O que é insônia? Sintomas, causas e efeitos de um distúrbio generalizado

A insônia é caracterizada pela incapacidade de obter uma quantidade suficiente de sono para se sentir descansado. Pode ser devido à dificuldade em adormecer ou permanecer dormindo. Também pode resultar em acordar mais cedo do que o desejado

O sono é frequentemente relatado como sendo de má qualidade crônica e leve e não revigorante.

Como resultado disso, as pessoas com insônia sofrem de sintomas diurnos como falta de atenção, irritabilidade e energia reduzida.

Felizmente, existem opções de tratamento eficazes para a insônia, desde o uso temporário de pílulas para dormir até a terapia cognitivo-comportamental.

Sintomas de insônia

Com insônia, as dificuldades para dormir ocorrem pelo menos três noites por semana por mais de três meses.1

A insônia afeta negativamente o funcionamento diurno, levando a um ou mais dos seguintes sintomas:

  • Fadiga ou sonolência diurna
  • Mal-estar (sentir-se mal)
  • Falta de atenção ou concentração
  • Desempenho prejudicado (erros, acidentes)
  • Energia ou motivação reduzida
  • Problemas comportamentais (ou seja, hiperatividade, impulsividade, agressão)
  • Incapacidade de cochilar
  • Dor de cabeça, dor de estômago e queixas de dor crônica

Além dos sintomas diurnos acima, os transtornos de humor, como ansiedade ou depressão, são comumente associados à insônia.

A depressão pode estar associada ao despertar matinal e à dificuldade em voltar a dormir.

A ansiedade pode deixar sua mente zumbindo à noite, com preocupações tomando conta de você enquanto você tenta dormir.

Quando o sono se torna difícil de obter, isso pode alimentar o fogo da ansiedade, piorando as coisas e alimentando um ciclo vicioso.

Além disso, a insônia pode afetar os níveis de serotonina e a função do lobo frontal do cérebro.

O lobo frontal é responsável por várias funções executivas, que são fundamentais para fazer escolhas racionais e interações sociais adequadas.

A deficiência pode ser tão significativa que a capacidade de suprimir pensamentos suicidas, ou mesmo o impulso direto de se matar, pode ser perdida.

Estudos sugerem que o risco de suicídio pode dobrar entre aqueles com esse transtorno.

Causas de insônia

A compreensão dos especialistas sobre a causa da insônia está enraizada em três fatores: predisposição, provocação e perpetuação.

Predisposição

Todo mundo tem o potencial de desenvolver o tipo de dificuldade para dormir que caracteriza a insônia.

Isso é chamado de predisposição ou limiar. O limiar para o desenvolvimento de insônia varia para cada pessoa.

Acredite ou não, existem pessoas que raramente ou nunca desenvolvem problemas para dormir à noite.

Por outro lado, algumas pessoas podem ter azar e estão simplesmente predispostas a ter insônia.

Isso provavelmente está relacionado a fatores genéticos (a insônia geralmente ocorre em famílias), idade, sexo (a insônia ocorre mais frequentemente em mulheres), uso de substâncias e outras condições médicas e psiquiátricas (por exemplo, depressão, ansiedade ou distúrbios de dor crônica, como enxaqueca ou fibromialgia).

A insônia também pode ser atribuída a um aumento do sinal de alerta.

Isso se relaciona com o sistema nervoso simpático, que é responsável pela resposta de “luta ou fuga”.

Algumas pessoas podem ter um impulso simpático aumentado, o que significa que estão preparadas para responder a uma ameaça externa.

Este sinal pode mantê-lo acordado durante o dia, mas também mantém as pessoas com insônia à noite.

Alguns descreveram isso como “cansado, mas conectado”.

Provocação

Mesmo que você tenha uma predisposição para a insônia, ela precisa ser desencadeada.

Esses gatilhos são chamados de fatores precipitantes ou provocativos.

