Doenças ocupacionais (e não ocupacionais): ondas de choque para o tratamento da fascite plantar

A entesopatia ou fascite plantar, também conhecida como heelonite, é um tipo de inflamação muito comum, cujo início pode ser causado por uma variedade de fatores, incluindo certos hábitos (como usar calçados inadequados) e atividades esportivas

Fasceíte plantar (Heelite) e seus sintomas

Fasceíte plantar, ou mais propriamente entesopatia da fáscia plantar, é uma inflamação localizada na parte inferior do calcanhar, que normalmente se manifesta com uma dor aguda, bem no ponto onde a fáscia plantar, a forte estrutura fibrosa que sustenta o arco plantar, é inserido no osso, na lateral da superfície de apoio.

Em alguns casos, a inflamação pode envolver também a parte central da fáscia plantar, em direção ao arco do pé, o que é denominado fasciopatia plantar.

Normalmente, a dor causada pela fascite plantar é mais intensa pela manhã ou durante o despertar noturno, quando o pé é colocado para sair da cama, e pode durar de alguns minutos a mais, dependendo do grau de inflamação.

Geralmente, nas fases iniciais da doença, a dor diminui com a caminhada e o movimento, embora volte a ser sentida de forma aguda ao levantar-se depois de muito tempo sentado, bem como à noite no final das atividades diárias, especialmente se estes forçam o paciente a permanecer em pé por muito tempo e a caminhar longas distâncias.

Nos estágios mais avançados da fascite, a dor pode ser quase contínua e muitas vezes não cessa ao longo do dia, ou mesmo causa desconforto à noite ou em repouso.

PROTEÇÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE? VISITE O ESTANDE BIOCAREMÉDICO NA EXPO DE EMERGÊNCIA E SAIBA COMO MELHORAR A QUALIDADE DO SEU TRABALHO

As causas da heelonite (fascite plantar)

Vários fatores podem contribuir para o aparecimento da heelonite, um dos quais é, sem dúvida, uma certa predisposição individual, relacionada às conformações do pé como o “pé chato” (ou seja, pronado) e o pé oco (caracterizado pela acentuação do arco plantar).

É mais frequente em pessoas de meia-idade, em pessoas com obesidade ou outras doenças endócrino-metabólicas e em mulheres grávidas, bem como em doentes com hiperuricemia ou patologias imuno-reumatológicas.

Em particular, o excesso de peso corporal pode desempenhar um papel decisivo no aparecimento dos sintomas, especialmente se o aumento for repentino.

Existem também certos hábitos que podem aumentar a probabilidade de desenvolver heelonite e que, portanto, é importante investigar na anamnese do paciente para uma correta abordagem diagnóstica e terapêutica.

Na verdade, qualquer terapia será menos eficaz se os fatores de risco e gatilhos não forem eliminados ou pelo menos mitigados.

Um fator muito importante a se considerar em primeiro lugar é o tipo de calçado utilizado pelo paciente: muitas vezes, de fato, as pessoas usam calçados que não são adequados para a conformação de seus pés, seja por não possuírem salto (como alguns tipos) de “bailarinas”), ou com uma sola inadequada (como “chinelos” ou outros tipos de chinelos usados ​​durante o verão).

Recorde-se que, em alguns casos, a inadequação do calçado está simplesmente ligada ao seu uso por muito tempo.

Além disso, como resultado do uso de calçado esportivo inadequado, gestos atléticos incorretos ou sobrecarga funcional, certos tipos de atividade profissional podem causar tração anormal ao nível da fáscia plantar, ou mesmo microtraumatismos contínuos (por exemplo, ao saltar e aterrissar) podem frequentemente responsáveis ​​pelo aparecimento da fascite plantar.

Curiosamente, a heelite costuma se manifestar em um padrão sazonal típico, com pico de incidência nos meses de verão, época em que é comum o uso de calçados com sola menos reforçada.

O MELHOR EQUIPAMENTO PARA PROFISSIONAIS DE SALVAMENTO? DESCUBRA UNIFORMES, CAPACETES E SAPATOS DE SEGURANÇA NA ESTANDE PROTECH DE RESGATE NA EXPO DE EMERGÊNCIA

Sobre a fascite plantar: Como você pode prevenir a heelonite?

A inflamação da região do calcanhar pode ser prevenida eliminando ou corrigindo os fatores negativos que a causam.

No que diz respeito ao calçado em particular, se quiser evitar sofrer de heelonite, o melhor é escolher sapatos adequados ao tipo de atividade que pratica e substituí-los quando aparecerem os primeiros sinais de desgaste ou falha estrutural.

Calçados profissionais devem ser escolhidos preferencialmente com o conselho de um especialista; por outro lado, nas atividades cotidianas, calçados com sola totalmente plana ou especialmente fina e macia devem ser evitados ao máximo.

Por outro lado, saltos muito altos também devem ser evitados, pois podem causar patologias na parte anterior do pé e contribuir para a retração ou 'encurtamento' do tendão de Aquiles.

Um salto de alguns centímetros é certamente ideal do ponto de vista biomecânico e também é útil para fornecer alívio se a fascite plantar já tiver aparecido.

Além de levar um estilo de vida saudável, que permite controlar o peso corporal e manter sob controle as patologias existentes, é de fundamental importância reconhecer se existem deformidades no pé (por exemplo, achatamento ou cavo) e, se possível , para corrigi-los adequadamente com órteses feitas sob medida (palmilhas feitas sob medida para o formato do pé).

