Curando feridas e oxímetro de perfusão, novo sensor semelhante à pele pode mapear os níveis de oxigênio no sangue

Oxímetro sensível à pele: um novo sensor flexível desenvolvido por engenheiros da Universidade da Califórnia, Berkeley. Ele pode mapear os níveis de oxigênio no sangue em grandes áreas da pele, tecidos e órgãos. Eventualmente, pode dar aos médicos uma nova maneira de monitorar feridas em tempo real.

O oxímetro está sempre conectado a um sensor de clipe de dedo rígido e volumoso. Um novo dispositivo foi estudado pela Universidade da Califórnia. É uma ferramenta totalmente nova, capaz de mapear os níveis de oxigênio no sangue e monitorar feridas em tempo real. Yasser Khan, um estudante de graduação em engenharia elétrica e ciências da computação da UC Berkeley, relata que a equipe dos pesquisadores queria se livrar disso e mostra que os oxímetros podem ser leves, finos e flexíveis.

Curando feridas com novo oxímetro sensível à pele

O sensor, como descreve a publicação oficial (link no final do artigo), é feito de eletrônicos orgânicos impressos em plástico dobrável que se moldam aos contornos do corpo. Ao contrário dos oxímetros da ponta dos dedos, este oxímetro pode detectar os níveis de oxigênio no sangue em nove pontos da grade e pode ser colocado em qualquer lugar da pele. Poderia ser potencialmente usado para mapear a oxigenação de enxertos de pele ou olhar através da pele para monitorar os níveis de oxigênio nos órgãos transplantados, dizem os pesquisadores.

Ana Claudia Arias, professora de engenharia elétrica e ciências da computação na UC Berkeley relata: “Todas as aplicações médicas que usam monitoramento de oxigênio podem se beneficiar de um sensor vestível. Pacientes com diabetes, doenças respiratórias e até apneia do sono podem usar um sensor que pode ser usado em qualquer lugar para monitorar os níveis de oxigênio no sangue 24/7.

O que há de novo neste novo oxímetro? Como isso pode fazer a diferença na cicatrização de feridas?

Um oxímetro comum usa diodos emissores de luz (LEDs) para emitir luz vermelha e infravermelha próxima através da pele e detectar a quantidade de luz que chega ao outro lado. O sangue vermelho e rico em oxigênio absorve mais luz infravermelha, enquanto o sangue mais escuro e pobre em oxigênio absorve mais luz vermelha. Os sensores podem determinar quanto oxigênio há no sangue graças à proporção de luz transmitida.

O melhor trabalho desses oxímetros é feito em áreas do corpo parcialmente transparentes, como as pontas dos dedos ou as orelhas. Eles só podem medir os níveis de oxigênio no sangue em um único ponto do corpo de cada vez.

Desde 2014, quando a equipe de estudantes de pós-graduação mostrou que os LEDs orgânicos impressos podem ser usados ​​para criar oxímetros finos e flexíveis para as pontas dos dedos ou orelhas, o trabalho se tornou ainda mais difícil, desenvolvendo uma maneira de medir a oxigenação no tecido usando luz refletida em vez de luz transmitida.

A combinação dessas tecnologias permite que eles desenvolvam um novo sensor que pode detectar os níveis de oxigênio no sangue em qualquer parte do corpo. O novo sensor é construído com uma variedade de LEDs orgânicos vermelhos e infravermelhos próximos alternados e fotodiodos orgânicos impressos em um material flexível.

Eles testaram os níveis de oxigênio no sangue na testa de um voluntário respirando concentrações cada vez menores de oxigênio, como se ele estivesse subindo e subindo a altitude. Eles descobriram que ele correspondia àqueles usando um oxímetro padrão na ponta dos dedos.

Yasser Khan continua: “Após o transplante, os cirurgiões querem medir que todas as partes de um órgão estão recebendo oxigênio. Se você possui um sensor, é necessário movê-lo para medir a oxigenação em locais diferentes. Com uma matriz, você pode saber imediatamente se existe um ponto que não está se recuperando adequadamente. ” Esta é uma ótima maneira de continuar monitorando as feridas e sua cura, eventualmente.

LEIA TAMBÉM

Torniquete: Pare de sangrar após um ferimento de bala

Diretriz de tratamento de feridas (parte 1) - Visão geral do curativo

3 erros mais comuns no tratamento de feridas que causam mais danos do que benefícios

FONTES

University of California Berkeley

ScienceDaily

Grupo de Pesquisa Aria

Comentários estão fechados.