OMS, primeiro livro azul sobre câncer pediátrico publicado

Câncer pediátrico: a Organização Mundial de Saúde publica a primeira classificação específica para neoplasias infantis, na qual o Hospital da Santa Sé esteve envolvido

Os tumores pediátricos diferem substancialmente dos tumores adultos em termos de tipo, causas e abordagens terapêuticas

Por isso, a primeira classificação de tumores pediátricos desenvolvida pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), expressão da Organização Mundial da Saúde (OMS), é tão importante.

Participou da publicação a Unidade de Anatomia Patológica do Hospital Infantil Bambino Gesù, juntamente com várias instituições da Europa e dos Estados Unidos.

Uma classificação com foco pediátrico é essencial para identificar as melhores opções de tratamento com base em um diagnóstico mais preciso e preciso.

Cancer Discovery, o jornal da American Association for Cancer Research, em um artigo publicado em 17 de dezembro, mostra os resultados do trabalho de classificação de mais de um ano.

SAÚDE DA CRIANÇA: SAIBA MAIS SOBRE MEDICHILD VISITANDO O ESTANDE NA EXPO DE EMERGÊNCIA

OS LIVROS AZUIS DA OMS

O primeiro passo para tratar e depois curar o câncer é identificar o tipo preciso de tumor que afeta o paciente.

Desde 1956, a Organização Mundial da Saúde promove a publicação da Classificação de Tumores, mais comumente conhecida como 'livros azuis'.

Os livros oferecem a classificação mais atualizada de tumores para cada sistema de órgãos (por exemplo, tumores do trato gastrointestinal).

Os cânceres pediátricos, até agora, eram combinados com os cânceres adultos no tratamento de órgãos específicos

A primeira Classificação de Câncer Pediátrico da OMS, que estará disponível online a partir de janeiro de 2022 como parte da quinta edição da Classificação Geral, é uma exceção, porque não se limita a um sistema orgânico, mas oferece um compêndio específico de todos os cânceres que pode ocorrer na infância e na adolescência.

“Uma perspectiva geral”, diz Rita Alaggio, chefe de Anatomia Patológica do Bambino Gesù e uma das cinco especialistas do Grupo de Coordenação Editorial Internacional que editou a classificação, “deve considerar um tumor infantil não apenas como uma doença de um órgão, mas como uma doença de um órgão no contexto de um organismo em desenvolvimento.

Os médicos de Anatomia Patológica, em estreita colaboração com os seus colegas da Área de Oncohematologia do Bambino Gesù, editaram, em particular, a classificação dos tumores hematolinfóides (leucemias e linfomas) e tumores dos tecidos moles.

A ESPECIFICIDADE DOS TUMORES PEDIÁTRICOS

Em adultos, os tumores malignos são o resultado de um processo progressivo de alteração genética.

Conforme as células se replicam, elas cometem “erros” que são influenciados por fatores ambientais, hábitos pessoais e, para alguns pacientes, predisposição genética.

A maioria dos cânceres pediátricos, por outro lado, é causada por um evento genético único, esporádico e, na maioria dos casos, não hereditário, que ocorre durante o desenvolvimento embrionário.

Isso causa o desenvolvimento interrompido e a proliferação celular descontrolada.

Apenas cerca de 10% dos casos estão associados a síndromes hereditárias de predisposição ao câncer.

O livro azul pediátrico contém uma classificação das síndromes de predisposição ao câncer e identifica os desafios associados ao diagnóstico e tratamento.

UMA NOVA ABORDAGEM DE DIAGNÓSTICO

O livro azul pediátrico reflete a transição de uma abordagem diagnóstica tradicional, baseada exclusivamente no exame histológico microscópico, para o uso de novas tecnologias de diagnóstico molecular baseadas na genética do tumor, que revolucionaram os critérios de classificação.

“Uma abordagem diagnóstica integrada entre análise histológica e molecular - explica Alaggio - é um passo fundamental para as terapias personalizadas para o tratamento de tumores e representa um campo em que o Bambino Gesù está na vanguarda”.

DOENÇAS RARAS? VISITE A UNIAMO - FEDERAÇÃO ITALIANA PARA DOENÇAS RARAS ESTANDE NA EXPO DE EMERGÊNCIA

PERSPECTIVAS E LIMITAÇÕES NA CLASSIFICAÇÃO DO CÂNCER PEDIÁTRICO

A nova classificação de tumores infantis da OMS fornece uma estrutura atualizada e altamente favorável para a prática de diagnóstico anatomopatológico de tumores pediátricos em todo o mundo.

“É importante”, destaca Alaggio, “para o reconhecimento das peculiaridades no diagnóstico e tratamento dos tumores pediátricos.

Espera-se que incentive, entre outras coisas, a formação de patologistas anatômicos pediátricos, especialização que hoje existe apenas em alguns países ”.

O advento de novas tecnologias teve um impacto profundo no papel do anatomopatologista no diagnóstico do câncer.

Um diagnóstico que integre os aspectos microscópicos do tumor aos moleculares, fornecendo indicadores prognósticos e preditivos de resposta à terapia, 'é fundamental para poupar a criança em tratamento dos efeitos colaterais do tratamento e aumentar a qualidade de sua vida futura'.

Atenção especial foi dada no livro azul pediátrico à usabilidade da classificação por países de baixa renda e, portanto, com poucos recursos, fornecendo critérios diagnósticos básicos, independentemente do uso de métodos moleculares de alto custo.

No entanto, ainda é desejável, acrescenta Alaggio, “que testes moleculares acessíveis e redes de apoio sejam desenvolvidos no futuro para garantir que esses países também recebam diagnósticos baseados em critérios imparciais e reprodutíveis, com um aumento na precisão diagnóstica”.

A verdadeira limitação do estudo da OMS é que, como todas as classificações, ele só pode fornecer um instantâneo atualizado que reflita o conhecimento atual.

“Por isso”, explica Alaggio, “a OMS implementou mecanismos para atualizar aspectos específicos das classificações entre as diferentes edições.

Além disso, a OMS “terá todas as classificações de câncer em formato online, onde também poderão ser atualizadas em tempo real”.

Leia também:

Cistos ósseos em crianças, o primeiro sinal pode ser uma fratura "patológica"

Quimioterapia intraperitoneal: eficácia para certos cânceres intestinais e ginecológicos

Cânceres infantis, uma nova abordagem terapêutica sem quimio para neuroblastoma e medullo blastoma infantil

Fonte:

Ospedale Bambino Gesù

você pode gostar também