MEDEVAC com helicópteros do exército italiano

Medevac do Exército Italiano: como funciona a evacuação médica em teatros operacionais

Ao contrário da guerra de guerra, que estamos acostumados a estudar nos livros de história, os cenários operacionais de hoje são caracterizados por um baixo nível de conflito, embora rastejante e insidioso.

Ao contrário da Segunda Guerra Mundial, hoje não existe o conceito de frente e retaguarda, mas existe uma condição chamada Guerra dos Três Blocos, ou seja, uma situação em que operações militares, operações policiais e atividades de apoio humanitário à população podem ocorrer simultaneamente dentro de uma nação.

Uma consequência desses conflitos ditos assimétricos, dada a desproporção qualitativa e quantitativa entre os contendores, é a dispersão das unidades militares pelo território.

A área operacional onde operam 4,000 militares italianos e os outros 2,000 sob nosso comando de várias nações operam é tão grande quanto o norte da Itália, onde operam nada menos que 100,000 membros da força policial.

Nossos militares dispersos em território afegão referem-se a uma cadeia de evacuação médica baseada essencialmente em um sistema de helicópteros e aeronaves, que visa minimizar os transtornos causados ​​pelas longas distâncias entre os locais de feridos e os locais de assistência.

Leia também: As origens do resgate por helicóptero: da guerra na Coreia até os dias atuais, a longa marcha das operações HEMS

Exército Italiano, MEDEVAC (Evacuação Médica)

É o termo técnico militar utilizado para definir uma série de ações que visam a evacuação dos feridos do campo de batalha ou, para ser mais fiel à realidade atual, da área de operações.

Este termo é freqüentemente confundido com CASEVAC (Evacuação de vítimas), ou seja, a evacuação de pessoal ferido por meios não planejados.

No atual cenário afegão, a cadeia de evacuação médica deve, pelo menos nos casos mais graves, estar ligada ao uso de veículos de asa rotativa, pois seria impensável administrar o transporte comum de pessoas traumatizadas nas estradas intransitáveis ​​do Afeganistão.

Na verdade, para além do rompimento da rede viária, deve ser tida em consideração a distância entre as Instalações de Tratamento Médico (MTF) espalhadas por toda a área de atuação.

Este é um elemento fundamental de diferença entre as intervenções médicas realizadas em território nacional e o que ocorre nas salas de operação.

No território nacional, um indivíduo pode ser liberado para o hospital de referência em minutos, enquanto no Teatro Operacional apenas a simples viagem, embora feita de helicóptero, pode levar horas.

Para fazer face a estas necessidades, o sistema de apoio à saúde baseia-se em dois componentes, um 'leigo' e outro 'médico'.

Os leigos são treinados por meio dos cursos Combat Life Saver, Military Rescuer e Combat Medics, os dois primeiros dos quais são semelhantes aos cursos simples de BLS e BTLS, enquanto o terceiro, com duração de três semanas, é realizado na Escola de Forças Especiais em Pfullendorf, Alemanha, onde especialistas em medicina de emergência militar ensinam manobras mais aprofundadas.

Com intensidade cada vez maior, estes cursos proporcionam aos fuzileiros, condutores, artilheiros e demais militares os conhecimentos necessários para poder intervir em apoio aos companheiros militares, como pré-requisito para a intervenção de pessoal especializado; o objetivo é intervir, ainda que de forma sumária, na hora de ouro.

O objetivo é intervir, ainda que de forma sumária, na hora de ouro. Na prática, a utilização desses números tem se mostrado maior do que o esperado e tem se mostrado determinante em pelo menos dois episódios verificados nos últimos dois anos.

Uma vez ativada a cadeia de evacuação médica, enquanto o leigo realiza manobras básicas de salvamento, intervém o pessoal do corpo militar de saúde ou, alternativamente, outras unidades médicas de países aliados.