Exemplos de tais fatores incluem:

  • Beber álcool, cafeína ou fumar um cigarro antes de dormir
  • Televisão ou animais de estimação no quarto
  • Viagem (causando jet lag)
  • Trabalho por turnos
  • Estresse de um emprego perdido, problemas financeiros, divórcio ou morte de um amigo próximo ou membro da família
  • Responsabilidades noturnas, como alimentação infantil

Tenha em mente que, normalmente, quando a causa é removida, a insônia diminui.

No entanto, também pode ser perpetuado por alterações que você faz.

Perpetuação

Os componentes finais que transformam uma dificuldade passageira para dormir em insônia crônica são chamados de fatores perpetuantes.

Esses fatores podem ser melhor compreendidos considerando um exemplo.

Vamos imaginar que você fica acordado várias horas no meio da noite, uma ocorrência comum na insônia.

Você reconhece que precisa de oito horas de sono e, ficando acordado, está cortando esse tempo.

Você decide ir para a cama duas horas mais cedo para compensar.

Isso pode ajudar alguns, mas agora que você está indo para a cama mais cedo, está demorando mais para adormecer.

À medida que você fica mais acordado durante a noite, sua frustração aumenta e você agrava sua insônia inicial.

No final, há uma variedade de opções que podem perpetuar sua insônia.

Algumas pessoas optam por limitar suas atividades diurnas por causa da sonolência.

Essa evasão pode reduzir sua atividade física.

Como você não está se exercitando, pode ficar menos cansado e incapaz de dormir.

Como alternativa, você pode começar a trabalhar no computador na cama para aproveitar ao máximo o tempo que passa acordado.

A luz do seu computador e a atividade podem piorar sua capacidade de dormir.

Você também pode começar a cochilar durante o dia para descansar um pouco, o que pode prejudicar seu impulso de sono e a capacidade de dormir à noite.

A existência de fatores perpetuantes prolonga sua batalha contra a insônia.

Diagnóstico de insônia

A insônia geralmente é diagnosticada com base apenas em uma história cuidadosa.

Em alguns casos, um registro do sono, teste de latência múltipla do sono, actigrafia sono-vigília ou um estudo do sono (polissonografia) podem fornecer evidências corroborativas ou ser usados ​​para descartar outras condições do sono, como distúrbio do ritmo circadiano ou apnéia do sono.

foliar

Se a insônia resultar em interrupção da função diurna, especialmente se persistir cronicamente, pode ser necessário tratamento.

Aqui estão algumas intervenções importantes que os profissionais de saúde, especialmente os especialistas em sono, usam para tratar a insônia.

Lidando com seus gatilhos

Os gatilhos de insônia de muitas pessoas se resolvem por conta própria.

Por exemplo, uma noite mal dormida antes de um exame escolar desaparecerá assim que o teste terminar.

Outros gatilhos podem ser aliviados assim que forem devidamente identificados e abordados.

Por exemplo, eliminar a cafeína da tarde, evitar o álcool como uma “bebida noturna” e remover dispositivos tecnológicos ou distúrbios em seu ambiente de sono podem ser suficientes para que você consiga dormir de qualidade.

Se você sofre de insônia crônica, pode ser necessário procurar ajuda profissional. Pode ser muito benéfico abordar as crenças, pensamentos e sentimentos que cercam sua insônia com um tratamento chamado terapia cognitivo-comportamental para insônia (CBTI).2

Com o CBTI, um psicólogo especialmente treinado o ajudará a identificar seus gatilhos exclusivos e, em seguida, a desarmá-los.

Por exemplo:

  • Se você não consegue adormecer porque mudou sua hora de dormir, a restrição do sono – onde você limita seu tempo na cama e evita cochilos diários – pode ser a recomendação.
  • Se você fica acordado à noite e não consegue dormir, o controle de estímulos pode ser útil.
  • Se sua mente dispara quando você se deita, você pode se beneficiar observando um zona de amortecimento antes de dormir ou agendar horas de preocupação durante o dia.

Por fim, se a sua insônia for devido a um gatilho de longo prazo (por exemplo, trabalho por turnos ou jet lag de viagens frequentes), converse com seu médico sobre as intervenções que visam especificamente esse gatilho.

