No Brasil, importação e uso da vacina Sputnik V são recusados

Na segunda-feira (26), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária do Brasil (Anvisa) negou a importação e uso do imunizante contra Covid-19 produzido na Rússia pelo Instituto Gamaleya, conhecido como Sputnik V

A autoridade sanitária alegou não ter recebido laudo técnico satisfatório e classificou a situação atual da vacina Sputnik V no Brasil como um “mar de incertezas”

“Não são informações burocráticas. O que a agência vem exigindo é o mínimo para garantir a segurança da população ”, disse Meiruze Freitas, diretora da Anvisa, ao votar contra a importação e uso.

O Sputnik V foi a primeira vacina contra a Covid-19 a ser registrada no mundo e, até o momento, teve seu uso emergencial aprovado em 62 países, segundo levantamento do The New York Times.

A Anvisa declara, porém, que a maioria dos países que autorizaram a aplicação da vacina não tem tradição na análise de medicamentos e, além disso, a vacinação ainda não foi iniciada em 23 desses países com contrato.

No Brasil, o governo federal e o consórcio formado pelos nove estados das regiões Norte e Nordeste, já negociaram doses da vacina russa Sputnik V

Se concedida, a liberação pela Anvisa permitiria que 66 milhões de doses já adquiridas pelos governos fossem enviadas ao Brasil.

Desse total, 37 milhões devem ser distribuídos para a população do Nordeste.

Este é o segundo pedido excepcional de importação de vacinas contra a Covid negado pela agência.

Antes do Sputnik, o pedido do Ministério da Saúde para a vacina indiana Covaxin também não recebeu aprovação, alegando falta de dados mínimos.

A decisão pode atrasar ainda mais o plano de vacinação no país, ainda que os laboratórios possam apresentar nova documentação e solicitação de uso emergencial.

Leia também:

Covid, a variante brasileira é assustadora: apenas 7 países entre 241 não se protegem

Rússia registra fórmula de vacina de dose única para Sputnik Light

Covid, Pediatra: 'Paralysis And Mutism In Children, They Somatise Disconfort'

Instituto Butantan desenvolve ButanVac, a primeira vacina 100% brasileira contra Covid-19

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também