Acalasia de esôfago, o tratamento é endoscópico

A acalasia de esôfago é uma doença rara do esôfago, sendo a dificuldade em engolir o sintoma característico. É uma doença rara, mas nos últimos anos o número de casos está aumentando

Muitas hipóteses foram feitas sobre as causas, mas no momento não há certezas.

O certo é que negligenciar não só o deixa doente, mas também aumenta o risco de desenvolver câncer de esôfago.

O que é acalasia esofágica?

Os pacientes com acalasia esofágica apresentam uma contração anormal da extremidade do músculo esofágico (que reveste todo o esôfago), o que torna difícil para o alimento engolido chegar ao estômago.

O que é comido se acumula no final do esôfago até que outra coisa seja ingerida, o que pressiona o alimento "preso" e o empurra em direção ao estômago.

Com o tempo, essa condição leva à dilatação do esôfago devido ao acúmulo de alimentos, o que também causa inflamação crônica.

A dificuldade de engolir é o sintoma característico, além do qual podem ocorrer regurgitação ácida, dor no peito, emagrecimento e, em casos graves, vômitos.

Como é diagnosticada a acalasia de esôfago?

Um exame gastroenterológico é necessário para o diagnóstico.

O especialista pode primeiro fazer uma gastroscopia, um exame útil para confirmar as suspeitas e descartar a possibilidade de os distúrbios serem decorrentes de uma obstrução mecânica, como um tumor no esôfago.

No entanto, a acalasia pode ser diagnosticada com certeza pela manometria, que registra a atividade pressórica do esôfago.

Também é indicada uma radiografia esofágica com meio de contraste, que mostra o grau de dilatação do esôfago.

Tratamentos Disponiveis

A terapia medicamentosa não é eficaz em pacientes com acalasia esofágica.

A melhor opção é cortar a camada muscular ao longo do esôfago, o que antes era feito apenas por cirurgia laparoscópica. Nos últimos anos, tornou-se cada vez mais comum uma técnica minimamente invasiva e sem cicatrizes chamada Poema (miotomia endoscópica transoral), em que as fibras musculares do esôfago são cortadas por meio de uma endoscopia flexível, semelhante à usada na gastroscopia.

Outra alternativa endoscópica é a dilatação do esôfago com balão, mas essa técnica apresenta maior risco de recorrência.

Esse procedimento envolve a introdução de um balão inflável pela boca, que é descido até o esfíncter esofágico inferior, onde é inflado, causando uma ruptura traumática do músculo esofágico.

Leia também:

Asma, a doença que tira o fôlego

Refluxo gastroesofágico: causas, sintomas, testes para diagnóstico e tratamento

Estratégia Global para Controle e Prevenção da Asma

Uso pediátrico: 'Asma pode ter ação' protetora contra a Covid '

Fonte:

Humanitas

você pode gostar também