Tomando remedio

Existem muitos medicamentos que podem ser eficazes a curto prazo no tratamento da insônia.3

Duas classes principais incluem medicamentos benzodiazepínicos e não benzodiazepínicos.

Alguns desses medicamentos prescritos e de venda livre incluem:

  • Ambien (zolpidem)
  • melatonina
  • Rozerem (ramelteon)
  • Silenor (doxepina)
  • Desyrel (trazodona)
  • ProSom (estazolam)
  • Restoril (temazepam)

A razão pela qual os medicamentos acima devem ser usados ​​apenas a curto prazo e não a longo prazo é que as pílulas para dormir podem causar algo chamado taquifilaxia.

Com esse fenômeno, a medicação torna-se menos eficaz, sendo necessárias doses maiores para o mesmo efeito.

Por fim, a medicação para de funcionar e, quando descontinuada, ocorre a insônia de rebote.

Gerenciando condições coexistentes

Também é muito importante abordar quaisquer problemas crônicos que possam estar contribuindo ou associados à sua insônia, como um transtorno de humor subjacente (por exemplo, depressão, ansiedade ou transtorno de estresse pós-traumático) ou outro distúrbio do sono (por exemplo, apneia do sono ou síndrome das pernas inquietas).4

Converse com seu médico sobre quaisquer sintomas que você possa estar enfrentando que não possam ser explicados por um diagnóstico que já tenha recebido e trabalhe com ele para ajustar quaisquer planos de tratamento que você esteja seguindo e que precisem de ajustes para ajudá-lo a se sentir melhor melhor.

Considere uma terapia complementar

Algumas pessoas também acham várias terapias complementares úteis para tratar a insônia, como:

  • Terapia de relaxamento e biofeedback
  • Terapia autogênica
  • Aromaterapia
  • hipnose
  • Yoga
  • Relaxamento muscular progressivo

Referências:

  1. Maness DL, Khan M. Manejo não farmacológico da insônia crônicaMédico Am Fam. 2015;92(12):1058-1064.
  2. Markwald RR, Iftikhar I, Youngstedt SD. Estratégias comportamentais, incluindo exercícios, para lidar com a insôniaACSMs Saúde Fit J. 2018;22(2):23–29. doi:10.1249/FIT.0000000000000375
  3. Sateia MJ, Buysse DJ, Krystal AD, Neubauer DN, Heald JL. Diretrizes de prática clínica para o tratamento farmacológico da insônia crônica em adultos: uma diretriz de prática clínica da Academia Americana de Medicina do SonoJ Clin Sleep Med. 2017;13(2):307–349. doi:10.5664/jcsm.6470
  4. McCall WV. A ligação entre suicídio e insônia: mecanismos teóricosCurr Psiquiatria Rep. 2013;15(9):389. doi:10.1007/s11920-013-0389-9

Leitura adicional

  • Academia Americana de Medicina do Sono. Classificação Internacional de Distúrbios do Sono, 3ª ed. Darien, IL: Academia Americana de Medicina do Sono, 2014.
  • Kryger, MH et al. "Princípios e prática da medicina do sono." ExpertConsult, 6ª edição, 2016.
  • Spielman AJ, Caruso LS, Glovinsky PB. Uma perspectiva comportamental no tratamento da insôniaPsychiatr Clin North Am. 1987;10(4):541-553.

Leia também:

Emergency Live Even More ... Live: Baixe o novo aplicativo gratuito do seu jornal para iOS e Android

Apneia obstrutiva do sono: o que é e como tratá-la

Ranger os dentes enquanto dorme: sintomas e remédios para o bruxismo

Longo Covid e insônia: 'Distúrbios do sono e fadiga após infecção'

Distúrbios do sono: os sinais que não devem ser subestimados

Sonambulismo: o que é, quais os sintomas e como tratá-lo

Quais são as causas do sonambulismo?

Fonte:

Muito Bem Saúde

você pode gostar também