Síndrome de Jerusalém: quem afeta e em que consiste

Cerca de 200 visitantes de Jerusalém a cada ano acreditam que são personagens da Bíblia, de Maria Madalena a Pedro, de Jesus a Moisés

Alguns deles são internados no hospital psiquiátrico de Kfar Shaul, onde uma ala é inteiramente dedicada a esses que se autodenominam santos da Velha e da Nova Lei.

A síndrome de Jerusalém consiste na manifestação repentina de impulsos religiosos e expressões visionárias por visitantes da cidade de Jerusalém

A síndrome de Jerusalém, como as síndromes de Florença e Estocolmo, não está incluída nem mencionada no DSM.

A síndrome foi descrita pela primeira vez do ponto de vista clínico em 1930 pelo psiquiatra Heinz Herman, embora episódios semelhantes já tenham sido descritos na Idade Média por Felix Fabri, um teólogo dominicano, em relatos de suas peregrinações à Terra Santa.

Um dos casos mais significativos descritos até o momento foi o de um turista que, em 1969, tentou atear fogo a uma mesquita localizada no Monte do Templo, em Jerusalém, área sagrada disputada por judeus e muçulmanos.

CASOS CONHECIDOS DA SÍNDROME DE JERUSALÉM

Hermann S., Saxon, cuja história foi recentemente coberta pelo semanário alemão Die Zeit, com seu físico arredondado e barba de São Nicolau branca, fácil de conversar e uma paixão pelo heavy metal, um jardineiro aposentado, diz que é filho de Deus.

Ele quer levar a paz ao mundo, e anuncia isso nas ruas e enviando mensagens de texto que assina com o criptograma IHS.

Ao cumprir sua missão na cidade sagrada, Hermann corre o risco de se confrontar com sua mãe Maria, com seu ancestral distante, o rei Davi, com Moisés, Isaac, Jacó ou, por uma reviravolta perturbadora do destino, com um segundo Jesus em uma missão ao mesmo tempo.

Não menos importante é o caso israelense de um turista que se autoproclama Moisés andando na rua todos os anos.

Este turista anda pelas ruas com as tábuas da lei enquanto outro peregrino anuncia o fim do mundo, um terceiro sobe ao Calvário carregando uma cruz de madeira nos ombros ou prega coberto por um lençol de hotel.

Entre os casos mais extraordinários de identificações já relatados está, sem dúvida, o de uma mulher da Igreja do Sepulcro que tentou em vão trazer Jesus ao mundo, e aquele, que entrou para a história, do australiano Michael Rohan que em 1969 tentou queimar a esplanada das mesquitas para facilitar, é claro, a vinda do Messias.

SUBDIVISÃO DE PESSOAS QUE SOFREM DA SÍNDROME DE JERUSALÉM

Essa síndrome afeta mais os homens do que as mulheres, especialmente os homens solteiros criados em famílias protestantes estritas, como Hermann S, o jardineiro saxão.

O Dr. Bar-El, que estudou o fenômeno por um longo tempo, propôs uma subdivisão dos sofredores em

  • pessoas com sintomas psiquiátricos manifestaram-se antes de sua chegada a Jerusalém. Normalmente, essas pessoas vão para a Cidade Santa com uma ideia fixa de religiosidade, traída ou decepcionada, bem como se sentindo investidas de 'uma missão a cumprir';
  • pessoas que apresentam uma obsessão cultural que vê Jerusalém no centro de seus pensamentos e pode haver uma aversão a alguma referência cultural-religiosa;
  • pessoas que apresentam sintomas psicóticos após chegarem a Jerusalém, incluindo:

SÍNDROME DE JERUSALEMA, SINTOMAS

  • Ansiedade e nervosismo
  • Sentimentos de querer se separar do resto do grupo e seguir sozinho
  • Necessidade obsessiva de limpeza e higiene, como lavagem contínua das mãos e do corpo devido a uma necessidade obsessiva de purificação
  • Repetição contínua dos mesmos salmos e orações por medo de não os ter recitado com devoção
  • A preparação de longos mantos brancos, a necessidade de recitar versos ou salmos religiosos e de cantar hinos sagrados, o desejo incontrolável de realizar procissões ou marchas a locais característicos, a criação de sermões que visam indicar um caminho moral a seguir
  • Convicção de serem personagens bíblicos que têm que cumprir uma missão influenciada por uma fé religiosa obsessiva
  • Obrigação obsessiva de observar práticas e preceitos religiosos nos quais o zelo religioso beira um verdadeiro transtorno mental (ambas as últimas manifestações psiquiátricas começam antes da chegada a Jerusalém e se resolvem, sem sequelas, após algumas horas de internação).

A síndrome de Jerusalém afeta cerca de duzentos peregrinos por ano, independentemente da nacionalidade.

CONSEQUÊNCIAS

Normalmente, as pessoas que apresentam essa síndrome são internadas em instituições psiquiátricas, onde permanecem apenas algumas semanas.

A maioria dos casos se resolve em 7 a 10 dias após o primeiro evento.

Depois de alguns dias, eles voltam à realidade, e muitos ficam literalmente com vergonha disso, sem saber explicar o que lhes aconteceu.

Acredita-se que as pessoas que sofrem dessa síndrome já estivessem predispostas a essa atitude antes de chegarem a Jerusalém e que, uma vez lá, essa doença latente desperte.

Parece que na síndrome de Jerusalém, obsessão e compulsão se sobrepõem, embora a compulsão tenha a vantagem sobre a obsessão.

TERAPIA

Esses são transtornos compulsivos de certa magnitude e importância, e uma vez que as pessoas com síndrome de Jerusalém são internadas em hospitais psiquiátricos por algumas semanas, onde as conversas sobre a fé terão precedência sobre a terapia, com o objetivo de tentar mudar sua perspectiva e percepção religiosa.

Artigo escrito pela Dra. Letizia Ciabattoni

Leia também:

A Síndrome de Florence, mais conhecida como Síndrome de Stendhal

Síndrome de Estocolmo: quando a vítima fica do lado do perpetrador

Efeitos placebo e nocebo: quando a mente influencia os efeitos das drogas

Fonte:

La sindrome di Gerusalemme, Giancarlo Zagni, 2007, Tre Lune ed.

https://ricerca.repubblica.it/repubblica/archivio/repubblica/2014/03/19/la-sindrome-del-pellegrino-sulla-via-di.html

https://it.sainte-anastasie.org/articles/psicologia/conoces-el-sndrome-de-jerusaln.html

https://it.iliveok.com/health/sindrome-di-gerusalemme_99535i88403.html

você pode gostar também