As órteses podem reduzir o risco de recorrência após a recuperação da fascite plantar ou reduzir potencialmente o risco de recorrência em indivíduos predispostos.

A importância da escolha do calçado

A prevenção da dor no calcanhar é principalmente uma questão de escolher os sapatos certos para calçar.

Aqueles que não sofrem de outras doenças nos pés devem usar calçados confortáveis, mas de apoio, ou seja, calçados que ofereçam apoio ao pé sem serem constrangedores.

Como já foi mencionado, os saltos podem ajudar as mulheres, mas apenas se tiverem apenas alguns centímetros de altura e tiverem uma boa base de apoio (ou seja, não um “estilete”).

Isso é verdadeiro para sapatos usados ​​durante as atividades diárias normais; as atividades esportivas certamente requerem maior atenção na escolha do calçado e na altura do solado em correspondência com a base do calcanhar.

Importa sublinhar que, ainda em matéria de actividade desportiva, deve ser sempre prestada especial atenção (tanto às actividades competitivas como, ainda mais, às actividades recreativas-amadoras) ao tipo, intensidade e duração do treino, bem como a execução do gesto atlético.

Além disso, para a prevenção da fascite plantar, é aconselhável que indivíduos suscetíveis dediquem alguns minutos de cada dia ao alongamento e treinamento proprioceptivo do pé e tornozelo.

O que fazer em caso de fascite plantar?

A abordagem terapêutica é, em primeiro lugar, conservadora, visto que é preferível limitar a cirurgia apenas aos casos em que o paciente não respondeu de forma alguma a todas as outras terapias.

Almofadas de silicone para calcanhar com uma parte central de alívio certamente devem ser consideradas como um “primeiro socorro” a ser implementado enquanto se espera a consulta com o médico.

Ondas de choque para heelite

No estado atual do conhecimento, uma importante estratégia de tratamento para esse tipo de inflamação é, sem dúvida, a terapia por ondas de choque, cuja validade clínica é sustentada por um grande número de trabalhos científicos que demonstram sua eficácia.

É seguro, não invasivo, ambulatorial, repetível e praticamente livre de efeitos colaterais.

Além disso, quando realizado com equipamento e por mãos habilidosas, é bem tolerado pelo paciente, que não precisa temer a dor durante a sessão.

A terapia consiste na estimulação micromecânica que, massageando suavemente os tecidos, estimula as células a produzirem uma série de fatores de crescimento e outros mediadores bioquímicos que atuam para neutralizar a inflamação e estimular a cicatrização dos tecidos.

Deve-se ressaltar que as ondas de choque não causam de forma alguma danos aos tecidos ou rompem calcificações e esporões ósseos, mas têm um efeito modulador real sobre a inflamação.

Conclui-se que, para toda heelite associada à presença de um possível esporão ósseo (em termos médicos um osteófito), o objetivo não é quebrar ou eliminar o esporão, mas resolver a inflamação naquele local, que é ela própria responsável pela dor.

O ciclo de tratamento consiste em 3 sessões de terapia, em média semanalmente.

É importante lembrar ao paciente que a eficácia das ondas de choque geralmente não é imediata, por isso é necessário esperar algumas semanas (mas às vezes mais de 2 meses) para avaliar os efeitos benéficos e que, entre as sessões de terapia, pode haver um surto temporário de dor.

Terapia infiltrativa local

Embora na maioria dos casos a fascite plantar possa ser resolvida com a terapia por ondas de choque, existem alguns casos que são refratários à cura, mas geralmente são casos crônicos de pacientes que já foram submetidos a vários tipos de terapia.

Nesses casos, a terapia infiltrativa local com fatores de crescimento autólogos (ou seja, extraídos do próprio sangue do paciente), como o concentrado de plaquetas conhecido como PRP, ou outras preparações, pode ser considerada como uma indicação para desligar a inflamação e estimular a cicatrização do tecido, embora não com um método biofísico, como ondas de choque, mas com uma estratégia bioquímica.

Também é importante lembrar que o tratamento por ondas de choque não é apenas repetível em caso de benefício parcial, mas acima de tudo não exclui a possibilidade de aplicação de outras estratégias de medicina regenerativa, como a terapia infiltrativa mencionada acima.

A importância de consultar um especialista para um diagnóstico correto

É importante ressaltar que nem todas as dores no calcanhar podem ser atribuídas à fascite plantar, embora seja certamente uma das patologias mais frequentes.

Por isso, é necessário em primeiro lugar formular um diagnóstico correto, que, após o exame clínico, passa a incluir o exame radiológico padrão, que pode ser combinado com um exame aprofundado com ultrassom, ou mesmo ressonância magnética. (RM) na presença de suspeita diagnóstica específica.

O sucesso da terapia, de fato, depende em primeiro lugar da estrutura diagnóstica correta.

Leia também:

Comparação de calçados de trabalho para profissionais de ambulância e trabalhadores de EMS

Uniforme de ambulância na Europa. Teste de desgaste e comparação por equipes de resgate

Esfaqueamento, assalto e agressão: os paramédicos correm mais perigo do que os bombeiros

(Também) Doenças ocupacionais: todas as causas e remédios para fascite plantar

 

Fonte:

Humanitas

você pode gostar também