Em particular, o serviço MEDEVAC realizado com unidades de asa rotativa é executado em base rotativa por diferentes nações que, na divisão de tarefas e forças no terreno, foram atribuídas a esta tarefa.

Leia também: Segurança em Medevac e Hems de profissionais de saúde com Dpi de rotina com pacientes com Covid-19

ATIVIDADE MEDEVAC COM O HELICÓPTERO DO EXÉRCITO ITALIANO

A atividade mais eficaz das missões MEDEVAC é aquela realizada com o auxílio de aeronaves dedicadas, de forma a ter uma evacuação o mais rápida possível; obviamente, para que haja uma intervenção de qualidade, é necessário que o pessoal médico tenha recebido treinamento específico em intervenção aérea e que o médico equipamento é compatível com transporte e uso em vôo.

A Aviação do Exército (AVES) tem como missão coordenar todos os recursos do Exército destinados à formação de tripulantes médicos de acordo com os Acordos de Normalização da OTAN (STANAG) e com as normas exigidas pela regulamentação nacional.

Na verdade, o Exército tinha todos os recursos necessários, mas faltava o amálgama necessário para ser definido em termos inequívocos como um serviço MEDEVAC, conforme exigido pelos padrões da OTAN.

A atividade de coordenação da Aviação do Exército teve como objetivo não só a criação de uma equipe ad hoc para atender aos requisitos afegãos ou libaneses, mas também a criação de um sistema permanente de treinamento e gerenciamento de tripulações médicas identificáveis ​​no “Pólo de Excelência MEDEVAC” criado em o Comando AVES em Viterbo.

CANDIDATOS À EQUIPE MEDEVAC

O pessoal selecionado para fazer parte da equipe MEDEVAC do Exército Italiano deve, antes de tudo, estar fisicamente apto para o serviço de vôo, o que é apurado pelo Instituto Médico Legal da Força Aérea, pois como membro da tripulação deve operar e interagir em qualquer tempo durante a missão de vôo com responsabilidades precisas.

A parte de treino de voo é efectuada no Centro Addrativo Aviazione dell'Esercito (CAAE) em Viterbo, onde foi organizado o curso “Forward MEDEVAC”, que visa tornar o pessoal médico em tripulação de voo.

Os assuntos abordados são puramente aeronáuticos, e a única parte médica visa familiarizar os alunos com os sistemas médicos específicos utilizados nas aeronaves da Aviação do Exército, bem como com as políticas de gerenciamento de pacientes com base nos recursos disponíveis e possíveis cenários de intervenção.

Os estagiários são altamente qualificados, motivados e, como sempre quando se trata de tripulantes, pessoal médico e de enfermagem voluntário, oriundos de três áreas: a “área crítica” do Policlínico Militar Célio, pessoal médico das bases da AVES e ordinários e selecionados pessoal de reserva que trabalha no setor de emergência.

A necessidade das tripulações do MEDEVAC é ter pessoal médico especializado em atividades de intervenção pré-hospitalar, característica que o pessoal médico plantonista nas bases da AVES deve alcançar por meio de treinamentos em serviço que incluem Suporte Avançado de Vida em Trauma (ATLS) e Pré-Hospital. Cursos de Suporte de Vida em Trauma (PHTLS), bem como estágios em instalações clínicas adequadas.

Os anestesistas / reanimadores da reserva são um bem valioso, pois, vindos do mundo civil, são mais bem treinados em operações de emergência do que os militares.

Além das tripulações de vôo, há também formados em tropa com o posto de Auxiliar de Saúde (ASA), figura profissional militar que recentemente vem ganhando importância técnica crescente, semelhante ao voluntário de resgate, mas potencialmente melhorando com o tempo.

Os assuntos abordados no curso incluem noções básicas de voo de helicóptero e seu uso operacional, terminologia aeronáutica, uso de sistemas de intercomunicação primários e de emergência a bordo, capacidade de carga de helicópteros da Aviação do Exército, procedimentos de embarque e desembarque, segurança de voo e prevenção de acidentes, meteorologia , sobrevivência e evasão e fuga em caso de colisão em território hostil, procedimentos de emergência, familiarização com os sistemas OVN e os equipamentos eletromédicos do STARMED® PTS (Sistema Portátil de Trauma e Suporte).

