COVID-19, o diretor da OMS na Europa: "Outubro também verá um aumento nas mortes"

COVID-19 retornará para colher as vítimas em outubro. As declarações do médico da OMS Hans Kluge à agência francesa Afp não se prestam a interpretações e estão conscientemente longe do que as pessoas comuns querem ouvir.

O conceito mais importante em Novo pico COVID-19 no poder parece estar na frase “no outono os meses mais difíceis. E não haverá o vacina isso vai acabar com o pandemia". Com a qual, portanto, “você tem que aprender a conviver”.

A dura realidade da OMS: COVID-19 retornará ainda mais poderoso no outono

Outra frase forte vem da consideração de que com o Covid-19 pandemia você tem que conviver e que, apesar do pior, não acabou: mesmo diante de um ressurgimento de contágio, é necessário manter escolas abrir e evitar novos bloqueios generalizados.

“Neste momento - disse o médico belga Hans Kluge - os países não querem ouvir esse tipo de notícia ruim, eu entendo. Sempre o ouço dizer: 'a vacina vai acabar com a epidemia'. Certamente que não, não sabemos se o vacina será eficaz em toda a população. Alguns dos sinais que recebemos revelam que será eficaz para alguns grupos e não para outros. Portanto, precisaremos de vacinas diferentes.

Kluge finalmente mostra-se mais preocupado com o impacto sociológico e econômico do que com o impacto na saúde tout-court: a fibrilação e a intolerância em alguns países estão pressionando os líderes a conduzirem raciocínios nem sempre relevantes para os ditames do mundo científico.

“Em alguns países, vemos que a política se impõe à ciência. E que as pessoas duvidam da ciência. Tudo isso é muito perigoso ”, disse ele a esse respeito.

No próximo mês e nos próximos sessenta dias, começa um momento importante, a nível continental.

Aqui, isso é algo a se levar em conta: Hans Kluge, Diretor para a Europa da OMS, fez uma análise do panorama geral da Europa. Isso não quer dizer que isso aconteça em todos os lugares do continente: significa que provavelmente o continente vivenciará esse cenário de maneira geral.

FONTE

AFP

Comentários estão fechados.