Libéria - Novo programa cirúrgico pediátrico de MSF

Médicos Sem Fronteiras (MSF) inaugurou um programa de cirurgia pediátrica no Bardnesville Junction Hospital (BJH), nos arredores da capital da Libéria, Monróvia, no dia 11 de janeiro, com o objetivo de tornar o atendimento cirúrgico mais disponível para crianças no país.

MSF estabeleceu o BJH como um hospital pediátrico em 2015, já que a epidemia de ebola na África Ocidental tornou mais difícil para a comunidade médica da Libéria atender às necessidades de saúde. A instalação agora está expandindo seus serviços médicos para incluir cirurgias de emergência e não emergenciais para crianças.

A BJH já serve como um local de treinamento para enfermeiras liberianas, e o programa cirúrgico visa proporcionar oportunidades práticas de treinamento para residentes cirúrgicos liberianos e enfermeiros anestesistas.

"As necessidades de cirurgia pediátrica aqui são extensas e o programa tem estado bastante ocupado nas primeiras semanas", disse John Lawrence, cirurgião pediátrico de MSF da BJH e presidente do conselho de MSF dos EUA.

"Como não havia uma instalação com uma equipe cirúrgica pediátrica dedicada aqui antes, há uma grande variedade de casos que requerem cirurgia pediátrica".

Algumas das primeiras cirurgias realizadas na BJH incluíram reparos de hérnia, uma laparotomia (cirurgia abdominal) para uma criança com uma condição intestinal chamada intussuscepção e a drenagem de um abscesso hepático em um menino de três anos de idade.

Os cirurgiões pediátricos geralmente têm experiência em operar crianças com problemas congênitos ou doenças pediátricas com as quais os cirurgiões gerais não estão familiarizados, disse Lawrence. A anestesia pediátrica também requer treinamento e conhecimento específicos.

"Acho extremamente gratificante ser cirurgião pediátrico nesse contexto, com uma equipe altamente dedicada de funcionários hospitalares da Libéria e além", disse Lawrence. "Planejamos continuar e ampliar o escopo de nossas atividades cirúrgicas nos próximos meses e anos".

 

 

FONTE

Comentários estão fechados.