eu desliguei o gás? E a porta do carro? ” “Arrumei os objetos na minha mesa corretamente?”

Essas são dúvidas normais que surgem diariamente em nossas mentes sem nos causar nenhum desconforto especial.

Quando persistem e condicionam fortemente a vida de uma pessoa, passam a constituir um transtorno real, o Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC): de acordo com estimativas recentes, cerca de 800,000 pessoas na Itália sofrem com isso.

O TOC pode ser tão debilitante e invasivo que a Organização Mundial da Saúde (OMS) o classificou entre as dez doenças mais incapacitantes, em termos de perda de renda e redução da qualidade de vida.

Pessoas que sofrem de TOC realizam diariamente verificações exaustivas para garantir que fecharam a porta da frente, o carro e o gás, lavando massivamente seus corpos e o ambiente para prevenir doenças, repetindo os mesmos gestos para afastar o infortúnio ou dirigindo o mesma rota várias vezes para garantir que não causaram um acidente.

DISPOSITIVOS MÉDICOS PARA OPERADORES: VISITE O ESTANDE DE BIOCAREMÉDICA NA EXPO DE EMERGÊNCIA

TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO E COVID

Vários estudos investigaram os efeitos que a disseminação da Covid 19 e as consequentes medidas de prevenção e contenção tiveram na saúde física e mental da população mundial.

Os autores relataram um agravamento geral de várias condições clínicas e um aumento das dificuldades psicológicas tanto em adultos (Hao et al., 2020) e em crianças e adolescentes (Clemens et al., 2020).

À luz desses dados, é interessante perguntar quais as consequências da emergência Covid-19 sobre o TOC; por outro lado, o que estamos vivenciando é para muitos de nós um gostinho do universo em que uma pessoa com TOC vive todos os dias: em particular, somos atingidos por pensamentos intrusivos frequentes sobre a possibilidade de sermos contaminados ou sobre nosso responsabilidade de proteger adequadamente a nós mesmos e nossos entes queridos.

Uma pesquisa recente analisou os dados coletados durante o primeiro bloqueio (janeiro a maio de 2020) em pessoas com transtorno obsessivo-compulsivo em vários países, incluindo a Itália (Benatti et al., 2020) e um agravamento dos sintomas obsessivo-compulsivos foi confirmado também no Amostra italiana.

Em particular, um aumento significativo nas obsessões de contaminação e compulsões por lavagem foi demonstrado tanto em adultos (Prestia et al. 2020) e em crianças e adolescentes, mesmo na presença de tratamento contínuo (Tanir et al., 2020).

Uma possível explicação para esses dados poderia estar relacionada ao medo constante do vírus e às recomendações incessantes para manter altos níveis de higiene (Chaurasiya et al., 2020).

Finalmente, houve um aumento no comportamento de evitação e uma maior demanda por aconselhamento psiquiátrico durante o bloqueio do que no ano anterior (Capuzzi et al., 2020).

No webinar agendado para domingo, 10 de outubro, especialistas de renome nacional e internacional, moderados pela jornalista Paola Mentuccia, irão compartilhar e divulgar os conhecimentos científicos atualmente disponíveis sobre esta doença: Francesco Mancini, psiquiatra e psicoterapeuta, diretor das Escolas de Especialização em Cognitiva Psicoterapia (SPC) e psicólogas e psicoterapeutas Teresa Cosentino, Francesca Mancini, Monica Mercuriu, Giuseppe Romano, Angelo Maria Saliani, Paola Spera e Katia Tenore.

Leia também:

Nomofobia, um transtorno mental não reconhecido: vício em smartphones

Ecoanxiedade: os efeitos da mudança climática na saúde mental

Hesitação ao dirigir: falamos sobre amaxofobia, o medo de dirigir

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também