Covid, a variante brasileira dá medo: apenas 7 países de 241 não se blindam

Variante brasileira do Covid: segundo dados da International Air Transport Association (IATA), atualmente os brasileiros têm entrada gratuita em apenas sete dos 234 países monitorados

A variante brasileira do Covid: Na Itália, por exemplo, é proibida a entrada de passageiros que estiveram no Brasil nos 14 dias anteriores à chegada ao país europeu

Em fevereiro, até mesmo os residentes italianos tiveram dificuldade para voltar para casa e cerca de 1,500 pessoas passaram semanas esperando que os voos fossem liberados pelo Ministério da Saúde italiano.

Diante da pandemia descontrolada no Brasil nas últimas semanas, os países vizinhos também aumentaram as exigências de entrada de estrangeiros.

Argentina, Peru e Chile passaram a exigir que os caminhoneiros que transportam cargas apresentassem o teste RT-PCR negativo para entrar em seus respectivos territórios.

A exigência gerou críticas dos transportadores por possíveis impactos no comércio.

O principal argumento do setor é que as distâncias das rotas internacionais que passam pela Argentina, Chile e Peru resultam em viagens que excedem o prazo de validade exigido para os exames, de 72 horas.

Apesar dos impactos, as medidas são justificadas pelo temor de que as variantes agravem a crise de saúde, sobrecarreguem os sistemas de saúde e aumentem o número de óbitos.

Leia também:

Brasil, forte aumento de jovens que sofrem de covid: unidades de terapia intensiva estão lotadas

Escassez de sedativos agrava pandemia no Brasil: faltam medicamentos para tratamento de pacientes com Covid-19

Covid-19 apresenta um risco de coágulos sanguíneos (trombose venosa cerebral CVT) muito maior do que com as vacinas atuais

 

Fonte:

Bianca Oliveira by Agenzia Dire

você pode gostar também