Aneurismas cerebrais não rotos: como diagnosticá-los, como tratá-los

Um aneurisma cerebral é uma dilatação de uma artéria no cérebro. Aneurismas cerebrais não rotos são freqüentemente encontrados ocasionalmente durante outros exames. Essas lesões podem ser tratadas ou mantidas sob observação

O que são aneurismas cerebrais não rotos?

Um aneurisma é uma dilatação de uma artéria no cérebro.

O tamanho pode variar de alguns milímetros até lesões, chamadas de “gigantes”, com diâmetros superiores a 2.5 cm.

Os aneurismas podem afetar qualquer artéria cerebral, embora a frequência e, às vezes, os sintomas variem.

Os aneurismas podem ser divididos em duas grandes famílias: aneurismas cerebrais rotos e aneurismas cerebrais não rotos

Aneurismas não rotos são lesões frequentemente encontradas ocasionalmente durante outras investigações.

A partir do momento em que é diagnosticado, esse aneurisma torna-se um problema, primeiro para o paciente, depois para o neurocirurgião que deve decidir se a lesão precisa de tratamento ou apenas observação.

Quais são as causas dos aneurismas cerebrais não rotos?

O aneurisma costuma estar localizado na bifurcação dos vasos cerebrais, um sinal de que a causa costuma ser embriológica.

A hipertensão é um cofator importante no crescimento e ruptura dos aneurismas.

O mesmo se aplica ao tabagismo, aneurismas múltiplos e doenças do tecido conjuntivo.

Quais são os sintomas dos aneurismas cerebrais não rotos?

Às vezes, permanece em silêncio ao longo da vida.

Raramente aumenta progressivamente de tamanho a ponto de dar origem a sintomas de “efeito de massa” (dor de cabeça, compressão de nervos cranianos com distúrbios dos movimentos oculares, ataques epilépticos, etc.).

Uma porcentagem muito pequena se rompe.

O tamanho do saco está diretamente relacionado ao risco de ruptura.

Um aneurisma menor que 6-7 mm apresenta baixo risco de sangramento / ano; se for maior que 7 mm, geralmente deve ser tratado.

Tudo também deve estar relacionado à idade do paciente em consideração à avaliação do risco de sangramento.

Diagnóstico de aneurismas cerebrais não rotos

  • Primeiro nível: Freqüentemente, a tomografia computadorizada do cérebro pode levar a uma suspeita, mas com muito mais frequência esses são achados ocasionais em ressonâncias magnéticas realizadas por outros motivos.
  • Segundo nível: Angio MRI (esta é uma ressonância magnética normal que não requer meio de contraste) e ANGIOTAC (esta é uma tomografia computadorizada normal, mas requer meio de contraste).
  • Terceiro nível: Angiografia Cerebral (anestesia local na virilha, cateterização através da artéria femoral para atingir os vasos intracranianos e injeção de contraste obtendo-se uma visualização dinâmica completa do fluxo cerebral) a ser realizada em casos de dúvida ou onde for necessário saber o fluxo cerebral e variações anatômicas.

Aneurismas cerebrais não rotos, tratamentos

Cabe ao neurocirurgião avaliar se a lesão necessita de tratamento ou apenas observação.

No momento, a literatura não fornece diretrizes confiáveis, mas apenas diretrizes.

A abordagem certa é uma avaliação caso a caso, levando em consideração a idade, a localização da lesão e o estado psicológico do paciente em relação à nova patologia.

Deve-se considerar também que o tratamento de um aneurisma não rompido apresenta, na maioria dos casos, riscos de morbidade e mortalidade significativamente menores do que a hemorragia subaracnóidea, o que representa uma patologia adicional com toda uma série de complicações não relacionadas à lesão vascular, mas à o sangue “irrita” a superfície cerebral.

O tratamento neurocirúrgico dos aneurismas não rotos é eletivo e apresenta riscos limitados em relação ao tamanho do saco, à localização da lesão e à idade do paciente.

Se a equipe multidisciplinar deu indicação de tratamento, existem duas possibilidades:

  • Tratamento microcirúrgico
  • Tratamento endovascular

O tratamento endovascular não é uma alternativa ao tratamento microcirúrgico, mas uma verdadeira opção de intervenção.

Alguns aneurismas têm indicação para cirurgia, outros para tratamento endovascular.

Cabe à equipe avaliar o tratamento de escolha em cada caso.

O tratamento microcirúrgico consiste na exclusão do saco aneurismático com a colocação de um ou mais “clipes” (pequenos pinos) ao nível do colar da malformação.

É realizado com o auxílio da mais moderna tecnologia:

  • Microscópio operacional
  • Fluoroangiografia intraoperatória
  • Monitoramento neurofisiológico intraoperatório
  • Endoscopia 3D
  • Microdoppler intraoperatório

Os riscos são limitados, uma vez que os vasos cerebrais repousam na superfície do cérebro e não em seu interior, e que o procedimento microcirúrgico, portanto, “funciona” na superfície sem passar pelo tecido cerebral.

O uso de “monitores intraoperatórios” para avaliação motora e sensorial do paciente durante o curso do tratamento é essencial.

O tratamento endovascular é um procedimento de angiografia normal que consiste em atingir os vasos cerebrais pela artéria femoral e preencher o saco aneurismático com pequenos filamentos de titânio ou colocar stents (pequenos cilindros de materiais maleáveis) que excluem o aneurisma do cérebro.

Os riscos estão relacionados à possibilidade de eventos isquêmicos transitórios ou permanentes (maiores em stents do que em bobinas) e na possível ruptura do aneurisma no intraprocedimento.

Os resultados do tratamento endovascular podem não ser definitivos e precisam de acompanhamento sério ao longo dos anos.

Prevenção

Não existe um programa de prevenção real.

Se um aneurisma não rompido for encontrado e julgado pela equipe como "assistível", torna-se imperativo:

  • Verifique a pressão arterial
  • Pare de fumar

Leia também:

Aneurisma cerebral: o que é e como tratá-lo

Aneurismas rotos: o que são, como tratá-los

Avaliação de ultrassom pré-hospitalar em emergências

Fonte:

Humanitas

você pode gostar também