Acidentes de viação: como os paramédicos reconhecem um cenário de risco?

Sempre que uma equipe de ambulância chega a cenários de acidentes de viação, deve ter cuidado, pois mercadorias perigosas podem estar presentes e podem não ser seguras! Como se comportar?

A paramédico e uma enfermeira está na ambulância para realizar a lista de verificação habitual. De repente, no visor do veículo, aparece o sinal "CODE RED". Cada operador médico de emergência, quem enfrentou essa situação pode fazer apenas uma coisa: tente obter mais informações possível.

A enfermeira liga para o Centro de Despacho com o telefone de serviço e o paramédico começa a dirigir o veículo; com as lanternas de emergência e sirenes ativadas. O objetivo é tentar atingir o alvo sem comprometer a segurança de si e dos outros, mas com a máxima velocidade.

O centro de expedição comunica que, na rodovia, um acidente envolvendo vários veículos foi relatado pelos motoristas da pista oposta, incluindo um navio-tanque de cabeça para baixo de um lado.

Deixando de lado as informações básicas sobre dirigindo em caso de emergência, que é a herança comum de todo bom motorista de ambulância, é apropriado examinar o processo processual a cerca de 1 km da cena do "acidente".

Ao se aproximar desse limite, o motorista deve, portanto:

  • SE ESTIVER NA AUTO-ESTRADA - Utilizar as faixas de direção normais sempre que possível e reduzir a velocidade para criar uma coluna atrás do veículo e, assim, evitar a chegada de outros veículos em alta velocidade; para reversões ou seções de contra-tráfego sempre espere pela presença e autorização da Polícia;
  • EM ESTRADAS URBANAS OU RURAIS - Preste sempre a máxima atenção aos pedestres, veículos e mantenha uma velocidade moderada ou, em qualquer caso, uma velocidade adequada para estar preparado para enfrentar o estado da estrada, também de acordo com as condições ambientais e climáticas;
  • Se tivermos sido comunicados um cenário potencialmente arriscado (por exemplo, transporte ADR ou RID), SEMPRE avalie a direção do vento antes da aproximação. Você deve posicionar o barlavento no local do acidente ou liberação.

Mas o que significa avaliar a direção do vento? A resposta está na identificação de qual é o objeto / situação perigosa para a qual devemos enfrentar o vento, o que, no nosso caso, é claramente o local do acidente. Os métodos para avaliar a direção do vento são muitos: uma nuvem de fumaça, o topo das árvores, uma bandeira ou as aplicações mais tecnológicas podem detectar a direção do vento em tempo real, levando em consideração a cobertura 3G ou LTE. (Eu recomendo o WIND ALERT, um aplicativo gratuito disponível na versão iOS na Apple Store e para Android no Google Play).

Uma vez alcançado o local do evento, também é aconselhável avaliar a presença de indicadores de risco:

  • mais pessoas no terreno sem consciência
  • cheiros incomuns
  • fumaça ou vapores, talvez pastando no chão
  • pássaros ou outros animais mortos ou moribundos
  • vegetação descolorida
  • líquido no asfalto
  • fogo

A presença desses fatores deve necessariamente sugerir aos paramédicos ou socorristas que dirigem a ambulância que o cenário está fortemente em risco. Portanto, é apropriado implementar todas as formas possíveis de autoproteção. A seguir, são propostos alguns casos e distâncias de segurança relativas, avaliadas empiricamente, que garantem um nível de segurança mais do que ótimo:

PERDA DE SUBSTÂNCIAS SEM FOGO

sversamento-senza-incendio

PERDA DE SUBSTÂNCIAS COM FOGO QUE NÃO ENVOLVE UM TANQUE

sversamento-con-incendio-non-della-cisterna

PERDA DE SUBSTÂNCIAS COM FOGO

sversamento-con-incendio-della-cisterna

INCIDENTE QUE INCINTA SUBSTÂNCIAS RADIOATIVAS, BIOLÓGICAS OU EXPLOSIVAS

Rilasci-Rad-Chem-Bio1

O Código Kemler: reconhecendo mercadorias perigosas

O Número de identificação de perigo ADR HIN, Também conhecido como o Código Kemler, é carregado em cartazes em vagões-tanque e contêineres-tanque que circulam por estrada sob condições internacionais Regulamentos ADR.

Os números de identificação são mostrados de tal maneira que o número superior indica o perigo e o número inferior identifica as substâncias com o número da ONU indicado nas Recomendações da ONU sobre Transporte de Mercadorias Perigosas. A letreiro em branco laranja sem números indica veículo carregando carga perigosa (bateria, pacotes, etc.) ou navio de carga múltipla.

