Síndrome de Notre-Dame de Paris se espalhando especialmente entre turistas japoneses

A síndrome de Paris, também conhecida como síndrome de Notre Dame, afeta principalmente turistas japoneses com sintomas semelhantes aos da síndrome de Stendhal

Esta é uma condição psicossomática rara que afeta particularmente os turistas japoneses que visitam a capital francesa.

Não é uma síndrome indexada no DSM.

A síndrome de Paris foi identificada em 1986 por um psiquiatra chamado Hiroaki Ota enquanto trabalhava na França

Embora sofrendo, principalmente em pessoas de origem japonesa ou asiática, também pode ocorrer em viajantes de outras partes do mundo, principalmente aqueles cuja cultura é muito diferente da de Paris.

Na maioria das vezes, as pessoas que sofrem da Síndrome de Paris são mulheres com mais de 30 anos.

Pesquisas realizadas por psiquiatras do Hôtel-Dieu, e em particular pelo psiquiatra Youcef Mahmoudia, sugerem que turistas com essa síndrome, cujos sintomas são semelhantes aos da síndrome de Stendhal, experimentam um desconforto decorrente da diferença entre a visão idealizada de a capital francesa que desenvolveram em casa, uma idealização construída pela televisão e pelo cinema, e a visão concreta de que tomaram consciência durante a estada na cidade.

A causa está no desconforto decorrente da diferença entre a Paris idealizada e a visão real da capital durante sua estada (metrô lotado, caos, ruas sujas, habitantes nada elegantes e educados).

SÍNDROME DE PARIS, OS SINTOMAS

Os efeitos dessa disparidade entre a cidade idealizada e a cidade real se manifestam em um transtorno que, conforme o caso, vai desde tontura a sensação de decepção, passando por estados de ansiedade, suores frios, alucinações, depressão e mania de perseguição, irritabilidade , a possibilidade de parada cardíaca e mania de perseguição.

O impacto do choque cultural é tal que eles ficam traumatizados e até precisam de assistência médica.

AS CAUSAS DA SÍNDROME DE PARIS

A principal causa desta desordem, como já foi referido, é a idealização ou excessiva admiração pela cidade de Paris e o consequente fracasso em cumprir as expectativas em relação a ela.

Além disso, pode haver vários outros fatores, incluindo diferenças culturais, idioma, fadiga e dificuldades específicas de adaptação a situações novas e inesperadas.

Esses aspectos podem afetar radicalmente a experiência de quem faz uma viagem a Paris (mas não só) e podem levar ao aparecimento da doença.

DADOS

Desordem que, como dissemos, afeta predominantemente os orientais, principalmente os japoneses.

De acordo com um artigo intitulado 'Les Japonais en voyage pathologique à Paris: um modèle original de prise en charge transculturelle', 63 turistas japoneses foram afetados pela doença entre 1988 e 2004. Homens e mulheres de todas as idades, especialmente entre 20 e 65

Embora o percentual não seja particularmente alto, está presente e constante, tanto que tem alarmado as autoridades.

A embaixada do Japão em Paris até montou uma linha telefônica 24 horas para fornecer apoio psicológico às pessoas afetadas.

Em quase todos os casos, o único remédio possível para o retorno à normalidade parece ser o retorno imediato para casa.

Algo semelhante pode acontecer com outras cidades importantes e famosas.

O exemplo que mais se assemelha ao que aconteceu em Paris é Nova York, já que no cinema vemos a ponte do Brooklyn, o Central Park e as ruas nevadas no Natal, mas quando chegamos, outra realidade nos acolhe.

Artigo escrito pela Dra. Letizia Ciabattoni

Leia também:

A Síndrome de Florence, mais conhecida como Síndrome de Stendhal

Síndrome de Estocolmo: quando a vítima fica do lado do perpetrador

Efeitos placebo e nocebo: quando a mente influencia os efeitos das drogas

Síndrome de Jerusalém: quem afeta e em que consiste

Fonte:

Philippe Adam, Le Syndrome de Paris, Inventar / Invention, 2005

  1. Viala; H. Ota; MN Vacheron: P. Martin: F. Caroli, Les japonais en voyage pathologique à Paris: un modèle original de prise en charge transculturelle, in Nervure de journal Psychiatrie, n. 5, 2004, pp. 31-34.

Harumi Befu; Sylvie Guichard-Anguis, Globalizing Japan: Ethnography of the Japanese Presence in Asia, Europe and America, Routledge, 2001.

https://www.ilpost.it/2020/11/13/lo-snobismo-di-parigi-non-e-un-cliche/

https://thepassenger.iperborea.com/titoli/parigi/

você pode gostar também