Úlcera péptica, geralmente causada por Helicobacter pylori

A úlcera péptica é uma lesão no revestimento do estômago ou duodeno, a primeira parte do intestino delgado

É a forma mais comum de úlcera, cuja presença costuma estar associada ao Helicobacter pylori, um germe responsável pela inflamação do estômago.

As úlceras pépticas são a forma mais comum de úlcera, as úlceras duodenais podem afetar os idosos e as úlceras gástricas afetam os idosos.

Quais são as causas das úlceras pépticas?

A descoberta do Helicobacter pylori na década de 1980 foi fundamental para um melhor entendimento dessa doença.

É esse germe o principal responsável pelas úlceras pépticas; sua presença também está ligada a gastrite e câncer de estômago.

Estima-se que 70% das úlceras gástricas estejam ligadas à presença dessa bactéria e que mais de 90% das úlceras duodenais sejam decorrentes da infecção por essa bactéria.

Por outro lado, 5% das úlceras duodenais e 15-20% das úlceras gástricas são devidas à ingestão regular de anti-inflamatórios não esteroides.

A síndrome de Zollinger-Ellison, caracterizada pela produção excessiva de ácido estomacal, também é uma causa, embora esses casos sejam mais raros.

Quais são os sintomas de uma úlcera péptica?

Dor e sensação de queimação entre o esterno e o umbigo são os principais sintomas das úlceras pépticas.

No caso de uma úlcera duodenal, os sintomas podem ocorrer mesmo com o estômago vazio, ao passo que, se a lesão for no estômago, eles geralmente ocorrem após as refeições.

A duração dos sintomas pode variar de alguns minutos a várias horas, e o desconforto também pode estar presente durante a noite.

A dor pode ser acompanhada por outros sintomas, os típicos da dispepsia, nomeadamente dificuldade em digerir, náuseas e saciedade precoce; vômitos, perda de apetite, perda de peso, anemia devido a hemorragia interna obviamente não tratada e a presença de sangue oculto nas fezes são menos frequentes.

Diagnóstico de úlceras

Para diagnosticar uma úlcera, é necessário verificar se há uma infecção.

Para verificar a presença ou ausência da bactéria, o paciente é submetido a testes sorológicos ou teste respiratório ou exame de fezes.

A gastroscopia, por outro lado, só é útil em alguns casos especiais.

A endoscopia, com a análise de fragmentos da membrana mucosa do estômago ou intestino, é considerada a melhor ferramenta para o diagnóstico de úlcera.

Úlcera péptica: terapia medicamentosa

A terapia antibiótica é necessária para eliminar o Helicobacter pylori.

Outros medicamentos que podem ser úteis incluem inibidores da secreção de ácido gástrico, inibidores da bomba de prótons e protetores da mucosa gástrica.

Os medicamentos que bloqueiam a produção de ácido reduzem sua liberação no trato digestivo, promovendo a cicatrização da úlcera, enquanto os antiácidos, como os inibidores da bomba de prótons, podem aliviar os sintomas, reduzindo a dor de estômago.

O papel da dieta e do estilo de vida

Durante a terapia, é aconselhável fazer uma alimentação saudável, rica em frutas e vegetais (como maçãs, cenouras, vegetais de folhas verdes), leguminosas, peixes, carnes brancas e grãos inteiros; iogurte com probióticos e queijos maduros são preferíveis ao leite, o que aumenta a secreção de ácido. Cuidado com pratos muito saborosos, temperados ou picantes, picantes ou ricos em gorduras, que podem tornar as dores mais intensas e retardar os processos digestivos.

Pare de fumar, limite o consumo de café e evite o álcool.

Os fumantes têm maior risco de desenvolver úlcera péptica ou de recorrência.

Também é importante não comer antes de dormir e tentar limitar, tanto quanto possível, o impacto de atividades estressantes em sua vida após o diagnóstico.

Não há evidências de que a ansiedade e o estresse sejam a causa desse transtorno, mas o estresse pode piorar os sintomas.

Leia também:

Helicobacter Pylori: como reconhecer e tratá-lo

Síndrome do intestino irritável (SII): uma condição benigna para manter sob controle

Refluxo gastroesofágico: causas, sintomas, testes para diagnóstico e tratamento

Colite ulcerativa: estudo de fase III mostra a eficácia do medicamento experimental Ozanimod

Fonte:

Humanitas

você pode gostar também