Um caso impossível de OHCA (parada cardíaca fora do hospital)

Este relatório é baseado em fatos verídicos, no entanto, mesmo que modificados alguns aspectos vividos em um momento único, o objetivo é convidar os leitores a refletir sobre o que acreditamos e as consequências de nossas atitudes.

Autor: Dr. Marcelo A. Okamura

“Em um dia angustiado com muitas ligações de emergência, pela Equipe de Suporte Avançado de Vida de uma serviço de emergência médica in Brasil foi chamado resgatar uma criança, vítima de um acidente de carro, encontrado inconsciente por testemunhas desse terrível evento.

Eu era o médico de plantão. No Brasil, médicos participar em Serviço de emergencia médica e executar procedimentos fora do hospital para manter a vida de pacientes críticos. Ao chegar ao local, encontrei uma criança pequena embaixo de um veículo escolar, sem sinais de vida.

Bombeiros e Equipe de resgate também estavam no local. De repente, um sentimento de apreensão tomou conta de todos profissionais, já que é comum sentirmos comoção mesmo nos profissionais mais experientes quando encontramos uma criança com paragem cardíaca.

A pequena vítima era uma menina de dez anos e já está em asistolia. Começamos a pronta reanimação daquele pequeno paciente. Bombeiros, médicose enfermeiros participou em CPR aquele dia. Durante os primeiros cinco minutos, além das compressões torácicas e da ventilação assistida, o pequeno paciente já recebeu adrenalina intravenosa e oxigênio suplementar através de um ressuscitador manual que permitia a passagem do ar pelo tubo endotraqueal.

Após os primeiros quinze minutos, o retorno espontâneo da circulação não ocorreu, criando um sentimento de medo entre nós. Muitos de nós, que estavam tentando salvar o pequeno paciente naquele dia, não acreditavam mais que aquele pequeno coração batia novamente.

Curiosamente, nenhum de nós queria parar a ressuscitação avançada nas ruas. Com o passar do tempo, entre injeções de adrenalina, compressões torácicas, ventilações e a busca incessante para descobrir as causas que poderiam ter levado à parada cardíaca. E, contrariamente às evidências sobre a eficácia do retorno da circulação na RCP com ressuscitação prolongada, insistíamos que algo era impossível: o paciente deveria ter batimentos cardíacos novamente.

Depois de trinta e dois minutos, ficamos surpresos com o registro no monitor cardíaco. Foi o registro de um taquicardia sinusal e milagrosamente, apresentava pulso carotídeo presente!
Uma nova emoção tomou conta da equipe naquele momento, pois era impossível conter o grito de alegria.

Eu pessoalmente acompanhei a recuperação do pequeno paciente no hospital até a alta. Apresentou sequelas devido ao período de anóxia. Embora ela não tenha falado, ela olhou para mim com um sentimento de gratidão que eu nunca esquecerei.

Depois que recebi alta, ainda consegui encontrá-la pelos próximos três anos, pois ela me visitou em exames médicos para comemorar seu aniversário. Então não a vi mais, pois a família havia se mudado para outra cidade.

Naquele dia, permanecemos unidos por trinta e dois minutos, porque esperávamos que o pequeno paciente vivesse novamente. E assim podemos testemunhar um milagre: o renascimento da vida. "

Este relatório é baseado em fatos verdadeiros. A equipe de bombeiros e resgate trabalha com um garoto afetado por parada cardíaca por 10 minutos no 32. Depois disso ocorre a OHCA