Relato de caso: um caso de síndrome de Guillain-Barré pós-COVID-19

No Minerva Medica, o Jornal Italiano de Medicina de Emergência publicou um interessante relato de caso sobre a síndrome de Guillain-Barré pós-COVID-19 em uma mulher caucasiana no início da pandemia.

O seguinte relato de caso sobre síndrome de Guillain-Barré pós-COVID-19 foi relatado por Giorgio Cortassa, Stefania Bottone pelo Departamento de Emergência, Hospital Santa Corona, Pietra Ligure, Savona (Itália), e Mario Nebiolo (médico particular, Pietra Ligure, Savona, Itália) na Minerva Medical Edizioni.

Caso de Síndrome de Guillain-Barré pós-COVID-19: o paciente

Uma mulher caucasiana de 63 anos apresentou-se no Santa Corona ED em 28 de março de 2020 com uma história de astenia e febre remitente até 39 ° C nas últimas duas semanas, além de aumentar Shortness de respiração. Ela não tinha comorbidade e já havia começado hidroxicloroquina 400 mg / dia e claritromicina 500 mg / dia nos últimos cinco dias sob prescrição de médico externo. Na admissão, o paciente estava claramente doente, taquipneico e febril.

Como relata o jornal: P / F era 273 no ar ambiente. Uma radiografia de tórax mostrou consolidação intersticial na base da direita pulmão. A contagem de células sanguíneas estava normal. Os dados principais do laboratório na admissão foram a concentração plasmática de Na + abaixo do limite inferior (Na + 133 mmol / L; faixa normal: 136-146 mmol / L), fibrinogênio alto (523 mg / dL; faixa normal 200-400 mg / dL) e dímero D alto (1483 µg / L; limite de 500 µg / L). o swab nasofaríngeo resultou em positivo para COVID-19 enquanto ambos anti-COVID-19 IgM e IgG foram negativos. O paciente foi internado no hospital COVID-19 de Santa Maria Misericórdia em Albenga (Savona, Itália), recebendo tratamento com hidroxicloroquina 400 mg / dia e fondaparinux 2.5 mg / dia mais suporte respiratório com Máscara de Venturi em FiO2 0.5.

Após satisfatória recuperação, obteve alta hospitalar, com indicação de manutenção da referida terapia em casa por um total de 15 dias. Dois dias após a alta, o paciente começou a sentir uma redução progressiva e crescente da força e da sensibilidade, primeiro nos pés e depois nas pernas. Seguindo a sugestão, ela voltou ao Santa Departamento de Emergência Corona com icapacidade de andar com hipossensibilidade e hiporreflexia em ambos os pés e pernas.

ABAIXO DO ARTIGO COMPLETO SOBRE O RELATÓRIO DE CASO DA SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRE 'PÓS-COVID-19

um caso de síndrome de Guillain-Barré pós-COVID-19

Comentários estão fechados.