ONU avisa Afeganistão: "Os estoques de alimentos estão se esgotando"

ONU sobre o Afeganistão: as Nações Unidas explicam que se a comunidade internacional não se mobilizar o país entrará em crise alimentar

A Organização das Nações Unidas (ONU) alertou sobre uma crise alimentar iminente no Afeganistão

Os estoques de alimentos do país, que também depende de ajuda internacional, devem se esgotar até o final do mês se a comunidade internacional não se mobilizar em breve para alocar novos fundos e enviar ajuda.

Ramiz Alakbarov, Representante Especial Adjunto e Coordenador Humanitário para o Afeganistão pelas Nações Unidas, disse em uma entrevista coletiva de Cabul: “É extremamente importante evitar que o Afeganistão mergulhe em outra catástrofe humanitária, tomando as medidas necessárias para fornecer o alimento essencial que este país precisa neste momento.

E isso é para fornecer alimentos, serviços de saúde e proteção e itens não alimentares para aqueles que precisam. ”

Alakbarov avisou que mais da metade de todas as crianças menores de cinco anos sofre de desnutrição aguda, enquanto um terço dos adultos não tem acesso suficiente aos alimentos.

Com a proclamação do Emirado Islâmico pelos guerrilheiros do Taleban em meados de agosto e a saída das tropas americanas há dois dias, o Afeganistão enfrenta uma nova fase de violência que também afeta sua economia.

Os preços dos produtos básicos subiram e muitas atividades pararam por causa dos confrontos e do êxodo de milhares de refugiados, tanto internos como externos.

Ameaçando a estabilidade do país está a militância do Estado Islâmico - Grupo Khorasan (Isis-K).

Ontem, Mark Milley, Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, disse que o Pentágono acredita que é “possível” coordenar-se com o Taleban para conter este movimento armado.

Leia também:

Afeganistão, Diretor-geral do CICV, Robert Mardini: 'Determinado a apoiar o povo afegão e ajudar homens, mulheres e crianças a enfrentar a situação em evolução'

Afeganistão, coordenador de emergência em Cabul: “Estamos preocupados, mas continuamos a trabalhar”

Afeganistão, milhares de refugiados hospedados pelo Centro da Cruz Vermelha na Itália

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também