A atividade é compactada em duas semanas, então as aulas práticas às vezes acontecem continuamente até tarde da noite, especialmente as atividades noturnas de embarque e desembarque ou sobrevivência.

As semanas são divididas em uma semana teórica e uma semana prática, e é nesta última que os alunos realizam a maior parte do vôo, marcha após 'abatimento' e outras atividades em que precisam 'colocar as mãos' ao invés de estudar .

Leia também: Uma aeronave militar italiana forneceu um transporte MEDEVAC de uma freira da República Democrática do Congo para Roma

HOMENS, MEIOS E MATERIAIS NA MEDEVAC

Uma vez treinados os operadores, eles formam equipes MEDEVAC de 6 homens, divididas em duas tripulações de 3 homens, com possibilidade de remanejamento em casos de extrema necessidade.

Em condições normais, as tripulações operam até onde a carga da aeronave permite, com um médico e um enfermeiro, pelo menos um deles da área crítica, e um ASA de apoio.

Em caso de necessidade absoluta ou em caso de acidente em massa (MASSCAL), uma tripulação pode intervir mesmo subdimensionada ou subdividida para aumentar o número de aeronaves MEDEVAC.

Cada tripulação possui um conjunto duplo de equipamentos, uma mochila e um conjunto fixo baseado no sistema STARMED PTS, além de várias combinações dos dois dependendo do perfil da missão.

Emergency Live | HEMS and SAR: will medicine on air ambulance improve lifesaving missions with helicopters? image 2

A FROTA DE HELICÓPTEROS DA AVIAÇÃO DO EXÉRCITO ITALIANO

A Aviação do Exército possui a maior frota de helicópteros de todas as Forças Armadas e, por isso, a equipe MEDEVAC deve ser treinada para operar todas as máquinas disponíveis para apoio ao combate.

As máquinas mais complexas, devido ao espaço limitado disponível, são os helicópteros multifuncionais das séries AB-205 e B-12, dentro dos quais a tripulação e a maca PTS STARMED encontram lugar, mas sem muitos luxos; por outro lado, dentro do NH-90 e CH-47 existe a possibilidade de embarcar mais de uma tripulação / sistema PTS.

O sistema PTS STARMED é um sistema modular para o transporte de equipamento médico e feridos, desenvolvido em nome das Forças Armadas Alemãs, adaptável a uma gama de veículos terrestres, marítimos e aéreos, e adaptável a qualquer sistema / veículo que cumpra as normas da OTAN.

Em particular, o PTS pode ser configurado / personalizado por pessoal médico com diferentes equipamentos eletromédicos e, se necessário, pode ser carregado e descarregado em conjunto com a maca com o paciente.

A capacidade de ter equipamentos médicos ergonomicamente disponíveis a bordo de helicópteros é uma necessidade muito forte no setor militar.

Os helicópteros civis dedicados ao resgate de helicópteros possuem equipamentos específicos que os tornam adequados para a tarefa.

Infelizmente, no setor militar não é possível dedicar uma máquina a uma tarefa exclusiva por diferentes razões; em primeiro lugar, deve-se considerar que as máquinas militares são implantadas em um teatro operacional de acordo com o perfil da missão que devem realizar e de acordo com o apoio logístico disponível, em segundo lugar, de acordo com a disponibilidade de horas de voo, há necessidade de movimentação de máquinas. de um perfil de missão para outro e, finalmente, deve-se sempre levar em consideração que o helicóptero MEDEVAC pode ser danificado.

Por exemplo, é bem conhecido que o teatro de operações libanês está equipado com máquinas da série B-12; ter um MEDEVAC montado exclusivamente em outro tipo de máquina significaria duas linhas de logística.

