Índia é o novo Brasil: acaba de se tornar o segundo país mais atingido pela COVID-19 do mundo

A Índia se tornou o segundo país mais atingido pela COVID-19. Mais de 4.2 milhões de pessoas infectadas. Ultrapassou o Brasil.

Nas últimas 24 horas, a Índia ultrapassou o Brasil no total, registrando o maior pico de infecções por COVID-19.

A Índia é o novo Brasil: como essa situação se tornou tão crítica?

Ministério da Saúde da Índia relataram 1,016 mortes para um total de 71,642, o terceiro maior número nacional. Apesar de mais de dois milhões de novos casos no mês passado e do vírus se espalhando pelas cidades e vilarejos menores do país, o governo indiano continuou relaxando as restrições para tentar ressuscitar a economia.

Segunda-feira passada, o Delhi Metro retomou as operações após cinco meses. Apenas pessoas sem sintomas foram autorizados a embarcar, é claro com máscaras, distanciamento social e temperatura cheques obrigatório. Antes de fechar em março, os trens lotados transportavam em média 2.6 milhões de passageiros por dia. No entanto, sua reabertura está chegando ao mesmo tempo em que a Índia está tendo a pior crise de COVID-19 de todos os tempos.

Quase 60 por cento dos casos ativos da Índia vêm dos estados de Andhra Pradesh, Tamil Nadu, Karnataka, Maharashtra e Uttar Pradesh, o estado mais populoso da Índia. Mas as infecções também estão voltando a áreas que conseguiram retardar a propagação do vírus, compensando os ganhos marginais.

Inicialmente atingido pelo vírus, Nova Deli, após a reabertura do metrô, o estado relatou recente aumento de casos e mortes. A reabertura do metrô deve piorar ainda mais a situação, temem os especialistas. O recente aumento de casos também destaca os riscos da estratégia da Índia de depender demais de testes rápidos que rastreiam antígenos ou proteínas virais. Esses testes são baratos, produzem resultados em minutos e permitiram à Índia testar mais de um milhão de pacientes diariamente.

LEIA O ARTIGO EM ITALIANO

COVID-19, ÍNDIA É A NOTÍCIA BRASIL: FONTE

STANDARD.CO.UK

Comentários estão fechados.