Amamentação entre a medicina e a tradição: seis falsos mitos

Falsos mitos sobre a amamentação ... e desliza no cobiçado. Davanzo: “É um erro separar mães positivas de seus filhos”.

“A nutrição se presta ao entrelaçamento das tradições populares e da medicina, às vezes com resultados negativos.

Para a mulher que amamenta, existem regras, presentes na memória histórica e nas recomendações da população, que hoje não fazem mais sentido.

Meu estudo limpa a mistura perigosa de conhecimento e conhecimento pseudocientífico '.

São as palavras de Riccardo Davanzo, presidente da comissão técnica de amamentação do Ministério da Saúde, pediatra e ex-neonatologista do Instituto de Saúde Materno-Infantil Burlo Garofolo 'IRCCS, em Trieste, em seu relatório ao 76º Congresso Italiano de Pediatria, organizado em modo digital pela Sociedade Italiana de Pediatria (Sip).

Contra-indicações e obstáculos. Davanzo explica como um tema como a amamentação sofre com as tradições, a cultura e a pouca divulgação científica, e o faz partindo de algumas distinções

“Em primeiro lugar, é preciso esclarecer a diferença entre contra-indicação e obstáculo, que às vezes não é claro nem mesmo no mundo da saúde.

Uma mãe com HIV tem contra-indicação absoluta na Itália para amamentar, pois o risco é que o recém-nascido se infecte.

Essa é a verdadeira contra-indicação ao aleitamento materno, uma das poucas.

A mãe pode ter uma febre inespecífica e precisar tomar medicamentos.

Mas estas, em 99% dos casos, não são contra-indicações ”, explica o especialista,“ porque o risco de o bebé infeccionar é quase nulo: se a mãe for obrigada a não amamentar, o bebé perderá os benefícios da amamentação.

Aqui está um breve guia de seis falsas crenças sobre a amamentação para ajudar a 'limpar' a perigosa mistura de conhecimento e conhecimento pseudocientífico:

- Estou com gripe, não posso amamentar. Falso.

“Se a mãe está gripada não deve parar de amamentar o bebê, porque graças ao aleitamento ela também passa os anticorpos para o bebê e então parar seria uma intervenção tardia, o bebê já pode ter entrado em contato com o patógeno.

É, portanto, uma falsa crença, que enfatiza um risco desprezível, de que a criança contrairá um resfriado.

Em relação ao parto, gravidez e amamentação ”, diz a especialista,“ o equilíbrio geral entre riscos e benefícios deve ser considerado.

- Eu sou Covid positivo, pare de amamentar. Falso.

“Uma atitude muito cautelosa, no início da epidemia, fez com que a amamentação fosse considerada um fator de risco muito alto, mas a Sociedade Italiana de Neonatologia, em acordo com a Sociedade Italiana de Pediatria, imediatamente agiu para garantir a amamentação para mulheres Covid-positivas .

Estudos têm mostrado que o leite não é um veículo de transmissão ”, continua Davanzo.

- Estou grávida de novo, tenho que parar de amamentar. Falso.

“Este é um dos clichês mais comuns. Ao contrário da crença popular, uma mãe que engravida enquanto amamenta não precisa parar.

Algumas crenças comuns que eram muito difundidas no passado, como que a amamentação durante a gravidez pode prejudicar o feto, ou que a mãe pode "falhar" porque não tem recursos nutricionais adequados, ou que o leite materno não é de boa qualidade, não são apoiado por evidências científicas.

- Não consigo fazer atividade física durante a amamentação. Falso.

“A prática de atividade física durante a amamentação não altera a composição do leite materno e não reduz a quantidade de leite produzido; pelo contrário, aumenta em 10%.

Além disso, o ácido láctico produzido pelo esporte é um metabólito que não causa nenhum dano ao bebê.

Então o exercício é bem-vindo, sem restrições esportivas, só a atividade competitiva intensiva não é recomendada porque há risco de deficiência hídrica (ou pelo menos deve ser compensada) ”, explica o médico.

- As tomografias e ressonâncias magnéticas são ruins para os bebês. Falso.

“Um dos muitos falsos mitos da amamentação diz respeito ao meio de contraste de uma dessas investigações.

Uma mulher que fez uma tomografia computadorizada ou ressonância magnética com meio de contraste às vezes é incorretamente proibida de amamentar sem qualquer base científica sólida.

Muito pouco meio de contraste é passado para o bebê e não adianta jogar fora o leite produzido nas horas que se seguem, atrapalhando o andamento natural e tranquilo da amamentação.

- Cerveja 'faz leite'. Falso.

“É uma notícia que não vai agradar a quem aprecia a caneca, mas não há evidências suficientes para apoiar esse clichê”, conclui Davanzo.

Leia também:

COVID-19 e gravidez, um novo estudo em 1,471 mulheres e recém-nascidos da Universidade da Pensilvânia

Deficiência intelectual, Conferência do Observatório Nacional do Autismo: a Itália carece de treinamento e serviços

Vírus sincicial infantil, pediatras italianos: 'ido com a Covid, mas ele voltará'

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também