A necessidade de um kit que pudesse ser rapidamente transferido de um helicóptero para outro levou o Escritório de Mobilidade do Departamento SME IV a identificar a maca PTS produzida pela empresa alemã STARMED e comercializada pela SAGOMEDICA, que já havia abordado o problema em nome da Bundeswehr, as Forças Armadas Alemãs.

O PTS foi considerado adequado às necessidades da Aviação do Exército de equipar rapidamente seus helicópteros dedicados à evacuação médica; na verdade, a característica mais evidente do PTS é que ele se encaixa nos suportes da OTAN para macas.

O PTS consiste em 5 partes principais:

Os principais sistemas fornecidos ao PTS escolhido pela equipe médica e adquirido pelo Exército incluem monitores desfibriladores multiparâmetros Argus, bombas Perfusor, videolaringoscópios, ventiladores de transporte Medumat de alta tecnologia, mas fáceis de usar, e ventiladores de oxigênio de 6 litros cilindros.

Alternativamente, há também uma variedade de equipamentos transportáveis ​​por mochila (incluindo um pequeno monitor multiparâmetro Propaq, um ventilador de oxigênio de emergência e todo o gerenciamento das vias aéreas e equipamentos de infusão) de tamanho mais compacto que pode ser usado em situações onde o pessoal precisa estar desembarcado e isolado do sistema PTS.

O sistema PTS possibilita auxiliar o paciente em toda a cadeia de liberação; na verdade, graças à sua modularidade, o sistema também pode ser configurado para transporte estratégico, ou seja, viagens longas.

Embora o equipamento médico escolhido tivesse garantia de uso em voo, a Aviação do Exército teve que realizar uma longa campanha de testes, visando a obtenção da certificação operacional, ou seja, total compatibilidade do equipamento médico com o equipamento de bordo para não criar interferências, eletromagnético e mecânico.

Isso também inclui testes de monitoramento / desfibrilação a bordo em vários modelos de aeronaves usando o Argus Pro Monitor / Desfibrilador, que agora é o modelo mais compacto em sua categoria, com robustez e recursos de segurança que são adequados para vôo operacional militar, mantendo todas as características técnicas necessárias.

Os testes mencionados têm implicado em maiores trabalhos para os técnicos aeronáuticos do Exército, também devido aos sofisticados equipamentos de autoproteção contra busca térmica e mísseis guiados por radar.

MÉTODOS DE INTERVENÇÃO

O sistema de limpeza dos feridos no campo de batalha é organizado em uma série de MTFs implantados na área de operações, com capacidade crescente à medida que se afasta da zona de combate. Na verdade, como a maioria dos procedimentos da OTAN, o MEDEVAC foi projetado para operar em um teatro de operações europeu convencional com partes opostas, o que não é exatamente adequado para o teatro afegão.

Quando uma patrulha terrestre é atacada e sofre baixas, uma mensagem de 9 linhas é enviada, codificando nove informações importantes para organizar as operações de resgate.

Ao mesmo tempo, os Combat Lifesavers iniciam manobras para salvar vidas no soldado atingido e o prepara para o resgate pela equipe Forward MEDEVAC.

No heliporto, helicópteros de escolta armada e dois helicópteros de compensação se preparam para intervir.

Os helicópteros A-129 são os primeiros a chegar ao local do tiroteio, tentando eliminar a fonte inimiga com tiros de canhão de 20 mm; uma vez protegida a área, intervêm os helicópteros MEDEVAC, um dos quais é a plataforma principal e o outro atua como reserva ou para limpar feridos ambulantes, entre os quais podem estar soldados que sofrem de stress pós-traumático.

Se houver resistência particular do adversário, os gigantescos transportes CH-47 também intervêm, cada um carregando 30 soldados que podem desembarcar para reforçar a unidade terrestre.

Pode parecer estranho que seis helicópteros e 80 pilotos e soldados estejam envolvidos em uma operação médica, mas esta é a realidade no Afeganistão.

