Estupro 'droga', psicoterapeuta: 'Ghb mesmo por três euros, boom entre os jovens'

Ghb é uma substância que foi inicialmente usada para combater o vício. Não é classificado como droga

Muitas notícias trouxeram para os holofotes uma substância até então menos conhecida, a chamada 'droga de estupro'.

Este é o Ghb.

Ghb foi originalmente desenvolvido como uma droga para combater o vício

Com o tempo, caiu em desuso e agora é usado, ingerido com álcool, para quebrar as inibições.

É fácil de obter, incolor e inodoro, razão pela qual o Ghb é considerado a 'rainha' das substâncias e é amplamente utilizado em festas de sexo.

Para entender melhor do que estamos falando, quantas pessoas usam e principalmente o aumento do consumo durante o período pandêmico e quais podem ser os caminhos terapêuticos para tentar sair dele, o psicoterapeuta Fabrizio Fanella, Diretor Médico do O Centro La Promessa de Roma, especializado no tratamento de dependências, explica suas características.

GHB, O QUE É A 'DROGA DE ESTUPRO' (NÃO UMA DROGA)

Diretor, as notícias recentes trouxeram à luz o abuso do estupro por drogas na Itália. O que é e quais são os números do problema na Itália, e há uma faixa etária mais afetada?

“A droga de estupro, que em termos técnicos se chama Ghb, é uma substância que atua no cérebro no nível dos neurotransmissores.

Infelizmente, essa substância está disponível na forma líquida, por isso é frequentemente misturada com álcool.

Além disso, o fato de ser insípido, inodoro e incolor o torna "ideal" para o consumo abusivo de álcool.

É por isso que é amplamente utilizado em festas de sexo.

Daí o nome 'droga de estupro'.

Não há números e estatísticas precisas sobre essa substância por dois motivos: não é considerada uma droga real, sendo o Ghb uma droga usada para reduzir a compulsão pelo álcool, e há poucos estudos disponíveis sobre essa substância.

O Ghb também é muito potente e ao mesmo tempo barato, pois custa entre 3 e 5 euros por dose no mercado negro e é fácil de encontrar.

Nos últimos 10 anos, houve um aumento significativo, principalmente entre adolescentes e adultos jovens.

OS DANOS DO GHB

De forma mais geral, o uso de drogas causa dependência ... vamos relembrar brevemente quais danos são causados ​​ao corpo e à mente pelos usuários dessas substâncias a médio e longo prazo.

“Os danos são importantes e múltiplos e podem levar a: uma alteração do sistema imunológico, uma deficiência de vitaminas, causando o risco de pneumonia viral, doenças hepáticas e cardíacas com o risco associado de trombose.

A dependência é rápida, no sentido de que após o terceiro ou quarto uso, o sujeito passa por uma síndrome de abstinência.

Houve casos recentes nos noticiários em que pessoas muito jovens se viram viciadas em poucas semanas, embora nunca tivessem usado drogas antes.

Além disso, é muito difícil detectar essa substância devido às características já descritas.

Por isso, o meu conselho aos jovens, e em particular às mulheres e a todos os que bebem nos bares, é nunca abandonar o copo, porque esta substância se insere facilmente por estranhos e o infeliz não nota nada ”.

O BOOM NO CONSUMO DE GHB

Desde 2020, o centro 'la promessas di Roma' mantém um convênio com a Região do Lácio para o tratamento da dependência química. Você notou um aumento do fenômeno desde o início de suas atividades e, em particular, houve um aumento no uso de substâncias durante a pandemia ou mais com o reinício das atividades?

“Houve um aumento do vício durante a pandemia com um aumento significativo de 30%.

Em particular, no que se refere ao consumo de bebidas alcoólicas, que estão associadas, como dissemos, à droga de estupro de encontro, verificou-se um aumento dramático do consumo de 446% e, em particular, entre os jovens com idades compreendidas entre os 18 e os 24 anos. , houve um aumento de 209%, segundo estatísticas oficiais.

Estou falando sobre a disseminação do álcool exatamente porque essa droga em particular é ingerida dessa forma em 99.9% dos casos. Já com a retomada das atividades a tendência de consumo é alta, mas estável '.

UMA DAS TERAPIAS CONTRA O VÍCIO DO GHB

No seu centro, você oferece uma terapia indolor específica, 'estimulação magnética transcraniana repetitiva'. Você pode explicar de forma simples, para quem nos segue, o que é e para quem é recomendado?

“Essa terapia é bem recente. Na Itália, é usado há 4 ou 5 anos e consiste na indução de ondas magnéticas através de uma bobina que é colocada no crânio e tem sido visto em estudos e resultados clínicos consolidados que a exposição a ondas magnéticas de certa forma diminui significativamente a compulsão por substâncias, drogas e álcool ou comportamentos compulsivos, como jogos de azar ou mesmo bulimia.

Dentro de algumas semanas, esta terapia traz o corpo de volta ao 'normal'.

O protocolo mínimo é de três meses, sendo as primeiras semanas as mais intensivas.

Durante as duas primeiras semanas, o tratamento é diário, enquanto na terceira e quarta semanas a estimulação é gradativa.

Depois de cinco ou sete sessões, é registrado um efeito, que precisa ser consolidado.

Acompanhamos também este protocolo com um 'pacote de serviços' mais amplo que inclui sessões com psicólogo, com um coach pessoal que acompanha o paciente individualmente no dia a dia, também por telefone, proporcionando-lhe um contacto constante.

Há também uma reunião com o psiquiatra que, se necessário, prescreve medicamentos específicos.

Além disso, existem exames de urina para garantir que o paciente não está usando substâncias e que tudo está indo bem.

Leia também:

República Democrática do Congo: organizações humanitárias acusadas de violência e assédio

Bombeiro paramédico supostamente estuprou pacientes na ambulância: agora ele tem que enfrentar acusações de crime sexual

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também