Gaza, equipes de resgate ainda são um alvo: forças israelenses atirando em uma ambulância

Gaza, uma ambulância crivada de balas: a ambulância e as equipes de resgate como alvos, uma realidade tão triste e séria que se tornou o tema de uma conhecida campanha de conscientização (“Não é um alvo”, da Cruz Vermelha)

Ambulância de Gaza atacada na aldeia de Beita (Nablus)

No sábado um ambulância e uma equipe da Sociedade de Socorro de Emergência Palestina foi atacada por forças israelenses no vilarejo de Beita, Nablus.

A ambulância foi atingida por balas de aço revestidas de borracha e gás lacrimogêneo e, claro, foi danificada.

A equipe de resgate estava tratando dos ferimentos de palestinos feridos por soldados israelenses durante os protestos.

O comportamento do exército israelense não é novo: nos últimos dias, a clínica de Médicos Sem Fronteiras foi bombardeada e seriamente danificada.

Mas, em geral, pode-se dizer que atingir os resgatadores e o pessoal de saúde é um dos muitos procedimentos operacionais dos soldados israelenses.

E isso é vergonhoso, independentemente da nacionalidade ou das crenças políticas de quem comete estes atos bárbaros: é, em todo o caso, uma violação dos direitos humanos e uma violência contra quem deseja tratar pessoas com problemas de saúde.

Leia também:

Acesso à assistência médica na Palestina: quais são as diferenças entre morar em Gaza e viver em áreas rurais?

Gaza, Diretor da Agência da ONU, Unrwa: 'Damos Coordenadas, mas Israel nos bombardeia'

Palestina, Cruz Vermelha: 'Gaza depois das bombas se prepara para o surto de Covid'

Fonte:

Infermieristicamente

você pode gostar também