Ela descobre que tem um tumor raro durante a gravidez: mãe e bebê salvos por especialistas do Policlinico di Milano

Mulher descobre que tem um tumor raro durante a gravidez: uma história com final feliz no Policlinico de Milão

Do sofrimento à alegria, a alegria única do nascimento de um filho.

Uma felicidade ainda maior porque veio depois do risco de não poder parir sua pequena Nicola.

No meio da gravidez, sua mãe descobriu que ela tinha um tumor raro e potencialmente letal, para ela e seu bebê

E, no entanto, graças aos especialistas do Policlinico di Milano, não só o tumor foi removido, mas um final feliz foi alcançado: Laura está agora em casa, amamentando seu bebê, e a única lembrança desse tumor são três cicatrizes de alguns milímetros.

Mas como foi possível o final feliz? Tudo começou na melhor época da vida de Laura: porque depois de muito esforço e várias tentativas, o teste de gravidez finalmente deu positivo.

Nos primeiros meses não houve problemas particulares.

Mas então algo mudou.

Uma dor de estômago que não passava e uma dor de cabeça cada vez mais frequente a obrigaram a pedir ajuda ao ginecologista, esperando que esses fossem os efeitos normais da gravidez.

Mas seus instintos lhe diziam que não era esse o caso.

Na verdade, o médico descobriu que sua pressão arterial estava muito alta.

Nos dias seguintes, a situação se agravou e ela teve que ser internada no hospital de sua cidade natal, na província de Milão.

Apesar do tratamento inicial, no entanto, sua condição não melhorou e sua pressão alta estava começando a colocar seu bebê em risco.

Gravidez em risco: uma ultrassonografia do abdômen mostrou uma massa acima do rim esquerdo, provavelmente um tumor

Por isso, tornou-se essencial transferir Laura para a Clínica Mangiagalli do Policlinico di Milano, ponto de referência para gestações complexas.

Aqui, a colaboração entre os especialistas de Endocrinologia e Patologia da Gravidez permitiu-nos dar um nome imediato a essa massa: era um feocromocitoma de 8 centímetros, um tumor muito perigoso para a vida da mãe e do filho.

Este tumor afeta a glândula adrenal, que está localizada acima do rim. A função normal da glândula adrenal é liberar hormônios que regulam muitos aspectos do corpo, incluindo pressão arterial, batimentos cardíacos e reações ao estresse.

Com o tumor, no entanto, esses hormônios enlouqueceram, e é por isso que a condição de Laura, já grávida de seis meses, era tão complicada.

O feocromocitoma é um tumor raro, afetando apenas 7 em 100,000 gestações.

Para este caso complexo, a Policlínica reuniu uma equipe dedicada de especialistas que puderam avaliar o melhor curso de ação de forma multidisciplinar.

Como a gravidez já estava no segundo trimestre, ginecologistas, endocrinologistas, cirurgiões, cardiologistas, anestesistas e reanimadores estiveram envolvidos e juntos decidiram remover o tumor com a maior delicadeza possível para não correr o risco de parto prematuro.

Ginecologistas e especialistas em Patologia da Gravidez também participariam da cirurgia de remoção do tumor, para estarem prontos para qualquer necessidade

Para intervir, no entanto, era essencial estabilizar a pressão arterial da futura mãe, então os médicos estabeleceram terapia medicamentosa para mantê-la dentro dos limites por pelo menos 10 dias antes da operação.

Nossa experiência na remoção desses tumores”, explica Luigi Boni, Diretor de Cirurgia Geral, que realizou a operação junto com Elisa Cassinotti, cirurgiã de sua equipe, “nos permitiu operar através de pequenas incisões com uma técnica laparoscópica minimamente invasiva: isso nos permitiu não apenas proteger a gravidez o máximo possível, mas também uma recuperação mais rápida após a operação”.

A equipe multidisciplinar também incluiu Manuela Wally Ossola, chefe de Patologia da Gravidez, e Maura Arosio, diretora de Endocrinologia.

A operação foi um sucesso: o tumor foi completamente removido, enquanto o bebê continuava descansando na barriga da mãe.

Ao final da operação, a mulher conseguiu ouvir ao vivo os batimentos cardíacos de seu bebê, tendo assim a certeza de que tudo havia corrido bem.

Poucos dias após a operação, Laura voltou para casa e sua gravidez continuou sem complicações.

Então finalmente chegou o dia: no início do nono mês Nicola nasceu de cesariana.

O tumor é apenas uma lembrança ruim: o menino já está em casa nos braços da mãe, que depois de tantas preocupações pode finalmente cuidar dele, confiante em um futuro que há poucos meses parecia impossível.

Leia também:

Emergency Live Even More ... Live: Baixe o novo aplicativo gratuito do seu jornal para iOS e Android

O que é um tumor e como ele se forma

Você está grávida? Estudo de Yale explica os efeitos da vacina contra a Covid-19 na gravidez

Fonte:

Policlinico di Milano

você pode gostar também