O ADR Número de identificação de perigo HIN consiste em duas ou três figuras. A primeira figura do Código Kemler indica o risco primário:

  • 2 Emissão de gás devido a pressão ou reação química
  • 3 Inflamabilidade de líquidos (vapores) e gases ou líquido de autoaquecimento
  • 4 Inflamabilidade de sólidos ou sólidos de auto-aquecimento
  • Efeito oxidante 5 (intensificador de fogo)
  • Toxicidade 6
  • Radioatividade do 7
  • Corrosividade 8
  • 9 Risco de reação violenta espontânea

A segunda e a terceira figura geralmente indicam riscos secundários:

  • 1, o perigo é descrito adequadamente pela primeira figura
  • O gás 2 (inflamável) pode ser liberado
  • Risco de incêndio 3
  • Risco de incêndio 4
  • Risco oxidante 5
  • Risco tóxico 6
  • Risco corrosivo 8
  • 9 risco de reação espontânea e violenta

Dobrar uma figura indica uma intensificação desse risco em particular. Onde o perigo associado a uma substância pode ser indicado adequadamente por uma única figura, isso é seguido por um zero. Se um número de identificação de perigo for prefixado pela letra 'X', isso indica que a substância reagirá perigosamente com a água.

Então, o que um profissional de saúde deve fazer no local?

Após avaliação do perigo real, (formato do tanque, painel Kemler, presença de indicadores de risco, testemunho direto etc.), também de acordo com os tripulantes, escolha a distância adequada à situação.

A tripulação deve então comunicar a situação ao Centro de Operações de Emergência, solicitando o envio dos bombeiros e da polícia. Terminada a fase de ativação, será possível proceder a uma avaliação mais aprofundada do cenário, que pode ser resumida usando o simples regra três S (segurança, cenário e situação).

Segurança: avaliação do risco evolutivo e autoproteção

Pare e posicione o veículo na estrada, com segurança. Desligue o motor do veículo e use o EPI adequado disponível (capacete, luvas de nitrilo e jaqueta de alta visibilidade, acima do uniforme planejado). Absolutamente não fume e não beba ou coma (você não pode saber se existe a possibilidade de contaminação). Leve em consideração o risco de desenvolvimento (incêndio, explosão, etc.). Mantenha os espectadores a uma distância segura e preste atenção ao desgaste da borracha.

Cenário: tipo de evento, dano, localização, condições ambientais e assim por diante.

  • o tipo de evento (acidente, derramamento, vazamento, incêndio, etc.)
  • a vastidão do evento e os danos causados ​​(quantos e quais meios estão envolvidos, edifícios, infra-estruturas etc.)
  • as condições do local (estradas e rodovias, espaços confinados, etc.)
  • as condições meteorológicas e climáticas (chuva, neve, sol, etc.)
  • as condições gerais do cenário (terreno acidentado, lama, detritos, detritos, etc.)
  • condições ambientais (ruído, escuridão, etc.)
  • mantenha sempre o vento em mente (pode mudar)

Situação: dinâmica, causa, número de vítimas envolvidas:

  • o tipo de acidente (colisão frontal, traseira, etc.)
  • a descrição do evento (acidente, pneu estourado, doença do motorista, etc.)
  • pessoas supostamente envolvidas (considerando também a possibilidade de contaminação das mesmas)
  • possíveis vítimas

Depois de realizadas as avaliações descritas acima, a tripulação permanecerá em espera, aguardando o Corpo de Bombeiros (para assistência técnica urgente e, portanto, a “segurança do cenário”) e os Aplicação da Lei (para gerenciamento de tráfego, perímetro da área, constatações e obrigações legais).

É realmente importante quando os profissionais de saúde atingem o objetivo primeiro. Quando os bombeiros chegarem ao local, eles assumirão o controle e você terá que seguir os procedimentos nacionais. Geralmente, os procedimentos requerem etapas diferentes para evitar problemas durante as operações. Para uma boa resolução da emergência, os bombeiros de todo o mundo estão seguindo um Procedimento de Etapa 8 padrão, você pode encontrar aqui.

Os paramédicos e paramédicos podem atuar em cena no meio das resoluções, quando os bombeiros eliminaram os riscos mais importantes. A intervenção, como sempre, deve terminar absolutamente com o debriefing de todas as partes envolvidas.

ADVERTÊNCIAS ESPECIAIS: nem sempre um cenário "crítico" é tão óbvio. Basta pensar, por exemplo, nas transportadoras que transportam radiofármacos diariamente em caminhões. Essas transportadoras normalmente usam veículos leves que, se envolvidos em um acidente ou pior em um incêndio, dificilmente podem, de relance, dar-nos conhecimento real do perigo. Os radiofármacos devem ser tratados de acordo com os regulamentos nacionais e podem ser classificados em duas categorias:

  • Para terapia (emitindo radiação beta)
  • Para diagnóstico (emissão de radiação beta ou gama)

Esses radioisótopos, em condições normais, são selados e quase inofensivos. O risco se materializa se eles forem submetidos a altas temperaturas ou a outras substâncias. Pode provocar poeira que pode ser muito perigosa em caso de ingestão ou inalação.

AUTOR

Gerente de desastres, instrutor de segurança (D.Lgs. 81 / 08) e avaliador de riscos. Voluntário de emergência na Cruz Vermelha Italiana.