Neste ponto, a pessoa ferida viaja para trás em direção ao ponto de coleta de vítimas, ROLE 1, que é o primeiro elo na cadeia de liberação e, se não for considerado adequado para tratar a pessoa ferida, ele é movido para o próximo MTF, ROLE 2, que tem capacidade de reanimação e cirurgia, e por último ao ROLE 3, onde são realizadas operações de particular complexidade que requerem uma verdadeira estrutura hospitalar.

Infelizmente, a realidade dos teatros operacionais de hoje não envolve uma implantação linear com mobilidade de sistemas da frente para a retaguarda, mas, por outro lado, uma colcha de retalhos dispersa de FOBs, pontos de verificação e patrulhas que se movem continuamente por território impermeável, que em parte anula o conceito ROLE.

O sistema US Forward Surgical Team visa mover a experiência em ressuscitação e cirurgia de ROLE 2 para ROLE 1, a fim de encurtar a cadeia de liberação e intervir cada vez mais na hora de ouro.

O sistema Forward MEDEVAC do Exército italiano consiste em um sistema pré-posicionado de meios aéreos em uma área onde se acredita que forças amigas possam entrar em contato com o adversário ou onde haja suspeita de atividade hostil contra o contingente.

O pré-posicionamento dos veículos de resgate permite deslocar os pacientes diretamente para o MTF mais adequado para o tratamento das feridas recebidas.

Nem é preciso dizer que a vasta área de responsabilidade, as longas distâncias de vôo para chegar a uma possível vítima, a complexidade do cenário (que pode não permitir uma estabilização em uma área segura por muito tempo e em espaços amplos), as distâncias a estar coberto para atingir o MTF mais adequado para o tratamento do paciente e a alta tecnologia do equipamento disponível, requer uma habilidade incomum para a tripulação médica empregada no Forward MEDEVAC do Exército Italiano.

Outros usos de helicópteros MEDEVAC podem incluir posicionamento baricêntrico para intervir em todo o teatro de operações, mas com escalas de tempo mais longas, que é definido como MEDEVAC Tático, enquanto o envio do paciente para casa com aeronave de asa fixa é definido como STRATEVAC (Evacuação Estratégica), como Falcon ou Airbus.

MEDEVAC DO EXÉRCITO ITALIANO, CONCLUSÕES

O Exército são as Forças Armadas que, em missões no exterior, pagaram, e estão pagando, o maior pedágio em vidas humanas e feridos; de fato, a atividade específica de contra-insurgência e todos os aspectos relacionados, como remoção de minas e atividades CIMIC, oferecem uma exposição excessiva do pessoal ao risco de ferimentos.

Neste sentido, o Exército Italiano quis enquadrar a equipa MEDEVAC da forma mais completa e avançada possível, tanto em termos de materiais como em termos de competências e procedimentos.

Para tal, a equipa Forward MEDEVAC do Exército Italiano, com base em aeronaves AVES, é o epítome do que há de melhor, não só nas Forças Armadas, mas também no contexto nacional.

O equipamento médico combinado com plataformas voadoras de excepcional alto desempenho fornecem ao pessoal médico altamente qualificado um dispositivo que é difícil de encontrar em outros países.

Os veículos de asa rotativa revelaram-se fundamentais em todas as formas de actividade do contingente ISAF, quer de carácter distintamente militar, quer de apoio puramente logístico à população, pelo que foi impossível deixar de refinar materiais, homens, meios e procedimentos para atingir o melhor também no campo do apoio médico às operações militares.

Atualmente, a equipe MEDEVAC opera com as aeronaves do Batalhão de Aviação Italiano como back-up do dispositivo médico aerotransportado espanhol em apoio às operações do Comando Regional Oeste (RC-W) em Herat.

Leia também:

Mulher migrante positiva COVID-19 dá à luz no helicóptero durante uma operação MEDEVAC

FONTE:

Site oficial do Exército Italiano

você pode gostar também