Índia: Trabalhadores de saúde da Asha em greve por falta de direitos e equipamentos contra COVID-19

Índia, trabalhadores da saúde em greve. Eles pedem salários mais adequados, reconhecimento de seu trabalho e necessidade de luvas e máscaras.

Mais EPIs e direitos trabalhistas. É por isso que, em Índia, profissionais de saúde estão no greve.

ÍNDIA, ATAQUE DOS TRABALHADORES DE SAÚDE DA ASHA: AQUI AS RAZÕES 

Em Ativistas Sociais de Saúde Credenciados, mais conhecidos como 'Asha', são figuras profissionais introduzidas em 2005 pela Ministério da Saúde com o objetivo de levar serviços de saúde pública às áreas mais remotas da Índia.

Em Asha também têm a tarefa de promover a prevenção e conscientizar a comunidade sobre comportamentos de saúde positivos tal como vacinações, hábitos alimentares e higiene práticas.

Desde então, o Asha se tornou o primeiro ponto de contato com saúde pública para as pessoas que vivem nesses territórios e agora também representam um baluarte contra a disseminação da COVID-19: apenas esta semana Índia excedeu 3.2 milhão de casos de coronavírus, confirmando sua posição como o terceiro país do mundo em número de infecções, depois dos Estados Unidos e do Brasil.

In áreas rurais, de acordo com especialistas, um aumento de casos positivos está ocorrendo.

 

ÍNDIA, PAPEL FUNDAMENTAL DOS TRABALHADORES DE SAÚDE DA ASHA NA EMERGÊNCIA DO CORONAVIRUS

Nesta emergência, trabalhadores da saúde da Índia, além de suas funções normais, desempenham um papel importante no rastreamento de contágios e no atendimento domiciliar aos pacientes com coronavírus positivo, trabalhando sete dias por semana.

In Índia, de Asha os trabalhadores da saúde são mais de um milhão e trabalham com um salário médio de 4,000 rúpias (o equivalente a 45 euros), valor considerado inaceitável pelas associações do setor. De acordo com as siglas sindicais, esses trabalhadores são tratados como voluntários e seu trabalho não é reconhecido pela lei de salário mínimo indiana.

De acordo com economistas e ativistas locais, seus empregos são muito mal pagos, ganhando quase metade do que um agricultor recebe.

As Ranjana Nirula, disse a coordenadora do sindicato nacional de Asha ao jornal internacional 'Al Jazeera' Ranjana Nirula, que este trabalho ainda é “visto como uma extensão do trabalho que as mulheres fazem em casa”. Agora a Asha pede ao governo um aumento de até 10,000 rúpias por mês (114 euros).

Os Ashas também estão pedindo EPIs tal como luvas e máscaras para se protegerem do COVID-19. No entanto, o Ministro da saúde indiano ainda não respondeu a este pedido.

LEIA O ARTIGO ITALIANO

Comentários estão fechados.